Menu
Busca quinta, 23 de maio de 2019
(67) 99647-9098
Brasil

Com beijaço no RS, gays defendem criminalizar homofobia

18 maio 2011 - 15h59Mauricio Tonetto/Terra

O casal Anderson Souza e Vagner Carvalho, juntos há 6 anos, foi ao centro de Porto Alegre (RS) nesta quarta-feira para comemorar os avanços obtidos pelos homossexuais no Brasil e também para mandar um recado a quem trata os gays com preconceito. "Somos normais, pagamos nossos impostos e contas e temos o direito de casar e sermos felizes". Eles participaram do "Beijaço contra a homofobia", que reuniu cerca de 100 pessoas na Esquina Democrática, tradicional ponto de manifestações da capital gaúcha.

Promovido pela Assembleia Nacional dos Estudantes - Livre! (Anel), o ato integrou homossexuais e simpatizantes, que exigem a aprovação do Projeto de Lei (PL) 122, de autoria da ex-deputada Iara Bernardi, que pede a criminalização da homofobia. "Só vamos ter um avanço de consciência das pessoas quando o PL for aprovado. Não basta o movimento gay se organizar se não tivermos o amparo da lei e do governo", defendeu Renata Morais dos Santos, 24 anos.

Durante uma hora, das 12h30 às 13h30, os organizadores do beijaço distribuíram panfletos, gritaram palavras de ordem contra a discriminação, conversaram com as pessoas e promoveram um beijo coletivo duas vezes. "Isso é simbólico e mostra a necessidade da liberdade de expressão e da plena vivência da sexualidade da sociedade. Temos que exigir do governo a aprovação do PL, porque já foram muitas agressões e assassinatos motivados por ódio homofóbico e é hora de acabar com isso", disse Gylian Vinicius Cidade, 21 anos.

Sem vergonha de se expor

A estudante de Artes Cênicas Geovana Bortolini, 18 anos, bissexual assumida, disse que revelar a sua opção sexual é fundamental para derrubar o preconceito. "Enquanto a gente ficar só esperando que os outros aceitem sem mostrar para eles como é, será difícil eles perceberem o quanto é importante a aceitação".

Opinião semelhante têm Anderson Souza e Vagner Carvalho, que pretendem formalizar a união estável nos próximos meses. "Estamos lutando pelos nossos direitos e não queremos agredir ninguém. As pessoas têm que entender que todo mundo deve ser feliz como é, como gosta e como acredita. Preconceitos contra cor, classe social e sexo não cabem mais em pleno século 21", disse Anderson.

Sem nenhum distúrbio registrado, o ato foi bem recebido por pessoas como Nara Regina Duarte, 53 anos, que passava pelo local. "Eu acho muito importante isso, pois o preconceito é uma forma muito triste de expressão e de vida. Você tem que ver e viver com os olhos bem abertos para o futuro".

Homofobia no Brasil

O Brasil tem a maior parada gay do mundo, mas é recordista em agressões e assassinatos homofóbicos. Segundo o relatório Anual de Assassinato de Homossexuais de 2010 realizado pelo Grupo Gay da Bahia (GGB), foram documentados 260 assassinatos de gays, travestis e lésbicas no País no ano passado.

No topo da lista, a Bahia é o Estado que mais registra atos de violência, com 29 homicídios. O Rio Grande do Sul está na 20ª posição, com quatro assassinatos. O GGB coleta dados sobre homofobia no Brasil há três décadas.

STF decide a favor de união gay

Por unanimidade, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu no dia 5 de maio de 2011 pelo reconhecimento de união estável entre pessoas do mesmo sexo. Todos os dez ministros aptos a votar foram favoráveis a estender a parceiros homossexuais direitos hoje previstos a casais heterossexuais - o ministro Dias Toffoli se declarou impedido de participar porque atuou como advogado-geral da União no caso e deu, no passado, parecer sobre o processo.

Com o julgamento, os magistrados abriram espaço para o direito a gays em união estável de terem acesso a herança e pensões alimentícia ou por morte, além do aval de tornarem-se dependentes em planos de saúde e de previdência. Após a decisão, os cartórios não deverão se recusar, por exemplo, a registrar um contrato de união estável homoafetiva, sob pena de serem acionados judicialmente. Itens como casamentos civis entre gays ou o direito de registro de ambos os parceiros no documento de adoção de uma criança, porém, não foram atestados pelo plenário.

Com informações do portal Terra.

Fac Feijoada 2019

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Prêmio principal da mega-sena sai para SP
Brasil
STF disciplina fornecimento pelo SUS de remédio sem registro
Brasil
STF começa a julgar fornecimento de remédios de alto custo pelo SUS
Brasil
Governo está reavaliando decreto de armas, diz porta-voz
Brasil
Bolsonaro não vai à manifestação de domingo e manda ministros se afastarem
Brasil
Toffoli defende que reformas devem "enxugar" a Constituição
Brasil
Bolsonaro se reúne com ministros no Palácio da Alvorada
Brasil
Ruptura iminente faz Vale paralisar ferrovia
Brasil
“Juízes devem zelar para que pactos sejam cumpridos", diz Toffoli
Brasil
Menores vítimas de violência sexual costumam mostrar sinais

Mais Lidas

Geral
Bosque dos Ipês terá exposição de animais marinhos de dez metros
Clima
Temperatura volta a cair nesta quarta-feira, em Mato Grosso do Sul
Polícia
Massacre deixa seis mortos na fronteira
Política
Reinaldo e Marquinhos apresentam plano para desassorear Parque das Nações