Menu
Busca segunda, 03 de agosto de 2020
(67) 99647-9098
Brasil

Estados Unidos abrem mercado para carne suína brasileira

10 janeiro 2012 - 12h27

O ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro Filho, anunciou na tarde de hoje (10) a abertura do mercado norte-americano para a carne suína brasileira. O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (Usda, na sigla em inglês) reconheceu a equivalência do serviço brasileiro de inspeção de carne suína e autorizou a habilitação de matadouros-frigoríficos de Santa Catarina para exportação de carne suína in natura para o país.

“Isso [abertura do mercado norte-americano] para a economia é extraordinário. Agora vem Japão e Coréia”, disse o ministro por telefone ao governador Raimundo Colombo (PSD), de Santa Catarina, único estado reconhecido internacionalmente como livre de febre aftosa sem necessidade de vacinação e que concentra grande parte da produção nacional de suínos. “O embargo da Rússia nos atrapalhou muito. Agora estabelecemos um outro patamar”, complementou logo depois a jornalistas recebidos em seu gabinete.

Para os estados livres de aftosa com vacinação, o Serviço de Inspeção e Segurança Alimentar dos Estados Unidos autorizou a habilitação de unidades para exportação de carne suína cozida e processada, desde que a industrialização ocorra em estabelecimentos registrados no Serviço de Inspeção Federal (SIF) e habilitados como produtores de matéria-prima. Nos demais estados, o Ministério da Agricultura (Mapa) ainda fará uma supervisão nas plantas.

Na próxima semana sairá uma lista oficial com seis plantas, de três empresas, localizadas em Santa Catarina, que estarão habilitadas a começar a vender para os Estados Unidos. Mendes Ribeiro disse que elas já foram selecionadas e receberão um comunicado ainda esta semana.

Apesar de importarem grande quantidade de carne suína, os Estados Unidos também exportam, o que pode dificultar aos produtores brasileiros conseguir exportar grandes volumes para o país. No entanto, o reconhecimento norte-americano pode ajudar a derrubar barreiras nas negociações, que já duram anos, com dois dos maiores importadores mundiais de carne suína: o Japão e a Coréia, mercados de mais de US$ 1 bilhão em importações do produto.

“Os Estados Unidos permitiram que nós escolhêssemos as plantas frigoríficas. Não tem limite de indústrias. Podemos indicar quantas atenderem os requisitos. É um voto de confiança”, disse Luiz Carlos Oliveira, diretor do Departamento Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa).

O Ministério da Agricultura informou que a principal preocupação dos Estados Unidos dizia respeito à falta de fiscais federais agropecuários nos estabelecimentos habilitados, mas a pasta já se comprometeu a atender a exigência.

Vacinne

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Corte de energia por falta de pagamento volta nesta segunda
Brasil
Dentista mata a esposa e comete suicídio
Brasil
Vídeo: Desembargador dispara xingamento durante sessão virtual
Brasil
Após evento com Tereza Cristina, Michelle testa positivo para coronavírus
Brasil
Vídeo: Diadema tem solução “mágica” para conter aglomerações
Brasil
Coronavírus mata técnico de enfermagem de 22 anos
Brasil
“Playboys” furam quarentena e carros de luxo são levados por maré
Brasil
Vídeo: Avião monomotor cai e deixa dois homens feridos
Brasil
Bolsonaro revela que 3º teste para coronavírus deu negativo
Brasil
Desembargador que brigou com guarda pede desculpa

Mais Lidas

Geral
Thiago Bueno foi encontrado e está bem, confirma esposa
Geral
Três jovens mortos em acidente na BR-277 seguiam para grupo de oração
Dois deles eram casados e tinham deixado a filha deles, uma bebê, na casa da avó materna
Saúde
Delcídio recebe alta seis dias após segunda internação
Polícia
Homem mata amigo após confundi-lo com javali durante caça