Menu
Busca terça, 19 de março de 2019
(67) 99647-9098
Brasil

Câmara promulga lei para punir venda de cigarro paraguaio, que já é crime

27 maio 2011 - 11h22Arquivo

A Câmara dos Vereadores de Campo Grande promulgou hoje lei estabelecendo punição para um crime já previsto no Código Penal Brasileiro, a venda de cigarros contrabandeados. Apesar de ilegal, a comercialização dos produtos é vista a todo tempo nas ruas e até em espaços apoiados pelo Poder Público, caso do camelódromo instalado na avenida Afonso Pena.

A lei estabelece multa de R$ 5 mil em caso de flagrante de venda de cigarro contrabandeado. Esse valor pode ser dobrado em caso de reincidência. Se mesmo assim, o estabelecimento insistir, pode ter o alvará cassado.

A punição pode ser aplicada a estabelecimentos comerciais como bares, padarias, restaurantes e lanchonetes. O Executivo tem prazo de 60 dias para regulamentação da lei, “no que couber”, conforme o texto promulgado.

Lei municipal prevê punição para quem vender cigarros vindos do Paraguai em Campo Grande. (Foto: Arquivo) Pra que serve?A medida aprovada pela Câmara dos Vereadores é de autoria do vereador Márcio César (PPS). Ele justificou, ao apresentar o projeto, em novembro do ano passado, que o objetivo é dificultar o comércio ilegal de cigarros.

O vereador citou as pesquisas sobre o aumento do contrabando de cigarros, originados principalmente no Paraguai, e argumentou que o comércio ilegal gera “prejuízos incalculáveis não só aos fabricantes de produtos legalmente produzidos, mas também a nossa arrecadação”.

Observou, também, que há laudos científicos “demonstrando que, na composição do cigarro paraguaio, estão componentes malignos à saúde do consumidor”, entre eles substâncias proibidas no Brasil.

O vereador assegura que o projeto não fere a legislação já existente. Nesse sentido, cita o artigo 30 da Lei Orgânica Municipal, segundo o qual Legislativo pode propor leis sobre “assuntos de interesse local”.

Punição já prevista

O Código Penal Brasileiro estabelece, no artigo 344, pena de reclusão de um a quatro anos para o crime de contrabando.

A punição vale para quem traz esse tipo de mercadoria para o País e ainda para quem “vende, expõe à venda, mantém em depósito ou, de qualquer forma, utiliza em proveito próprio ou alheio, no exercício de atividade comercial ou industrial, mercadoria de procedência estrangeira que introduziu clandestinamente no País”.

O Código Penal cita que até a venda em residências pode ser enquadrada neste crime, mas o comum é ver as ações policiais apenas envolvendo grandes quantidades ou cargas que estão sendo transportadas nas estradas.

Com informações do Campo Grande News.

Sesc Novo

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Suspeito de atentado em Suzano é apreendido novamente
Brasil
Bolsonaro e Trump se reúnem hoje na Casa Branca
Brasil
Governo deve dialogar com partidos para aprovar reforma, diz Alcolumbre
Brasil
Após massacre, escola planeja acolhimento de alunos
Brasil
EUA: Bolsonaro tem reuniões com ex-secretário do Tesouro e empresários
Brasil
Suspeito de massacre em Suzano é liberado após prestar depoimento
Brasil
Netflix aumenta preços de assinaturas
Brasil
Último lote do abono salarial é pago hoje
Brasil
EUA: Bolsonaro viaja dia 17 acompanhado por seis ministros
Brasil
Nelsinho vai aos EUA com Bolsonaro

Mais Lidas

Polícia
Mistério: adolescentes desaparecem a caminho da escola
Polícia
Menina de dez anos se mata com arma do pai, em São Paulo
Polícia
Sul-mato-grossense e namorado morrem em acidente em Porto Alegre
Geral
Fazendeiro morre após bater moto contra placa de sinalização