Menu
Busca domingo, 21 de julho de 2019
(67) 99647-9098
Brasil

Governo quer privatizar 16 mil km de rodovias

Seis BR’s estão nos planos de concessão à iniciativa privada

24 junho 2019 - 16h36Joilson Francelino, com informações da Agência Brasil

O governo federal pretende transferir 16 mil quilômetros (km) de rodovias para a iniciativa privada por meio de concessões, disse nesta segunda-feira (24) o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas. Em um encontro com empresários no Rio de Janeiro, ele afirmou que praticamente toda a malha viária do estado deve ser concedida à iniciativa privada, incluindo o Arco Metropolitano e a Rodovia Rio-Santos.

Freitas afirmou que a nova concessão da Rio-Teresópolis será feita incluindo o Arco Metropolitano, e a nova concessão da Rio-Juiz de Fora (BR-040) vai contemplar as obras na subida da serra, em Petrópolis.

O ministro também adiantou que a licitação da Dutra (BR-116) vai incluir obras da nova descida da Serra das Araras como investimento obrigatório. O leilão da BR-116 está previsto para o ano que vem, e o vencedor vai operar a partir de 2021.

"Na nova licitação da Nova Dutra, a gente vai pegar o trecho que vai do Rio para Ubatuba, ou seja, vamos pegar a Rio-Santos e incorporar a [BR] 101, em São Paulo, nessa concessão da Nova Dutra. Vamos ter a malha do Rio de Janeiro praticamente toda concedida, toda nas mãos da iniciativa privada", disse ele, que afirmou que também está em estudo uma forma de cobrar o pedágio por quilômetro rodado na Dutra, para adicionar na base de pagamento os usuários da rodovia que trafegam entre as praças de pedágio. "Aumentando a base de pagamento consigo trazer muito investimento para a rodovia e trabalhar até com tarifas menores".

O ministro citou outras rodovias que estão nos planos do governo para concessão: os percursos das BRs 163 e 230, entre Mato-Grosso e Pará, das BRs 381 e 262, entre Minas e Espírito Santo, e das BRs 364 e 365, entre Minas e Goiás.

No setor portuário, além de terminais, o governo pretende privatizar Companhia Docas, e a primeira experiência será com a Docas do Espírito Santo. A empresa foi escolhida por ter menor passivo trabalhista, menos funcionários e menos contratos de arrendamento. "É um bom case para começar essa jornada", disse o ministro.

Em ferrovias, o governo planeja aproveitar os pagamentos de outorga das concessões para que as empresas concessionárias construam novas ferrovias. A exigência já deve ser incluída na renovação da concessão da Vale nas estradas de ferro dos Carajás e Vitória-Minas.  

"A Vale vai construir para o governo a Ferrovia de Integração Centro-Oeste [Mato Grosso a Goiás]. Ela vai pagar a outorga dela fazendo essa construção. No final das contas a ferrovia é nossa, do Estado, que vai licitar e exigir uma nova outorga", disse o ministro, que acrescentou que a empresa também vai construir o Ramal Cariacica-Ancheita, no Espírito Santo, como parte do pagamento da outorga.

Roberto Carlos

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Acumulada, Mega-Sena pode pagar nesta noite R$ 22 milhões
Brasil
Após dizer que passar fome no Brasil é "uma grande mentira", Bolsonaro volta atrás
Brasil
Bolsonaro fala sobre perseguição terrorista
Brasil
Revalida terá duas edições por ano
Brasil
Bolsonaro anuncia inclusão de autistas no Censo 2020
Brasil
Mega acumula e pode pagar R$ 22 mi no sábado
Brasil
Abono do PIS/Pasep começa a ser pago na próxima quinta-feira
Brasil
Lista de espera do ProUni já está disponível para consultas
Brasil
Procurador apoia delegado na Funai e dispara “existem muitas mentiras”
Brasil
Bolsonaro participa da cúpula do Mercosul, na Argentina

Mais Lidas

Polícia
Em grave acidente adolescente perde os pais e fica ferido
Polícia
Jovem é abordado por dupla e baleado na cabeça
Política
Delegado da PF assume presidência da Funai, com apoio de ruralistas
Polícia
Mulher tenta transportar droga em carro de aplicativo