Menu
Busca domingo, 12 de julho de 2020
(67) 99647-9098
Governo coronavirus 02
Brasil

IGP-10 sobe 0,19% em novembro, aponta Ibre/FGV

Em 12 meses a alta é de 3,33%

15 novembro 2019 - 08h00Joilson Francelino

O Índice Geral de Preços-10 (IGP-10), divulgado na quinta-feira (14), pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), variou 0,19% em novembro. O acumulado do ano soma alta de 4,62% e em 12 meses a alta é de 3,33%. A coleta de preços para a pesquisa foi feita entre os dias 11 de outubro e 10 de novembro.

Em outubro, a taxa variou 0,77%, e em novembro de 2018, o índice havia registrado queda de 0,16%.

O IGP é um indicador mensal do nível de atividade econômica, sendo composto pelo Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), Índice de Preços ao Consumidor (IPC) e pelo Índice Nacional de Custo da Construção (INCC).

IPA

Em novembro, o IPA variou 0,25%, depois de subir 1,16% em outubro. Por estágios de processamento, os Bens Finais subiram 0,23%, após alta de 0,04% em outubro, influenciado pelo subgrupo alimentos processados, cuja taxa passou de 0,34% para 1,17%.

Já a taxa de Bens Intermediários passou de 1,33% em outubro para 0,82% em novembro, com influência do subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, cuja desacelerou da alta de 7,43% para 2,40%.

No índice de Matérias-Primas Brutas, a queda de 2,24% em outubro para menos 0,36% em novembro ocorreu devido à queda de preço no minério de ferro (4,16% para menos 9,47%), café em grão (4,70% para menos 0,76%) e leite in natura (menos 0,07% para menos 1,76%). As principais altas foram no milho em grão de 5,27% para 9,33%; bovinos, de 1,64% para 4,19%, e cana-de-açúcar de menos 0,23% para 1,48%.

IPC

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) no mês de novembro subiu 0,03%, depois da queda de 0,06% em outubro. Segundo o Ibre/FGV, quatro das oito classes de despesa avançaram. O destaque foi o grupo Alimentação, que passou de menos 0,64% para menos 0,07%, com as frutas registrando alta de 0,46% em novembro, após queda de 5,31% em outubro.

O grupo Vestuário também subiu, de 0,14% para 0,43%. Despesas Diversas passaram de 0,11% para 0,34% e Saúde e Cuidados Pessoais foram de 0,22% para 0,31%, influenciados pelos itens roupas (0,32% para 0,53%), cigarros (0,17% para 0,73%) e artigos de higiene e cuidado pessoal (0,15% para 0,53%).

Por outro lado, tiveram desaceleração os grupos Educação, Leitura e Recreação (0,24% para 0,15%), Habitação (-0,02% para -0,14%), Transportes (0,21% para 0,14%) e Comunicação (0,34% para -0,09%). As maiores influências foram em passagem aérea (-0,16% para -4,44%), eletricidade residencial (-1,06% para -1,58%), óleo diesel (3,02% para 1,67%) e telefone móvel (0,97% para -0,13%).

INCC

O último componente do IGP, o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) subiu 0,20% em novembro, depois de variar 0,09% em outubro. Materiais e Equipamentos passaram de 0,26% para 0,50%, Serviços foram de -0,02% para 0,23% e Mão de Obra que teve variação pelo segundo mês seguido.

PMCG Refis

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Vídeo - Vereador celebra pandemia em “arraiá”: “Viva o coronavírus”
Brasil
Estudante picado por naja pode sair da UTI amanhã
Brasil
“Pai, você vai fazer muita falta”, diz filho de piloto morto em acidente
Brasil
Vídeo: Naja que picou jovem foi encontrada perto de shopping
Brasil
Bolsonaro aprova lei que prioriza teste para profissional essencial
Brasil
Avião cai em São Paulo
Brasil
Reabertura das agências do INSS é adiada para dia 3 de agosto
Brasil
Mega-Sena sorteia R$ 33 milhões nesta quarta
Brasil
Bolsonaro está com coronavírus
Brasil
Bolsonaro está com sintomas de coronavírus

Mais Lidas

Esportes
Conmebol anuncia retorno da Libertadores para 15 de setembro
Internacional
Filho de Naya Rivera diz que viu a mãe 'desaparecer' no lago
Geral
Famosa, naja que picou estudante ganha ensaio e vira meme na web
Polícia
Casal de adolescentes é acusado por furto de notebooks, videogames e veículos