Menu
Busca sexta, 19 de agosto de 2022
(67) 99647-9098
TJMS Agosto 22
Brasil

Menino de 2 anos morre engasgado com tampa de garrafa pet

O menino estava com o pai no momento do acidente

13 janeiro 2022 - 17h41Brenda Assis

Um menino de 2 anos, morreu engasgado com uma tampa de garrafa pet, em Macapá. O caso aconteceu na semana passada, mas só foi divulgada apenas na quarta-feira (12). O menino é filho do delegado da Polícia Civil do Amapá, Carlos Alberto Gomes Pereira Filho.

Segundo o site Metrópoles, o pai se pronunciou sobre o caso pela primeira vez na terça-feira (11), por meio de uma carta de esclarecimento enviada à imprensa.

No documento ele responde às criticas que recebeu, especialmente nas redes sociais e da família materna da criança. O delegado relata que fez tudo para salvar seu filho e afirma sofrer com as acusações de negligência sobre a morte da criança. Os dois estavam sozinhos no momento do acidente.

“Eu fiz de tudo para salvar a vida do meu filho. Quando ele engoliu a tampinha, estava próximo de mim, e o fez no momento em que eu estava organizando as coisas pós-almoço. Não houve falta de cuidado, ele estava sendo monitorado”, disse o pai.

Carlos Alberto afirmou que organizava a casa quando percebeu que o filho ficou em silêncio e percebeu que a criança não estava se mexendo. “Assustado e sozinho, tentei identificar o que estava ocorrendo, mas no momento de desespero não consegui entender ou detectar o motivo, a reação que consegui ter, naquele momento, foi de checar os seus sinais vitais, que estavam presentes”, relatou.

Ele disse que levou a criança à unidade de saúde mais próxima. “Lá chegando, o médico imediatamente o atendeu. A equipe médica optou por chamar o Samu, que chegou após aproximadamente 30 minutos, o que aumentou ainda mais a minha angústia, já que não sabia o que estava acontecendo com o meu filho. Após a sua chegada da equipe do Samu rapidamente identificou o problema e retirou uma tampinha de garrafa pet das vias aéreas do meu filho. Infelizmente, ele já não apresentava mais sinais vitais”, escreveu.

Na carta, ele explica que não compareceu ao velório e ao enterro do filho em razão das ameaças que estava sofrendo e para não gerar desconforto maior com sua presença no local. Carlos Alberto também esclareceu que demorou para se pronunciar devido ao desgaste mental com toda a situação.

“Quero na oportunidade me solidarizar verdadeiramente com a família. Mas, quero que não se esqueçam que eu também sou a família. Todos estão sofrendo muito, jamais em minha vida gostaria que isso tivesse ocorrido. Não desejo isso a ninguém, eu era o maior interessado em ver meu filho bem. Mas não se esqueçam que sou um pai que assistiu ao seu filho morrer. Não quero dizer que minha dor é maior que a de ninguém, mas também não é a menor”, declarou o delegado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Profissão em risco? Fofoqueiros são presos por difamação
Brasil
PERIGO: Mulher morre após carvão de narguilé cair em sofá e causar incêndio
Brasil
Homem mata enteado de 9 anos e esfaqueia a ex-mulher grávida durante briga
Brasil
Máscaras deixam de ser obrigatórias em voos e aeroportos do Brasil
Brasil
Ministro Alexandre de Moraes será empossado presidente do TSE
Brasil
Auxílio Brasil: Beneficiários com NIS de final 5 recebem hoje
Brasil
Decreto autoriza atuação das Forças Armadas nas eleições
Brasil
Acidente entre caminhão e van deixa sete mortos na BR-367
Brasil
Jovem é morto com facada na cabeça em terreno baldio; assista
Brasil
Plano de Adaptação à Mudança do Clima entra em vigor a partir de setembro

Mais Lidas

Polícia
Dupla é indiciada por tentativa de triplo homicídio no Aero Rancho
Polícia
Filhos de idosa abandonada em casa cheia de fezes são encontrados
Polícia
Mulher é resgatada antes de ser queimada por facção em 'micro-ondas humano'; vídeo
Polícia
Morre encanador que caiu em buraco de obra em Campo Grande