Menu
Busca quinta, 09 de julho de 2020
(67) 99647-9098
TJMS julho20
Agronegócio

Segundo produtor de grãos do país, Paraná tem pior seca em 30 anos

Estiagem terá impacto sobre safras de feijão e milho

06 junho 2020 - 19h40Priscilla Porangaba, com informações da Deral

Estudo feito pelo Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, mostra que o estado enfrenta a pior seca dos últimos 30 anos. E a previsão é de que as safras de feijão e de milho sejam as mais afetadas pela estiagem histórica.

O estado é o segundo maior produtor de grãos do Brasil e um dos maiores produtores de feijão do país. De acordo com o Instituto Brasileiro do Feijão e dos Pulses, o Paraná tem perto de 30% da produção nacional do tipo carioca e 73% do feijão preto.

O estudo analisou o volume de chuvas dos primeiros meses do ano, comparando com a média histórica. Os dados foram coletados do Sistema Meteorológico do Paraná (Simepar) e do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

O relatório mostra que a seca vem desde junho de 2019 mas se intensificou nos meses de março, abril e maio deste ano. Na região sul do estado, onde se concentra o cultivo de feijão, em abril, por exemplo, choveu 47 milímetros, enquanto a média é de 146.

Segundo a pesquisa do Departamento de Economia Rural, a estiagem fez a produtividade cair aproximadamente 39%. A produção da segunda safra de feijão, que era estimada em 438 mil toneladas, está em 270 mil.

Além disso, a qualidade do grão também ficou prejudicada. O relatório mostra que apenas 17% das lavouras estão em boas condições. Outros 59% estão em condições médias e 32% ruins.

Salatiel Turra, chefe do Deral, explica que se a seca continuar, a situação é de alerta mas neste momento tem um impacto menor porque 80% da safra já foi colhida. “A nossa preocupação é com o milho que ainda está em uma fase de desenvolvimento e apenas 2% foi colhido”, diz.

Segundo Turra, 80% da safra de milho no Paraná está em situação mais crítica. A estimativa é de que as perdas cheguem a 1,6 milhão de toneladas, o que corresponde a quase 15% da produção. Isso significa um prejuízo de cerca de 1 bilhão de reais para os produtores de milho do estado.

Governo decreta emergência hídrica

Por causa da estiagem, o governo do estado decretou, no começo de maio, emergência hídrica por 180 dias. Além de impactar o campo, a falta de chuvas também afeta o abastecimento de água da Região Metropolitana de Curitiba, onde vivem 3,2 milhões de pessoas.

Em algumas regiões da capital paranaense, as restrições de consumo chegam a ser de 36 horas, duas vezes por semana.

Desde março, a Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) implantou um sistema de rodízio de água. Das quatro barragens que abastecem a região de Curitiba, a do Iraí é que está em situação mais crítica, com 13,72% de capacidade. O sistema todo tem 38,35% de volume.

Situação não deve melhorar

Para Pedro Fontão, professor da Universidade Federal do Paraná e um dos coordenadores do Laboratório de Climatologia, a situação não deve melhorar logo.

“O cenário de previsão para os próximos meses não é tão animador, e a curto e médio prazo, não existe uma perspectiva otimista e concreta para a ocorrência de chuvas mais volumosas, que resolveriam a situação dos reservatórios e da agricultura,” diz.

Ele ainda alerta que a pouca chuva também pode se estender até 2021. “Um fator preocupante é a possibilidade de ocorrência do fenômeno La Niña, que poderia afetar as chuvas, negativamente, no sul do Brasil, para o final deste ano e início do próximo”, afirma.

PMCG Refis

Deixe seu Comentário

Leia Também

Agronegócio
Exportação de carne de aves dispara em MS
Agronegócio
Brasil participa de reunião para definir estratégia contra nuvem de gafanhotos
Agronegócio
Estado cria comitê para monitorar nuvem de gafanhotos da Argentina
Agronegócio
Frente fria muda direção de nuvem de gafanhotos que se aproximava do Brasil
Agronegócio
Tereza Cristina diz que Ministério monitora "nuvem de gafanhotos"
Agronegócio
Nuvem de gafanhotos chega à Argentina e se aproxima do Brasil
Agronegócio
Em MS, vazio sanitário da soja tem início nesta segunda
Agronegócio
Rios de MS estão com baixos índices de navegação", alerta Verruck
Agronegócio
Riedel participa de videoconferência sobre agronegócio internacional
Agronegócio
Exportações crescem e superávit de MS atinge US$ 979 milhões, aponta Governo

Mais Lidas

Geral
AO VIVO - V12 e DJ Marcelo Natureza tocam as mais pedidas pelo público
Saúde
Prefeitura garante R$ 9,5 milhões para a Santa Casa
Política
“Estou bem melhor”, diz Paulo Corrêa
Esportes
Live: Rodeio sem público começa nesta quinta em Chapadão do Sul