Menu
Busca terça, 25 de janeiro de 2022
(67) 99647-9098
TJMS Jan22
Brasil

Menino de 2 anos morre engasgado com tampa de garrafa pet

O menino estava com o pai no momento do acidente

13 janeiro 2022 - 17h41Brenda Assis

Um menino de 2 anos, morreu engasgado com uma tampa de garrafa pet, em Macapá. O caso aconteceu na semana passada, mas só foi divulgada apenas na quarta-feira (12). O menino é filho do delegado da Polícia Civil do Amapá, Carlos Alberto Gomes Pereira Filho.

Segundo o site Metrópoles, o pai se pronunciou sobre o caso pela primeira vez na terça-feira (11), por meio de uma carta de esclarecimento enviada à imprensa.

No documento ele responde às criticas que recebeu, especialmente nas redes sociais e da família materna da criança. O delegado relata que fez tudo para salvar seu filho e afirma sofrer com as acusações de negligência sobre a morte da criança. Os dois estavam sozinhos no momento do acidente.

“Eu fiz de tudo para salvar a vida do meu filho. Quando ele engoliu a tampinha, estava próximo de mim, e o fez no momento em que eu estava organizando as coisas pós-almoço. Não houve falta de cuidado, ele estava sendo monitorado”, disse o pai.

Carlos Alberto afirmou que organizava a casa quando percebeu que o filho ficou em silêncio e percebeu que a criança não estava se mexendo. “Assustado e sozinho, tentei identificar o que estava ocorrendo, mas no momento de desespero não consegui entender ou detectar o motivo, a reação que consegui ter, naquele momento, foi de checar os seus sinais vitais, que estavam presentes”, relatou.

Ele disse que levou a criança à unidade de saúde mais próxima. “Lá chegando, o médico imediatamente o atendeu. A equipe médica optou por chamar o Samu, que chegou após aproximadamente 30 minutos, o que aumentou ainda mais a minha angústia, já que não sabia o que estava acontecendo com o meu filho. Após a sua chegada da equipe do Samu rapidamente identificou o problema e retirou uma tampinha de garrafa pet das vias aéreas do meu filho. Infelizmente, ele já não apresentava mais sinais vitais”, escreveu.

Na carta, ele explica que não compareceu ao velório e ao enterro do filho em razão das ameaças que estava sofrendo e para não gerar desconforto maior com sua presença no local. Carlos Alberto também esclareceu que demorou para se pronunciar devido ao desgaste mental com toda a situação.

“Quero na oportunidade me solidarizar verdadeiramente com a família. Mas, quero que não se esqueçam que eu também sou a família. Todos estão sofrendo muito, jamais em minha vida gostaria que isso tivesse ocorrido. Não desejo isso a ninguém, eu era o maior interessado em ver meu filho bem. Mas não se esqueçam que sou um pai que assistiu ao seu filho morrer. Não quero dizer que minha dor é maior que a de ninguém, mas também não é a menor”, declarou o delegado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Dupla coloca fogo no helicóptero do Ibama durante ataque
Brasil
Liderando ranking, média anual de raios no país deve subir de 77,8 para 100 milhões
Brasil
Família de Marília Mendonça autoriza lançamento de feat com Naiara Azevedo
Brasil
Código de Trânsito Brasileiro completa 24 anos e terá novas regras; confira
Brasil
CBF vai exigir vacinação contra Covid dos atletas em competições nacionais
Brasil
Mega-Sena sorteia R$ 22 milhões neste sábado
Brasil
Avião que transportava cantor Bruno faz pouso de emergência
Brasil
Menina de 2 anos morre após se afogar em piscina de plástico
Brasil
BBB22: Após vazar vídeo íntimo, polícia pede à Justiça medida protetiva para Natália
Brasil
Mega-Sena sorteia nesta quarta-feira prêmio estimado em R$ 16 milhões

Mais Lidas

Polícia
Mulher é encontrada morta em motel de luxo da Capital
Polícia
Médico de MS morre em praia da Bahia
Polícia
Perita teria recebido visita antes de ser encontrada morta em motel de luxo
Polícia
JD1TV: Mulher encontrada morta em motel de luxo era agente do Imol