Menu
Busca segunda, 12 de abril de 2021
(67) 99647-9098
Governo Balada - topo - abril21
Brasil

Crédito com garantia de imóvel é mais barato

26 abril 2011 - 10h14Arquivo

Cresce entre os brasileiros a opção pelos empréstimos com garantia de imóvel. Com juros menores, a modalidade é indicada para quem precisa de recursos a fim de abrir ou ampliar um empreendimento ou mesmo quitar dívidas mais caras, como as contraídas no cartão de crédito ou no cheque especial. Economistas alertam, porém, que é preciso estar atento ao custo total da operação, valores cobrados pela instituição que concede o crédito e outras despesas, como o registro do contrato que transfere o imóvel dado em garantia para o nome da empresa que emprestou o dinheiro.

Com taxas de juros a partir de 1% ao mês, quando a média do consignado, a mais barata das linhas tradicionais, é de 3,5%, o empréstimo com garantia de imóvel tem ganhado espaço nas carteiras das instituições que oferecem o produto.

Só a Caixa Econômica Federal, que tem a linha desde 1966, em 2010 emprestou R$ 317 milhões, aumento de 379% em relação a 2009.

O Banco Intermedium, que tem no produto seu carro-chefe, registrou crescimento de 120% na comparação entre o primeiro trimestre deste ano e igual período de 2010, com o volume de empréstimos na casa dos R$ 85 milhões.

A Brazilian Mortgages, que administra o BM Sua Casa, também especializada no produto, terminou 2010 com R$ 320 milhões emprestados, 82% a mais que em 2009.

Miguel de Oliveira, vice-presidente da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), afirma que a taxa de juros é menor porque a garantia é o imóvel que o tomador do financiamento transfere para o nome da instituição em um sistema chamado de “alienação fiduciária”.

Por este mecanismo jurídico, aprovado em 1997 e implantado definitivamente no Brasil em 2004, enquanto o débito não é quitado, o imóvel fica “alienado” à instituição credora, que pode “tomá-lo” em questão de dias se a dívida não for honrada.

Oliveira lembra que o consumidor deve pesquisar o custo efetivo total da operação em cada banco, isto é, todas as taxas cobradas. Ele observa, ainda, que há custos da realização de um novo contrato, no qual a propriedade do bem é passada para a instituição que concedeu o crédito, e do registro do documento em cartório. As instituições também cobram pela avaliação do imóvel, além da incidência de 3% de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF).

Para o executivo da Anefac, o prazo do financiamento é uma das vantagens da modalidade. “Enquanto a maioria das linhas de crédito fica mais cara para período superior a 24 meses, esta permite concessões até 360 meses”, observa Oliveira.

Ricardo Torres, professor de economia da Brazilian Business School (BBS), sugere que a operação só seja realizada de maneira programada, para a ampliação de um negócio ou atividade que propicie renda ou em momento de extrema necessidade. “Trata-se, às vezes, do único imóvel da família, que a pessoa irá perder se não honrar o pagamento”, diz.

Ricardo Lerche Eleutério, professor de economia das Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU), vê a modalidade como uma alternativa no combate a dívidas com juros maiores como cheque especial ou cartão de crédito.

Eleutério observa, porém, que se há urgência do dinheiro, talvez o tomador tenha de optar por outro tipo de financiamento, de liberação mais rápida. “Quando há imóvel como garantia, o processo de avaliação e registro em cartório pode levar mais tempo, de 20 a 30 dias”, avalia.

O supervisor financeiro Alexandro de Souza, 36 anos, utilizou o produto para reformar um imóvel que pensava em vender, mas não encontrou proposta que o agradasse. Em abril de 2010, ele financiou R$ 120 mil em 120 meses, dando em garantia o imóvel que receberia as melhorias, avaliado em R$ 600 mil. Segundo ele, entre o primeiro contato com a instituição e a liberação do dinheiro passaram-se 35 dias.

Souza alerta que a linha só é indicada para pessoas com trabalho estável e renda mensal fixa. “Deixar de pagar, nem pensar porque o risco de perder o imóvel é real”, diz supervisor financeiro.

Com informações da Agência Estado.

APP JD1_android

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Vídeo: Advogado 'esquece' câmera ligada e aparece tomando banho em sessão
Brasil
CNH passará a valer por 10 anos a partir da próxima segunda-feira; confira
Brasil
Covid: Brasil registra 4.249 mortes em 24h e bate novo recorde
Brasil
Caiu: Instagram e Facebook ficam fora do ar mais uma vez
Brasil
Governo anuncia mais 4,4 milhões de vacinas
Brasil
População abaixo da linha da pobreza triplica no Brasil, aponta levantamento
Brasil
Senado quer proibir tributos para vacinas
Brasil
Longen vê reajuste do gás natural como prejudicial para empresas
Brasil
Bolsonaro descarta lockdown nacional
Brasil
Agência bancária é assaltada e criminosos fazem servidores como reféns

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio