Menu
Busca sábado, 07 de dezembro de 2019
(67) 99647-9098
TJMS Dezembro-19
Brasil

Comissão aprova reforma da Previdência dos militares

A CRE é presidida por Nelsinho Trad e o projeto foi aprovado nesta terça-feira

03 dezembro 2019 - 15h11Mauro Silva, com informações da Agência Senado

O projeto do governo federal que reestrutura a carreira e a previdência dos militares foi aprovado nesta terça-feira (3) pela Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE), presidida pelo senador, Nelsinho Trad (PSD-MS).

O senador Izalci Lucas (PSDB-DF) comunicou que será formada uma comissão em janeiro, reunindo técnicos dos Ministérios da Economia e da Defesa, além de parlamentares, para tratar de reparações a segmentos da carreira militar que se sentem injustiçados pelo PL 1.645/2019. O senador deixou claro que a criação da comissão tem o aval do presidente Jair Bolsonaro, que estaria preocupado com o assunto, pois sente-se “em dívida com seus companheiros das Forças”, segundo relato de Izalci.

A intenção do governo é aprovar o projeto ainda nesta semana.

Principais pontos

Além de reestruturar a carreira e criar novas regras relativas à aposentadoria de militares, o projeto ainda espelha essas regras com as que vão vigorar para as polícias militares e os corpos de bombeiros estaduais.

O PL 1.645/2019 cria o Adicional de Compensação de Disponibilidade Militar, relativo à disponibilidade permanente e à dedicação exclusiva, características da carreira. Esse adicional no soldo será maior quanto maior for a patente do militar, tanto para oficiais quanto para praças. Varia de 5% para militares em início de carreira a 32% no final. Para os oficiais-generais, o percentual vai de 35% a 41%.

A proposta ainda prevê reajustes anuais, até 2023, nos percentuais do Adicional de Habilitação, que serão incorporados aos soldos. O texto também trata de gratificações de representação, auxílio-transporte e ajudas de custo.

Ativos, inativos e pensionistas passarão a recolher 14% nos proventos para o sistema de seguridade. O texto também aumenta o tempo de serviço mínimo para aposentadoria de 30 para 35 anos e reduz o rol de dependentes e pensionistas. A permanência em cada posto também ficará mais longa.

O casamento ou a união estável continuam vedados para o ingresso ou a permanência em órgãos de formação ou graduação de oficiais e praças que os mantenham em regime de internato. Um outro artigo explicita que, caso a reestruturação leve, na prática, algum militar ter redução nos proventos, a diferença será paga a título de Vantagem Pessoal Nominalmente Identificada (VPNI).

 

 

Athus Ingles

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Mercosul eleva limite de isenção para viagens no exterior
Brasil
Mulher presa por ofender taxista negro responderá por quatro crimes
Brasil
Caso Daniel: Edison Brittes entrou com pedido de prisão domiciliar
Brasil
Brasil reconhece mais de 21 mil venezuelanos em condição de refugiados
Brasil
Simone quer aprovar pacote anticrime ainda este ano
Educação
Consulta aos locais de reaplicação do Enem já está disponível
Brasil
Bolsonaro diz que não pretende privatizar BB e Caixa
Brasil
Mulher é atacada por homem que fingiu estar com carro quebrado
Brasil
Fábio será o relator da PEC que discutirá prisão em 2º Instância
Brasil
Força Nacional atuará na garantia de segurança de indígenas

Mais Lidas

Polícia
Juiz determina volta de Jamil Name para Campo Grande
Polícia
Bombeiros são informados que homem que procuravam estava em casa dormindo
Economia
Melhoria na logística da MS-306 gera desenvolvimento econômico
Saúde
Teste com os dedos pode revelar doenças