Menu
Busca quarta, 15 de julho de 2020
(67) 99647-9098
TJMS julho20
Brasil

Após beirar ibope zero na estreia, programa de Rafinha terá mudanças

28 maio 2012 - 11h07Francisco Cepeda / AgNews

Esquetes muito longas e a iluminação problemática estão entre os principais problemas já percebidos pela produção do "Saturday Night Live", comandado por Rafinha Bastos, e que estreou ontem na RedeTV! com 0,9 ponto de média na medição em tempo real.

Durante vários minutos, porém, o programa chegou a beirar o traço de audiência (0,3 ponto). Cada ponto vale por 60 mil domicílios na Grande São Paulo.

O baixo ibope foi um balde de água fria para a direção da emissora, que esperava algo entre três e sete pontos de média. Decepção para quem bateu o pé e insistiu que o humorístico fosse ao ar no domingo, para concorrer com os desafetos do "Pânico", que mudaram para a Band. Resultado: enquanto o SNL marcava 0,3, o "Pânico" registrava 9 pontos.

Para a próxima semana, a produção deve preparar quadros mais enxutos e piadas mais ágeis. Em último caso, se não houver reação, a aposta é que o programa mudará de dia e de horário.

Via Folha

Vacinne

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Luan Santana demite banda
Brasil
Justiça determina pagamento de Indenizações a novos atingidos por rompimento em Mariana
Brasil
“Não atingi a honra das Forças Armadas”, diz Gilmar Mendes
Brasil
“Bêbada de Curitiba” morre após luta contra o câncer
Brasil
Famoso por velar a mãe sozinho, José morre queimado
Brasil
Vídeo: ventania causa destruição em São Luiz
Brasil
Vídeo: empresário morre após cair de parapente
Brasil
Adolescente encontra dedo humano dentro de esfirra
Brasil
Estudante picado por naja no DF tem melhora no quadro de saúde
Brasil
Vídeo: a picada quase fatal, de naja em “play boy”

Mais Lidas

Polícia
“Encontraram o monstro”, diz primo de Carla sobre assassino
Polícia
Ex-patroa é denunciada por abandono de incapaz que resultou em morte
Saúde
MP solicita inspeção em frigoríficos no interior
Polícia
Comerciante foi morta porque reconheceu voz de ex-funcionário, diz investigação