Menu
Busca quinta, 19 de maio de 2022
(67) 99647-9098
Tjms Maio22
Brasil

Bolsonaro veta mais de R$ 1 bilhão em recursos para a Previdência e Educação

Na Lei orçamentária, presidente destina R$ 89,1 bilhões ao programa social Auxílio Brasil

25 janeiro 2022 - 10h18Sarah Chaves, com Agência Senado

O Orçamento Geral da União para este ano foi sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro que cortou R$ 3,1 bilhões em despesas aprovadas em dezembro pelo Congresso Nacional:

São R$ 1,3 bilhão em emendas de comissão e R$ 1,8 bilhão em despesas discricionárias. O corte equivale a apenas 0,06% dos R$ 4,8 trilhões previstos no projeto de lei (PLN 19/2021). A sanção foi publicada nesta segunda-feira (24) no Diário Oficial da União.

Os vetos precisam ser apreciados por senadores e deputados em sessão conjunta. Se não forem votados em 30 dias, trancam a pauta do Congresso Nacional.

A área que mais perdeu recursos em valores nominais foi o Ministério do Trabalho e Previdência, com veto de R$ 1 bilhão. Em seguida vem o Ministério da Educação, com um cancelamento de R$ 736 milhões. Outros órgãos com grande volume de recursos vetados foram Desenvolvimento Regional (R$ 458,7 milhões), Cidadania (R$ 284,3 milhões) e Infraestrutura (R$ 177,8 milhões).

O programa que mais perdeu recursos foi a administração do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), com corte de R$ 709,8 milhões. 

Na mensagem enviada ao Congresso Nacional (VET 11/2022), o presidente da República justifica o corte “por inconstitucionalidade e contrariedade ao interesse público”. Segundo Bolsonaro, os parlamentares subestimaram despesas obrigatórias com o pagamento de pessoal e encargos sociais, que precisam ser recompostas. “Ante a necessidade projetada de recomposição das despesas primárias com pessoal, impõe-se o veto das programações”.

Dos R$ 4,7 trilhões previstos, R$ 1,884 trilhão vai para o refinanciamento da dívida pública federal. O Orçamento de 2022 destina R$ 89,1 bilhões ao programa social Auxílio Brasil. Jair Bolsonaro manteve R$ 4,9 bilhões para o fundo eleitoral e uma previsão de R$ 1,7 bilhão para o reajuste de servidores públicos.

O teto de gastos é fixado em R$ 1,7 trilhão e considera a projeção do IPCA de 10,18% ao ano. O resultado primário previsto é de déficit de R$ 79,3 bilhões. As emendas de relator somam R$ 16,5 bilhões. 

Energisa

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Autoescola pode deixar de ser obrigatória para tirar a CNH
Brasil
Acidente entre ônibus e carreta deixa 11 mortos na BR-163
Brasil
Mega-Sena: apostas do DF e do Entorno fazem a quina e levam R$ 62 mil
Brasil
Estados vão recorrer da decisão sobre cobrança do ICMS sobre o diesel
Brasil
Saque de até R$ 1 mil do FGTS está liberado para nascidos em maio
Brasil
Mega-Sena deste sábado tem prêmio estimado em R$ 35 milhões
Brasil
Governo vai ao STF contra política de ICMS dos estados
Brasil
Após pedido de ministro, Guedes diz que iniciará estudo de privatização da Petrobras
Brasil
iFood e Zé Delivery são notificados pelo Procon por pedidos com valor mínimo
Brasil
Aleksandro recebe últimas homenagens e cortejo de sertanejos; Assista

Mais Lidas

Polícia
Detento é encontrado morto em cela no presídio da Gameleira
Política
Luiz Renato é o novo secretário de Fazenda de MS
Geral
Mulher pede ajuda em bar e é socorrida com hipotermia na Capital
Interior
Furioso, marido morde e arranca parte de orelha de esposa