Menu
Busca domingo, 25 de agosto de 2019
(67) 99647-9098
Brasil

Empresa diz que desativará quatro reatores de Fukushima

30 março 2011 - 09h32
A companhia japonesa Tokyo Electric Power Co (Tepco), disse nesta quarta-feira (30) que irá sucatear quatro reatores da usina nuclear de Fukushima Daiichi, enquanto o país se esforça para controlar a crise nuclear duas semanas após o forte terremoto e tsunami que devastaram o Japão, informou a agência Kyodo. A empresa também disse que os esforços para conter a crise vão levar tempo. Tsunehisa Katsumata, executivo da Tepco, afirmou que "várias semanas" será pouco tempo para estabilizar os reatores. Em um sinal de que a dimensão da catástrofe é enorme, Katsumata admitiu em uma entrevista coletiva que o custo de compensação do desastre irá prejudicar financeiramente a empresa, que se esforçará para evitar a nacionalização. Complexo de Fukushima Daiichi, visto em foto aérea do dia 24 de março (Foto: Reuters)''Pedimos desculpas por provocar no público ansiedade, preocupação e problemas devido às explosões em prédios do reator e da liberação de materiais radioativos'', disse Katsumata no escritório da companhia em Tóquio. 10 mitos sobre energia nuclear ''Nós não temos escolha a não ser sucatear os reatores 1 a 4, se olharmos para as suas condições objetivamente'', acrescentou Katsumata em um momento em que os trabalhadores continuam os esforços para impedir o superaquecimento e para restaurar os sistemas de refrigeração. A empresa informou mais cedo que os reatores 5 e 6, as duas unidades restantes do complexo Daiichi, já estão em condição estável. Desde que perdeu sistemas de refrigeração para reatores após o terremoto e tsunami de 11 de março, a usina tem vazado material radioativo no ar e mar. Mais cedo, a Tepco disse que seu presidente, Shimizu, de 66 anos, foi internado terça-feira por hipertensão e tonturas. Katsumata, que já assumiu o papel de Shimizu temporariamente na liderança dos esforços para solucionar a crise, disse que o presidente deve retornar em breve e continuar tomando a liderança na gestão da crise. Shimizu apareceu poucas vezes em público desde uma conferência de imprensa em 13 de março, dois dias depois do desastre natural. Shimizu ficou debilitado a partir de 16 de março, segundo a empresa. Fonte: G1 com agências internacionais

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Mega acumula novamente e pode pagar R$ 46 mi na quarta-feira
Brasil
Moro autoriza envio da Força Nacional para combater desmatamento
Brasil
Maia defende uso de fundo da Petrobras para combater queimadas
Brasil
Pequenos negócios criaram 95% das vagas em julho, diz Sebrae
Brasil
Bolsonaro diz que incêndios não podem gerar sanções ao Brasil
Brasil
Nova fase da Lava Jato investiga crimes que causaram prejuízos de R$ 6 bi
Brasil
Ibama vai contratar empresa para monitorar desmatamento
Brasil
Policial passa mal e morre no dia que soube que seria pai
Brasil
“Aumento de queimadas na Amazônia pode ser ação criminosa”, diz Bolsonaro
Brasil
Mega sorteia R$ 31 milhões nesta quarta

Mais Lidas

Geral
Mulher tem dedo amputado enquanto fazia compras
Fim de Semana
Esquadrilha da Fumaça se apresenta em Campo Grande neste domingo
Geral
Rally dos Sertões continua neste sábado com ação social e show
Clima
Chuva deve chegar só em setembro