Constantia
MondovinoDonizetti Vicentin02/12/2017 13:17

Atualmente, quando falamos em vinhos doces, logo lembramos de vinhos de colheita tardia e vinhos do port,,séculos atrás, por volta de 1700, um dos vinhos de sobremesa mais celebrados do mundo era sul-africano seu nome Contantia.. Era, um dos preferidos de grandes governantes europeus e personalidades importantes dos séculos XVIII e XIX, como Baudelaire, Charles Dickens , Alexandre Dumas, Napoleão Bonaparte por exemplo. O Constantia, um licoroso elaborado a partir de uvas Moscatel – lá chamadas de Muscat Blanc à Petits Grains ou Muscat de Frontignan.. Tudo começou com um disputa.

Os holandeses na época competiam com portugueses e espanhóis pelas grandes rotas marítimas comerciais.

Os holandeses, muito astutos, logo perceberam que a demorada viagem ao longo das costas africanas iria necessitar de postos de suprimentos vitais, especialmente na sua posição intermediária, ou seja, no próprio Cabo.

Sem perda de tempo, a 6 de abril de 1652, a holandesa Companhia das Índias Orientais, através do comandante Jan Van Riebeck, implantou na região a Cidade do Cabo um posto comercial permanente, especializado no abastecimento das naus com água e outros víveres indispensáveis aos embarcados. A colonização da região não era o primeiro objetivo.

A vitivinicultura sul-africana nasceu por iniciativa do próprio Jan van Riedeeck, que estabeleceu em Table Bay, Cidade do Cabo, os primeiros vinhedos que, numa iniciativa pioneira, deram não mais do que vinhos rascantes e adstringentes.porem quando das primeiras colheitas de uva moscatel as coisas se mostraram diferentes, em pouco tempo, percebeu-se que o terroir dali poderia dar bons frutos. Van der Stel batizou o local como Constantia (acredita-se que em homenagem ao um navio holandês do qual ele havia feito parte da tripulação) e começou a produzir vinhos brancos tintos e doces.

Van der Stel, contudo, morreu em 1712, e a propriedade acabou dividida em três partes, sendo que duas produziam o vinho: Groot Constantia e Klein Constantia – a mais renomada. Em 1733, o dono desta última comprou a Groot e as reunificou. Mas ele morreria dez anos depois.

Seu vinho doce, contudo, ganhou fama, creditada à limpeza das barricas, cubas e prensas, além do trabalho impecável na vinha. Diz-se que escravos eram enviados às vinhas diariamente para remover qualquer minúsculo inseto que estivesse sobre a planta, evitando, assim, as doenças.

Na virada dos séculos XVIII para XIX, o Constantia era conhecido no mundo todo, com suas garrafas valendo peso de ouro. No entanto, com os conflitos com os ingleses no fim dos anos 1700 e início dos 1800 – que culminaria na Guerra dos Bôeres em fins do século XIX –, além da infestação de pragas como oídio e a devastadora filoxera, os vinhedos sofreram demasiadamente e, por volta de 1860, o vinho praticamente já não mais existia Atualmente, ambas as propriedades produzem suas novas versões do Vin de Constance, mas ainda sem o mesmo prestígio de antes.

BONS VINHOS A TODOS

"Posso ir para o exilio mas sem um carregamento de vinho Constantia para aplacar minha tristeza a vida será impossível".

Napoleão Bonaparte, derrotado , quando foi exilido para a Ilha de Santa Helena, seu pedido foi atendido.

Deixe seu comentário

Leia Também

iptu - dezembro

+ mais galeriasGalerias de Fotos