Menu
Busca quinta, 29 de outubro de 2020
(67) 99647-9098
TJMS outubro20
Brasil

Após reclamações, 'CQC' cita liberdade de imprensa para se defender

24 abril 2012 - 11h23Divulgação

"Será que é hora de jornalistas pensarem em restringir a liberdade de imprensa?"

Marcelo Tas, âncora do"CQC", reagiu assim às reclamações de jornalistas após confusão que por pouco não terminou em pancadaria contra o humorista Mauricio Meirelles e equipe.

No programa desta segunda (23), Tas tratou o episódio como "pequeno zum-zum-zum" e criticou a disposição de um sindicato do Distrito Federal de propor restrições ao trabalho do "CQC" na capital.

Na semana passada, Meirelles tentou de várias formas ("custe o que custar", conforme o lema da atração) chamar a atenção da secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, que participava de evento oficial em Brasília.

Acabou, contudo, irritando jornalistas ao atrapalhar a gravação de equipes de TV.

O humorista (incorporado neste ano ao programa da Band) tentou entregar uma máscara de Carnaval para Hillary enquanto berrava "samba!" --pouco antes, a americana tinha sido flagrada bebendo cerveja e dançando num bar na Colômbia.

Houve, então, uma discussão com a assessoria de imprensa do Ministério das Relações Exteriores.

Em seguida, a equipe do "CQC" prometeu discrição para não ficar de fora de uma entrevista coletiva com Hillary e o ministro Antonio Patriota. Promessa cumprida.

Mas, na saída, mais confusão: com nova tentativa de fazer a máscara chegar às mãos de Hillary, Meirelles atrapalhou o trabalho de fotógrafos, cinegrafistas e repórteres. Os colegas quase trocaram agressões físicas --Itamaraty e embaixada dos EUA precisaram intervir para que isso não se concretizasse.

'Pequeno zum-zum-zum'
O programa desta semana, segundo Tas, mostrou o que "realmente aconteceu", a despeito de reportagens "que [disseram que] o 'CQC' foi lá, fez uma coisinha que não podia, fez bobagem numa coletiva de imprensa".

O quadro começou com Meirelles entrevistando parlamentares --que, na maioria, desconheciam os motivos que trouxeram a norte-americana ao Brasil.

Corta para o evento com Hillary e Patriota. O integrante do "CQC" tenta entregar a máscara carnavalesca, para que ela possa "dançar e beber" à vontade. Hillary percebe a movimentação, sorri, aplaude e bate com a mão no coração.

No modo "defensivo", o "CQC" exibiu um relógio para provar que, durante toda a coletiva de imprensa (cerca de 40 minutos), Meirelles não se manifestou --ainda que as reclamações tenham ocorrido pelo comportamento do "CQC" no começo e no fim do evento.

Tas também rechaçou a ideia de que jornalismo e humor não podem se misturar. Disse que a tentativa de "calar um programa" pode ser um perigoso precedente.

Termina, por fim, afirmando que "o 'CQC' não está aqui para brigar com ninguém. O CQC é só amor".

Via Folha

CertFica

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Lula perde sogra para o coronavírus
Brasil
Vídeo: Homem é pego 'transando' com égua e apanha da dona do animal
Brasil
Governo autoriza a importação de gás da Bolívia pela Petrobras
Brasil
Burro fica suspenso em carroça com excesso de tijolos como carga
Brasil
“Esse preto não vai entrar no meu condomínio”, hamburgueria expõe caso de racismo
Brasil
Vídeo: Incêndio atinge o Hospital Federal de Bonsucesso no RJ
Brasil
Paraquedista morre durante salto no interior de São Paulo
Brasil
Vítima de estupro coletivo diz ter HIV
Brasil
Astronomia: Jovem vende empada para comprar telescópio
Brasil
Namorado não aceita resposta do pedido de casamento e surta

Mais Lidas

Política
Candidatos participam de debate na Fetems
Cidade
Assembleia homenageia Dudu do Bifão e pai do vereador Salineiro
Justiça
Cinco cidades de MS receberão apoio das Forças Armadas
Geral
Justiça manda candidata provar que sabe ler