Menu
Busca quinta, 09 de julho de 2020
(67) 99647-9098
TJMS julho20
Brasil

Movimento 'Veta, Dilma!', sobre o Código Florestal, vira fenômeno nas redes sociais

04 maio 2012 - 12h11Reprodução

A discussão sobre o novo Código Florestal brasileiro é árida, técnica e gera dúvidas até entre aqueles que acompanham o assunto pela mídia. Apesar disso, o esforço das equipes de comunicação de ONGs tem conseguido a façanha de fazer o assunto "bombar" nas redes sociais. Se você usa o Facebook ou o Twitter, certamente já viu algum amigo compartilhar alguma imagem bem-humorada da campanha "Veta, Dilma!".

Tudo começou em agosto do ano passado, quando as ONGs, começaram a usar a web para conscientizar o público leigo sobre o projeto que altera o Código Florestal. Durante as votações, faziam vigília e colocavam especialistas para explicar, online, os pontos polêmicos dos textos, como a questão da anistia aos desmatadores.

Em outubro, foi lançada a campanha "Floresta Faz a Diferença" (#florestafazadiferenca), encabeçada pelo Comitê Brasil em Defesa das Florestas e do Desenvolvimento Sustentável, uma coalizão formada por 163 organizações da sociedade civil. Com a participação do cineasta Fernando Meirelles, a campanha colocou celebridades como Wagner Moura, Gisele Bündchen, Alice Braga e Rodrigo Santoro para alertar as pessoas, por meio de vídeos e fotos, sobre os prejuízos que o projeto poderia trazer ao país. Foi o primeiro passo para popularizar o tema, até então restrito a políticos, ambientalistas e gente politizada.

O movimento com os dizeres "Veta, Dilma!" começou logo depois, em dezembro. "O texto que saiu do Senado era tão ruim, que começamos a campanha desede então", conta Bazileu Margarido, integrante do instituto Democracia e Sustentabilidade (IDS), uma das organizações que ficou responsável pelo trabalho nas redes sociais.

Mas a repercussão só aumentou em abril deste ano, com um grande movimento organizado para o dia 22 (Dia da Terra) e, logo em seguida, no dia 25, quando a Câmara dos Deputados aprovou uma nova versão do texto, com as alterações propostas pelo relator Paulo Piau (PMDB-MG). Como ironiza Margarido, em vez de ficar com o "texto ruim" do Senado, os deputados optaram pelo "horroroso, péssimo".

A discussão entrou para o rol de assuntos mais abordados do Twitter e continuou em alta mesmo quando as ONGs decidiram modificar os dizeres para "Veta tudo, Dilma!". "Por uma questão técnica, não é mais possível corrigir o texto com vetos parciais; não é possível recuperar o que foi suprimido, como o Art. 1º", explica Margarido, justificando a leve mudança de estratégia. O objetivo das ONGs, agora, é mobilizar a opinião pública para que a presidente vete o projeto por inteiro e o debate seja recomeçado do zero (você pode ler os argumentos em http://www.florestafazadiferenca.org.br/ultimas-noticias/13-razoes-para-o-veto-total-ao-pl-1876-99-do-codigo-florestal).

"Achamos que o assunto ia esfriar no feriado, mas só cresceu", comemora Carolina Stanisci, assessora de comunicação do IDS. Além das peças postadas pelas ONGs, o público começou a fazer suas próprias montagens, creditando a frase "Veta, Dilma" a personagens como Spock (de "Jornada nas Estrelas") e Mafalda (do cartunista Quino). Resta saber qual a influência disso tudo na decisão da presidente.

Via Uol

PMCG Refis

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
“Pai, você vai fazer muita falta”, diz filho de piloto morto em acidente
Brasil
Vídeo: Naja que picou jovem foi encontrada perto de shopping
Brasil
Bolsonaro aprova lei que prioriza teste para profissional essencial
Brasil
Avião cai em São Paulo
Brasil
Reabertura das agências do INSS é adiada para dia 3 de agosto
Brasil
Mega-Sena sorteia R$ 33 milhões nesta quarta
Brasil
Bolsonaro está com coronavírus
Brasil
Bolsonaro está com sintomas de coronavírus
Brasil
Pandemia gerou economia de R$ 199,6 mi aos cofres públicos
Brasil
Instrutor e aluno estavam em helicóptero que caiu nesta tarde

Mais Lidas

Política
Assembleia aprova estado de calamidade em Bodoquena, Bela Vista e Terenos
Polícia
Ministro do STJ concede prisão domiciliar a Queiroz e esposa Márcia
Política
Câmara aprova adicional de 40% a trabalhadores do combate ao coronavírus
Polícia
Professor é preso por suspeita de estuprar alunas e induzir aborto