Menu
Busca sexta, 23 de agosto de 2019
(67) 99647-9098
Brasil

Justiça de MS teve R$ 13,8 mi de movimentações suspeitas

13 janeiro 2012 - 12h03

O relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) sobre movimentações financeiras suspeitas dos membros do Judiciário entre 2001 e 2010 aponta que, em Mato Grosso do Sul, a soma foi de R$ 13,8 milhões, frente a um total nacional de R$ 855,7 milhões.

O relatório foi solicitado pela Corregedoria Nacional de Justiça, em julho de 2010, e passou, a partir de ontem, a integrar o processo que tramita no STF (Supremo Tribunal Federal), no qual entidades representantes do juízes tentam barrar as investigações do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) sobre os ganhos de magistrados e servidores.

A varredura do Coaf atingiu os financeiros de um universo de mais de 216 mil pessoas ligadas ao Judiciário. Dessas, 3.426 pessoas tiveram movimentação considerada fora da rotina, as chamadas operações atípicas.

Mato Grosso do Sul é citado em três oportunidades no relatório, primeiro com um volume de movimentações financeiras em espécie, de R$ 1,5 milhão, consideradas atípicas. Outros R$ 4,6 milhões envolveram operações diversas também consideradas atípicas. Nestes dois itens, é citado MS, sem detalhamento de esfera judicial, se Estadual, do Trabalho, Militar ou Federal

Ligação indireta
O valor maior é informado no item tratando de operações atípicas de membros do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul que não aparecem como titulares das ações, mas ligados a elas como sócios, representantes legais, gerentes, diretores, ou procuradores dos titulares das operações. Neste caso, o volume é de R$ 7,6 milhões.

Segundo o Coaf explicou, movimentações atípicas não são necessariamente transações irregulares e, sim, operações financeiras que fogem dos padrões da norma bancária e do sistema nacional de prevenção de lavagem de dinheiro.

O relatório do Coaf informa que o maior número de operações atípicas no Judiciário foi registrado em 2002, quando apenas uma pessoa do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (TRT1), do Rio de Janeiro, movimentou R$ 282,9 milhões, ou 94,3% das movimentações fora do normal registradas no ano (R$ 300,2 milhões).

Em 2008, houve um novo pico de transações anormais: R$ 159,6 milhões. Segundo o Coaf, apenas três pessoas – duas ligadas ao Tribunal de Justiça Militar de São Paulo e uma ligada ao Tribunal de Justiça da Bahia (TJBA) – movimentaram R$ 116,5 milhões, ou 73% do apurado no ano.

De acordo com os dados, o estado que registrou o maior montante de operações atípicas na década passada foi São Paulo (R$ 169,7 milhões), seguido pelo Rio de Janeiro (R$ 149,3 milhões) e a Bahia (R$ 145,4 milhões). O Rio Grande do Sul foi o único estado onde não se registrou nenhuma movimentação atípica entre 2000 e 2010.

O documento não traz o número de operações em Mato Grosso do Sul tampouco o detalhamento sobre o número de membros do Judiciário responsável pelas operações consideradas atípicas.

Prefeitura - Niver CG

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Ibama vai contratar empresa para monitorar desmatamento
Brasil
Policial passa mal e morre no dia que soube que seria pai
Brasil
“Aumento de queimadas na Amazônia pode ser ação criminosa”, diz Bolsonaro
Brasil
Mega sorteia R$ 31 milhões nesta quarta
Brasil
Minha Casa, Minha Vida recebeu R$ 2,47 bilhões no primeiro semestre
Brasil
Moro destaca importância de prisão em segunda instância
Brasil
Vídeo mostra momento em que sequestrador é executado pelo BOPE
Brasil
Taurus usou empréstimo do BNDES para comprar jatinho
Brasil
Ministro Ernesto Araújo vem à capital em reunião sobre Corredor Bioceânico
Brasil
Funcionário morre esmagado em fábrica da Heineken

Mais Lidas

Geral
Confira a lista de sorteados cadastrados na EMHA
Geral
Vereador e filho são encontrados mortos a tiros dentro de casa
Oportunidade
Processo Seletivo do Senar/MS tem salários que chegam a R$ 6,5 mil
Polícia
Jovem é morto a tiros na frente da família