TJ outubro-18 - interna
OpiniãoSentimento de culpa – um redemoinho dentro da mente humana
Sálua Omaissegunda, 9 de julho de 2018 - 09:36
Sentimento de culpa – um redemoinho dentro da mente humana

Fazer algo que não foi legal, ou que não ficou bom, e ficar remoendo fatos e acontecimentos, gera um desconforto crônico em diversas pessoas. A culpa, é um sentimento que atormenta e não desaparece facilmente. São poucas as pessoas que sabem lidar com esse sentimento, de forma eficiente e funcional. Obviamente que, esse é um sentimento que envolve uma série de crenças que a pessoa carrega desde a infância até a idade adulta, e por isso, muitas vezes não é tão simples de ser trabalhado ou “reequilibrado”. Existem indivíduos que se sentem culpados por tudo e por qualquer coisa, fazendo com que esse sentimento governe a maior parte da sua vida. Alguns se sentem mal por achar que não fizeram o suficiente para alguém ou que "deveriam" ter feito algo melhor.

A culpa impede que se tome decisões mais eficazes e eficientes, ou pior do que isso, pode fazer com que a pessoa simplesmente fique paralisada, sem decisão, sem ação e sem coragem para tentar reverter a sua situação. Manter-se focado na culpa, é como manter-se dentro de uma prisão, remoendo pensamentos e memórias, e aumentando o sentimento de ansiedade e confusão mental.

A culpa não é um sentimento que deva ser eliminado. Aliás, nenhuma emoção ou sentimento deve ser eliminado, pois todos possuem sua importância e função específica. A culpa tem sim o seu lado bom: é o “freio social” do ser humano, prevenindo que, de certa forma, as pessoas façam algo que possa ferir ou prejudicar alguém. O cuidado, a cautela, a prudência, são atitudes que nossa mente utiliza para evitar que o dano aconteça, e para prevenir que ele repercuta tanto no outro, como dentro de nós.

Na verdade, o sentimento de culpa passa a ser um problema quando ele se prolonga demais depois que o fato já aconteceu, tornando-se excessivo a ponto de impedir que a pessoa se concentre naquilo que é realmente importante, e incapacitando-a para outros afazeres da vida. Buscar excessivamente a aprovação dos outros, demonstra insegurança, e é um dos caminhos que levam pessoas a se sentirem inadequadas e culpadas.

A autopunição gerada pela culpa, quando repetitiva, não leva ao aprendizado, mas sim à inércia e ao medo, causando um impacto intenso sobre a autoconfiança e a autoestima. A culpa é um verdadeiro círculo vicioso: quanto mais a pessoa se sente culpada, mais ela alimenta esse sentimento, que tende a crescer mais e mais, aumentando a insatisfação com si próprio. Continuar a focar na culpa pelo que aconteceu, serve apenas para manter a pessoa presa, gerando mais ansiedade e confusão mental. Um dos antídotos para isso, é a aceitação das próprias imperfeições, e dos próprios erros. Um outro remédio, muito eficaz, é a autocompaixão, a capacidade em perdoar a si mesmo. Aprender a lidar com a culpa, na verdade, se resume em compreender o que realmente está acontecendo por trás desse sentimento, assumir o controle das emoções, aceitar a situação e escolher atitudes simples para reagir e continuar seguindo em frente.

 

Sálua Omais é Psicóloga e Palestrante, com Mestrado em Psicologia da Saúde e Saúde Mental, Master Coach e Master Trainer em Psicologia Positiva, Neurossemântica e PNL. É titular do site www.psicotrainer.com.br onde escreve artigos diversos sobre Psicologia Positiva, Coaching e Inteligência Emocional.

Deixe seu comentário

Leia Também