Menu
Busca domingo, 05 de fevereiro de 2023
(67) 99647-9098
Brasil

Derrubado o veto à distribuição de absorventes para mulheres de baixa renda

Com isso, o texto vetado é promulgado no Congresso e a medida se torna lei

11 março 2022 - 07h12Da redação, com Agência Brasil
Sebrae Materia

O veto presidencial ao projeto que prevê distribuição gratuita de absorventes para estudantes de baixa renda da rede pública e para mulheres em situação de rua ou de vulnerabilidade social foi derrubado nesta quinta-feira (10) pelo Congresso Nacional. Com isso, o texto vetado é promulgado no Congresso e a medida se torna lei.

O projeto, cujo veto foi derrubado hoje, visa promover uma estratégia de saúde e atenção à higiene, combatendo a precariedade menstrual, a falta de acesso a produtos de higiene e outros itens necessários ao período da menstruação. Serão contempladas as mulheres em idade reprodutiva inscritas no Cadastro Único de Programas Sociais (CadÚnico), além de mulheres em situação de rua, independentemente de cadastro.

Itens específicos dessa política, como critérios de quantidade e forma da oferta gratuita de absorventes, serão definidos em regulamento posterior. Os recursos serão da União disponibilizados ao Sistema Único de Saúde (SUS). No caso das mulheres apreendidas e presidiárias, a verba será disponibilizada pelo Fundo Penitenciário Nacional.

Veto e decreto posterior

Em outubro, o presidente Jair Bolsonaro sancionou o Programa de Proteção e Promoção da Saúde Menstrual, mas vetou a distribuição dos absorventes, principal ponto da iniciativa. Na justificativa do governo, o projeto contrariaria o interesse público. Segundo os ministérios da Economia e da Educação, aos quais o presidente da República consultou, o projeto não indicava fonte de custeio ou medida compensatória.

O veto entrou e saiu da pauta de sessões do Congresso duas vezes, sob críticas de parlamentares. A tendência entre os parlamentares, no entanto, sempre foi pela derrubada do veto. Uma das indicações disso era a sinalização do próprio presidente do Congresso, senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG), de que trabalharia em favor do projeto.

Na última terça-feira (8), Dia Internacional da Mulher, Bolsonaro assinou um decreto prevendo a oferta de absorventes “às mulheres que necessitarem”. O decreto, no entanto, destaca que a distribuição é condicionada à disponibilidade orçamentária e financeira. Ou seja, não há garantia legal de que ocorrerá tal  distribuiçãoo.

Durante a derrubada do veto, parlamentares criticaram o decreto e destacaram seus efeitos limitados. “Quando Bolsonaro tenta demonstrar que talvez tenha se sensibilizado, faz um decreto que a gente vê, na prática, que é mais uma chacota. Um decreto sem prazo, sem recurso, sem fonte de financiamento”, disse a deputada Tabata Amaral (PDT-SP). Já Sâmia Bonfim (PSOL-SP) destacou que o projeto do Congresso engloba 3,5 milhões a mais de mulheres que previsto no decreto.

Sebrae Materia

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Justiça usa ação para resguardar trabalhadores das Americanas
Brasil
Câmara elege nesta quinta-feira deputado para ser indicado a ministro do TCU
Brasil
Daniel Silveira é preso um dia após perder mandato
Brasil
JD1TV: Senador denuncia Bolsonaro como golpista e comunica renuncia
Brasil
Morre Glória Maria, aos 73 anos, ícone do jornalismo
Clima
Vem mais chuva! Dia amanhece nublado e máxima deve chegar aos 28°C na Capital
Brasil
De novo? Mega-Sena acumula e prêmio salta para R$ 135 milhões
Brasil
Vai apostar? Mega-Sena sorteia bolada de R$ 115 milhões hoje
Brasil
Congresso empossa hoje 513 deputados e 27 senadores
Brasil
STF pede à PGR que investigue Valdemar Costa Neto

Mais Lidas

Polícia
Mãe desaparece com filho de 6 anos e preocupa família na Capital
Interior
Raio mata 16 cabeças de gado e causa prejuízo de R$ 60 mil a pecuarista de MS
Polícia
Entregador de aplicativo é preso enquanto fazia entregas de "disk droga"
Polícia
Colisão entre carro e viatura do Batalhão do choque deixa feridos na Capital