Menu
Busca domingo, 21 de abril de 2019
(67) 99647-9098
Brasil

Após reclamações, 'CQC' cita liberdade de imprensa para se defender

24 abril 2012 - 11h23Divulgação

"Será que é hora de jornalistas pensarem em restringir a liberdade de imprensa?"

Marcelo Tas, âncora do"CQC", reagiu assim às reclamações de jornalistas após confusão que por pouco não terminou em pancadaria contra o humorista Mauricio Meirelles e equipe.

No programa desta segunda (23), Tas tratou o episódio como "pequeno zum-zum-zum" e criticou a disposição de um sindicato do Distrito Federal de propor restrições ao trabalho do "CQC" na capital.

Na semana passada, Meirelles tentou de várias formas ("custe o que custar", conforme o lema da atração) chamar a atenção da secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, que participava de evento oficial em Brasília.

Acabou, contudo, irritando jornalistas ao atrapalhar a gravação de equipes de TV.

O humorista (incorporado neste ano ao programa da Band) tentou entregar uma máscara de Carnaval para Hillary enquanto berrava "samba!" --pouco antes, a americana tinha sido flagrada bebendo cerveja e dançando num bar na Colômbia.

Houve, então, uma discussão com a assessoria de imprensa do Ministério das Relações Exteriores.

Em seguida, a equipe do "CQC" prometeu discrição para não ficar de fora de uma entrevista coletiva com Hillary e o ministro Antonio Patriota. Promessa cumprida.

Mas, na saída, mais confusão: com nova tentativa de fazer a máscara chegar às mãos de Hillary, Meirelles atrapalhou o trabalho de fotógrafos, cinegrafistas e repórteres. Os colegas quase trocaram agressões físicas --Itamaraty e embaixada dos EUA precisaram intervir para que isso não se concretizasse.

'Pequeno zum-zum-zum'
O programa desta semana, segundo Tas, mostrou o que "realmente aconteceu", a despeito de reportagens "que [disseram que] o 'CQC' foi lá, fez uma coisinha que não podia, fez bobagem numa coletiva de imprensa".

O quadro começou com Meirelles entrevistando parlamentares --que, na maioria, desconheciam os motivos que trouxeram a norte-americana ao Brasil.

Corta para o evento com Hillary e Patriota. O integrante do "CQC" tenta entregar a máscara carnavalesca, para que ela possa "dançar e beber" à vontade. Hillary percebe a movimentação, sorri, aplaude e bate com a mão no coração.

No modo "defensivo", o "CQC" exibiu um relógio para provar que, durante toda a coletiva de imprensa (cerca de 40 minutos), Meirelles não se manifestou --ainda que as reclamações tenham ocorrido pelo comportamento do "CQC" no começo e no fim do evento.

Tas também rechaçou a ideia de que jornalismo e humor não podem se misturar. Disse que a tentativa de "calar um programa" pode ser um perigoso precedente.

Termina, por fim, afirmando que "o 'CQC' não está aqui para brigar com ninguém. O CQC é só amor".

Via Folha

pmcg - prestação de contas

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Bolsonaro diz que invasão de terra tem que ser tipificada como terrorismo
Brasil
Recadastramento de clientes de celulares pré-pagos começa nesta quinta
Brasil
Moraes revoga decisão que censurou reportagens
Brasil
Avianca vai devolver oito aeronaves depois da Páscoa
Brasil
Bolsonaro exonera general corumbaense, da secretaria de Esportes
Brasil
Mulher é presa seis anos após matar o ex-namorado
Brasil
Mega acumula e pode pagar R$ 60 mi, no sábado
Brasil
Revista Time coloca Bolsonaro entre os "100 mais influentes do mundo"
Brasil
Fachin quer manifestação de Moraes sobre inquérito de fake news
Brasil
Vale vai retomar atividades na Mina de Brucutu

Mais Lidas

Polícia
Homem tem mãos decepadas, na fronteira
Polícia
Ex-radialista é morta com 24 facadas pelo sobrinho
Geral
Meningite mata jornalista conhecido em MS
Polícia
De "braços abertos", indígena é atropelada em rodovia