Menu
Busca quinta, 28 de outubro de 2021
(67) 99647-9098
Gov 44 anos
Brasil

Salles diz que é preciso endurecer fiscalização de barragens

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse que é necessário mudar a legislação ambiental

27 janeiro 2019 - 15h50Da redação com Agência Brasil

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse  na sexta-feira (25) que é necessário mudar a legislação ambiental para endurecer a fiscalização das atividades de maior risco ao meio ambiente, como as barragens de depósito de rejeitos. “O que é preciso ter em termos de revisão da legislação ambiental é tirar questões simples e aprofundar nas questões complexas de maior risco”, afirmou.

Salles é um dos ministros escalados pelo presidente Jair Bolsonaro para acompanhar os desdobramentos do rompimento da barragem de rejeitos da Mina do Feijão, em Brumadinho (MG). A intenção, segundo o ministro, é dar foco ao processo de fiscalização ambiental. “Para que as equipes possam se dedicar com mais afinco, usando recursos tecnológicos e humanos nas atividades com maior potencial [de risco], como é o caso das barragens”.

Conforme Salles, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), no caso de Brumadinho, agiu com rapidez e rigor. “O que precisa haver é foco na atuação. Em situações de maior risco, maior complexidade, ter as esquipes de licenciamento ambiental com foco, com dedicação”, argumentou.

Apuração

Segundo o ministro de Minas e Energia, Beto Albuquerque Júnior, que também está em Minas Gerais, a Agência Nacional de Mineração recolheu a documentação da mineradora Vale para apuração do desastre em Brumadinho. “A documentação referente a licenças se encontra com nossos técnicos da Agência Nacional de Mineração, e vamos iniciar uma averiguação para saber o que levou a esse desastre”, disse o ministro.

O governo federal, conforme Albuquerque, além de apoiar as ações dos governos estadual e municipal, vai apurar as causas do rompimento da barragem e atuar para mitigar o desastre. “Temos de trabalhar para impedir que coisas semelhantes possam ocorrer”, afirmou o ministro, acrescentando que, no momento, está sendo feito o monitoramento do avanço da lama e da qualidade da água do rio Paraopeba.

Assim como Salles e Albuquerque, o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, integra a equipe do governo federal enviada a Minas Gerais. “Vamos melhorar os procedimentos para que uma tragédia humana como esta não volte a acontecer”, afirmou Canuto.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Aos 94 anos, morre pai do Ayrton Senna
Brasil
Crime manda baixar gasolina
Brasil
Estados Unidos voltam a emitir visto para brasileiros em novembro
Brasil
Crianças de 2 e 4 anos morrem carbonizadas; irmão de 16 anos assumiu o crime
Brasil
Bolsonaro sanciona mudanças na Lei de Improbidade Administrativa
Brasil
Brasil cria 313,9 mil vagas com carteira assinada em setembro
Brasil
Caso Henry: novo vídeo mostra mãe e padrasto com a criança no elevador
Brasil
Criança de 2 anos é atacada por Pitbull
Brasil
JD1TV: Durante briga no trânsito, motorista surta e quebra carro de mulher
Brasil
Prédio desaba, deixa um morto e três feridos

Mais Lidas

Brasil
Crianças de 2 e 4 anos morrem carbonizadas; irmão de 16 anos assumiu o crime
Polícia
Homem de 31 anos morre após se engasgar com pedaço de carne
Saúde
“Aqui não é lanchonete”, diz médica a paciente em hospital da Capital
Brasil
Crime manda baixar gasolina