Menu
Busca sexta, 24 de maio de 2019
(67) 99647-9098
Brasil

Empresa diz que desativará quatro reatores de Fukushima

30 março 2011 - 09h32
A companhia japonesa Tokyo Electric Power Co (Tepco), disse nesta quarta-feira (30) que irá sucatear quatro reatores da usina nuclear de Fukushima Daiichi, enquanto o país se esforça para controlar a crise nuclear duas semanas após o forte terremoto e tsunami que devastaram o Japão, informou a agência Kyodo. A empresa também disse que os esforços para conter a crise vão levar tempo. Tsunehisa Katsumata, executivo da Tepco, afirmou que "várias semanas" será pouco tempo para estabilizar os reatores. Em um sinal de que a dimensão da catástrofe é enorme, Katsumata admitiu em uma entrevista coletiva que o custo de compensação do desastre irá prejudicar financeiramente a empresa, que se esforçará para evitar a nacionalização. Complexo de Fukushima Daiichi, visto em foto aérea do dia 24 de março (Foto: Reuters)''Pedimos desculpas por provocar no público ansiedade, preocupação e problemas devido às explosões em prédios do reator e da liberação de materiais radioativos'', disse Katsumata no escritório da companhia em Tóquio. 10 mitos sobre energia nuclear ''Nós não temos escolha a não ser sucatear os reatores 1 a 4, se olharmos para as suas condições objetivamente'', acrescentou Katsumata em um momento em que os trabalhadores continuam os esforços para impedir o superaquecimento e para restaurar os sistemas de refrigeração. A empresa informou mais cedo que os reatores 5 e 6, as duas unidades restantes do complexo Daiichi, já estão em condição estável. Desde que perdeu sistemas de refrigeração para reatores após o terremoto e tsunami de 11 de março, a usina tem vazado material radioativo no ar e mar. Mais cedo, a Tepco disse que seu presidente, Shimizu, de 66 anos, foi internado terça-feira por hipertensão e tonturas. Katsumata, que já assumiu o papel de Shimizu temporariamente na liderança dos esforços para solucionar a crise, disse que o presidente deve retornar em breve e continuar tomando a liderança na gestão da crise. Shimizu apareceu poucas vezes em público desde uma conferência de imprensa em 13 de março, dois dias depois do desastre natural. Shimizu ficou debilitado a partir de 16 de março, segundo a empresa. Fonte: G1 com agências internacionais
Fac Feijoada 2019

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
“Reforma da Previdência deve ser aprovada em até 90 dias”, diz Guedes
Brasil
STF decide continuar julgamento sobre criminalização da homofobia
Brasil
Moro lamenta retorno do Coaf para Economia
Brasil
Funsat tem oportunidades com salários de até R$ 2 mil
Brasil
Prêmio principal da mega-sena sai para SP
Brasil
STF disciplina fornecimento pelo SUS de remédio sem registro
Brasil
STF começa a julgar fornecimento de remédios de alto custo pelo SUS
Brasil
Governo está reavaliando decreto de armas, diz porta-voz
Brasil
Bolsonaro não vai à manifestação de domingo e manda ministros se afastarem
Brasil
Toffoli defende que reformas devem "enxugar" a Constituição

Mais Lidas

Geral
Bosque dos Ipês terá exposição de animais marinhos de dez metros
Polícia
Homem bêbado pede para descansar e morre no sofá do vizinho
Clima
Temperatura volta a cair nesta quarta-feira, em Mato Grosso do Sul
Polícia
Massacre deixa seis mortos na fronteira