Menu
Busca terça, 15 de outubro de 2019
(67) 99647-9098
Brasil

"Não há urgência em ação contra posse de armas", diz Fux

O caso será analisado somente em 1º de fevereiro, quando a Corte retomará os trabalhos

18 janeiro 2019 - 16h54Da redação com informações da Agência Brasil

O vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, decidiu nesta sexta-feira (18) que não há urgência na ação protocolada pelo PCdoB contra o decreto do presidente Jair Bolsonaro que regulamentou o registro, a posse e a comercialização de armas de fogo no país.

Com a decisão, o caso será analisado pelo relator, ministro Celso de Mello, a partir de 1º de fevereiro, quando a Corte retomará os trabalhos depois do período de recesso. Fux está atuando como plantonista no STF, responsável pelas ações que chegam ao tribunal neste mês. 

"A análise dos autos revela que o caso não se enquadra à hipótese excepcional do regimento interno deste Supremo Tribunal Federal. Encaminhe-se o processo ao ministro relator", decidiu Fux. 

O decreto foi uma das principais promessas de campanha do presidente da República e flexibiliza as regras para a posse de arma de fogo no país. O texto já está em vigor. O decreto mudou algumas regras, como o prazo de renovação, que passou de cinco para dez anos. 

Entre as alegações de inconstitucionalidade, o PCdoB sustenta que o texto do decreto usurpou competência do Poder Legislativo e trouxe inovações que não estão previstas no Estatuto do Desarmamento (lei 10.826/2003).

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Celso de Mello nega pedido de Moro para bloquear o site The Intercept
Brasil
STF julgará a prisão em segunda instância e Lula pode ser beneficiado
Brasil
Caixa oferece crédito a caminhoneiros e juros podem ser de 2,29%
Brasil
Deportação de estrangeiros tem regras modificadas
Brasil
Acidentes de trânsito com menores geram 9,8 mil indenizações este ano
Brasil
Vídeo mostra policial dando tiro de fuzil durante enterro de adolescente
Brasil
Bolsonaro elogia programa social de Campo Grande
Brasil
TSE requer linhas que enviaram mensagens em massa nas eleições de 2018
Brasil
Secretário reafirma que Petrobras, Caixa e BB não serão privatizadas
Brasil
Damares diz que violência sexual é principal preocupação do ministério

Mais Lidas

Geral
Morre o empresário Antônio Farias, o "Baiano"
Polícia
Jaime Valler estava na lista da milícia para morrer
Geral
Pai encontra filho morto, enforcado com fio de nylon
Geral
Mulher morre por descarga elétrica ao tentar ligar máquina de lavar