Menu
Busca sábado, 27 de fevereiro de 2021
(67) 99647-9098
Governo - campanha estado que cresce - Topo
Brasil

Horário de verão exige cuidados com a saúde

21 outubro 2012 - 07h21Reprodução/Agência Brasil

O horário de verão começou nessa madrugada. Moradores das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, mais o estado do Tocantins, adiantaram seus relógios em uma hora desde a meia-noite deste sábado (20). A mudança é para aproveitar melhor a luminosidade do dia nesta época do ano, reduzindo o consumo de energia nos horários de pico e evitando o uso de energia gerada por termelétricas, que é mais cara e mais poluente do que a gerada pelas hidrelétricas.

Se não houver adaptações para a mudança de horário, algumas pessoas podem apresentar cansaço, fadiga e até mesmo chegar à exaustão, de acordo com o fisiologista Hildeamo Bonifácio. “Nesse quadro de exaustão, a pessoa mostra sinais parecidos com doenças, como irritabilidade, dor de cabeça, diarreia e mudanças de humor”.

Bonifácio recomenda que, na primeira semana de mudança de horário, as pessoas aumentem a ingestão de líquido e façam refeições leves. Também deve ser mantido o horário das refeições, para o cérebro se adaptar o mais rápido possível com a mudança. “Se a pessoa está acostumada a tomar café às 7h, agora vai ter que tomar no mesmo horário, mesmo que ainda não tenha tanta fome”.

A mesma tática deve ser adotada com o sono. Quem está acostumado a dormir às 22h, por exemplo, deve manter o horário, mesmo que ainda não tenha sono. “Se essas orientações não forem seguidas, é como se a pessoa estivesse em uma semana de carnaval: vai dormir tarde, acorda tarde, aí muda todo o relógio biológico”, diz o fisiologista.

A expectativa do governo é que o horário de verão deste ano evite um gasto de R$ 280 milhões com o acionamento de usinas térmicas, que seria necessário para suprir a demanda no horário de pico. Se fosse preciso construir novas termelétricas para garantir essa energia, o país gastaria R$ 3 bilhões, se não houvesse o horário de verão. A redução da demanda de energia no horário de pico neste ano deve ser cerca de 4,5%, e a redução total de consumo deverá ser 0,5%.

De acordo com o secretário de Energia Elétrica do Ministério de Minas e Energia, Ildo Grüdtner, a mudança de horário proporciona um ganho considerável para a segurança do sistema elétrico brasileiro. “Menor demanda implica maior segurança para o sistema, que não fica tão 'estressado'. Há também maior flexibilidade operativa para liberar instalações para manutenção e redução da geração de energia térmica para atender a esse consumo”.

Via Agência Brasil

Peniel - amigos da pizza

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Após pressão, votação da PEC Emergencial é adiada para terça-feira
Brasil
Idosa é encontrada em gruta dez dias após desaparecer
Brasil
Auxílio emergencial e criptomoedas deverão ser declarados no IR
Brasil
Após ser afastada da Câmara, Flordelis é internada
Brasil
Mais de 6 milhões de brasileiros já foram vacinados contra a Covid-19
Brasil
INSS: Prova de vida para aposentados voltará a ser obrigatória em maio
Brasil
Petrobras perde R$ 73 bi em valor de mercado
Brasil
Após intervenção na presidência da Petrobras, ações da estatal caem 20%
Brasil
Prêmio da Mega-Sena acumulou e pode chegar a R$ 42 milhões
Brasil
Idosos recebem bilhete com recado "esse corpinho vai ser meu"

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio