Menu
Busca sábado, 23 de março de 2019
(67) 99647-9098
TJMS março-19
Brasil

Afonso Pena recebe investimentos de R$ 680 mil em sinalização

10 janeiro 2012 - 12h20

A avenida Afonso Pena, principal de Campo Grande, receberá novo sistema de sinalização horizontal e vertical dentro de 90 dias. A via foi recapeada recentemente e ganhou reurbanização do canteiro central.

Serão substituídos três semáforos e feita implantação de temporizadores para pedestres nos cruzamentos com a Avenida Calógeras e com as Ruas 14 de Julho, 13 de Maio e Rui Barbosa.

Segundo a Agetran (Agência Municipal de Trânsito), a previsão é de que sejam investidos R$ 680 mil, incluindo R$ 380 mil liberados pelo Detran-MS, por meio de convênio.

O maior investimento, segundo o órgão, será na troca das faixas de sinalização, que contarão com material mais resistente, o elasto plástico, que embora seja mais caro, tem maior durabilidade.

Faixas pintadas com o material chegam durar cinco anos, enquanto a tinta comum exige manutenção praticamente a cada oito meses.

A sinalização semafórica será padronizada, com a troca dos equipamentos de três cruzamentos (com as avenidas Visconde de Taunay, Ernesto Geisel e rua Alagoas).

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Barragem da Vale em Minas está em alerta de rompimento
Brasil
Temer fica calado durante interrogatório
Brasil
Para “evitar traições”, deputado propõe levar cônjuges para Brasília
Brasil
Apenas uma das vítimas de massacre permanece internada
Brasil
Vale é acusada de atrasar repasses às vítimas
Brasil
Bolsonaro se reúne com seis presidentes sul-americanos
Brasil
Temer já está na Polícia Federal, no Rio
Brasil
“Indevida, equivocada e inconsequente”, diz Marun sobre prisão de Temer
Brasil
Mourão lamenta prisão de Temer
Brasil
“Amizade” entre Temer e Coronel Lima é um dos motivos da prisão de ex-presidente; Conheça a decisão

Mais Lidas

Oportunidade
JBS tem 30 vagas em Campo Grande
Polícia
Adolescentes desaparecidas são encontradas em SP
Geral
Trabalhadores protestam contra reforma da Previdência
Opinião
Contemporaneidade ou pré-julgamento?