OpiniãoAprendendo a lidar com as emoções humanas
Sálua OmaisQuinta, 3 de Agosto de 2017 - 14:49
Aprendendo a lidar com as emoções humanas

Conhecer e entender o mundo das emoções nem sempre é um caminho fácil. Saber gerenciar as emoções de forma inteligente e saudável também é algo que não aprendemos ao longo da nossa vida, nem com a família e nem na escola. E, por essa razão, muitas pessoas passam por sofrimentos emocionais que podem assumir dimensões muito maiores do que são na realidade. Isso acontece porque a maioria das pessoas reage a certas situações de vida, de forma exagerada, e precisam ser “ensinadas” em como criar filtros para lidar com eventos negativos, a fim de manter um estado emocional equilibrado. 

Nós não podemos ter uma emoção, sem ter uma resposta a essa emoção. As emoções não estão apenas na nossa mente, mas no nosso corpo, na nossa maneira de enxergar, ouvir, falar, sentir e interpretar os acontecimentos. Elas afetam nossos músculos, nosso corpo, e nossa fisiologia de um modo geral e depois reflete no mundo externo. A maneira como as pessoas interpretam uma emoção vai direcioná-la para formas diferentes de enxergar o mundo, a ter um olhar de esperança ou de desespero, um sentimento de raiva ou de compaixão, uma reação de alegria ou de indiferença. Assim, depois que uma pessoa interpreta os fatos à sua maneira, essa interpretação pode ampliar ou reduzir a intensidade da emoção, a qual vai ser enviada para o corpo.

Emoções negativas e emoções positivas possuem diferentes impactos nas nossas ações. Quando temos emoções positivas geralmente nosso primeiro impulso é querer dividir aquilo com alguém, ou mostrar para as pessoas, ou estar com pessoas, ver o reconhecimento dos outros. Já quando temos uma emoção negativa geralmente queremos fugir, nos isolar, e nosso foco fica girando insistentemente ao redor de pensamentos negativos. Emoções negativas gritam em você, enquanto emoções positivas apenas cochicham baixinho.

Momentos ligados a emoções positivas passam rapidamente, enquanto que experiências ligadas a emoções negativas duram mais tempo, sobretudo na nossa mente.  O cérebro humano, assim como o corpo, é desenhado de forma que a emoção negativa acaba sendo mais forte, até porque é uma forma de ativar os mecanismos de proteção. No entanto, são as emoções positivas que nos incentivam a socializar mais com as pessoas, fazer novas conexões e usar nossa criatividade de modo a aumentar nossa capacidade de aprendizagem. 

Assim, acaba existindo uma certa “assimetria” entre emoções positivas e negativas, e por isso, as emoções negativas acabam tendo um peso e uma força maior, o que acaba nos tornando incapazes de enxergar as emoções e os eventos bons que estão ao nosso redor. Porém, se observarmos com bastante atenção, o número de  eventos e experiências positivas que acontece na vida da maioria das pessoas é maior do que o número de eventos negativos. Além disso, as emoções positivas são como pequenos motores que dirigem nosso crescimento, e apesar delas serem pequenas, elas são poderosas, mas para isso, elas devem acontecer de forma muito frequente para ter um efeito mais duradouro.

Algumas das emoções positivas mais comuns no ser humano, além da alegria e diversão, são,  o amor, a gratidão, a serenidade, a sabedoria, a esperança, o interesse em explorar coisas novas, além de um olhar aberto, tanto para coisas boas quanto para coisas ruins, ao invés do olhar crítico e fechado. Emoções positivas neutralizam emoções negativas e facilitam a recuperação física ou a recuperação diante de eventos frustrantes ou de estresse. No entanto, a capacidade das pessoas tornarem os eventos positivos da vida em emoções positivas é que faz a diferença, pois o positivo muitas vezes acaba passando desapercebido ou sem valorização. 

Se uma pessoa vivencia qualquer tipo de experiência positiva, mesmo que seja algo simples, e, no entanto, esse acontecimento não é visto, não é valorizado, percebido e nem reconhecido, com o passar do tempo, esse tipo de experiência acaba sendo visto como algo normal, ou simplesmente neutro. Assim, do mesmo modo que o peixe não vê a água, nós começamos a ver as coisas boas como se fossem “nada”, então se você não valorizar os eventos positivos, casa vez mais esses eventos vão passar desapercebidos pela sua mente, até chegar a um ponto em que a pessoa praticamente não vai mais conseguir ver nada de bom na sua vida, um caminho que pode acabar conduzindo pessoas à depressão ou a outros transtornos do humor.

Infelizmente a maioria das pessoas não sabe lidar com as emoções de forma saudável e funcional. Nós não somos ensinados a lidar com nossas emoções e pensamentos da mesma forma que somos ensinados a exercer uma profissão ou um trabalho, e por isso, buscamos desenvolver essas habilidades de outras formas, como por meio de terapias, ou ainda por meio da psicoeducação, através de cursos ou treinamentos na área de desenvolvimento humano e psicologia, a fim de encaixar a peça fundamental que falta para melhorar a qualidade dos nossos relacionamentos, a motivação no trabalho, a saúde e o bem-estar de modo geral: a educação emocional.

 

Sálua Omais é Psicóloga com Mestrado em Psicologia da Saúde e Saúde Mental, Master Coach e Trainer Internacional em Psicologia Positiva, Neurossemântica e PNL

 

Deixe seu comentário

Leia Também

SESC