Menu
Busca terça, 13 de abril de 2021
(67) 99647-9098
Governo Balada - topo - abril21
Brasil

Segundo estudo divulgado hoje, metade da bacia do Pantanal está sob risco ambiental

02 fevereiro 2012 - 12h04Reprodução

São Paulo - Metade da bacia do rio Paraguai, que abriga o Pantanal, está sob alto ou médio risco ambiental, mostra estudo divulgado nesta quinta-feira (02). Realizado ao longo de três anos pelo WWF, The Nature Conservancy e Centro de Pesquisas do Pantanal, ele coloca hidrelétricas e atividades humanas entre as maiores ameaças.

Planaltos e chapadões que circundam o Pantanal, onde nascem os principais rios da bacia, seriam as áreas que enfrentam os maiores riscos. A pesquisa avaliou regiões no Brasil, Bolívia, Paraguai e Argentina e tem como objetivo subsidiar os governos dos quatro países no desenvolvimento de uma agenda de adaptação do Pantanal às alterações do clima.

As barragens e hidrelétricas, apontadas como fatores de risco, devem aumentar no Pantanal nos próximos anos. De acordo com o relatório, existem 115 barramentos previstos para a década, 75% de pequenas centrais hidrelétricas, o que deve elevar os riscos ambientais. Entre as atividades humanas, as maiores ameaças seriam a pecuária e a agricultura. Desmatamento, hidrovias, rodovias e mineração também são apontados no estudo como fatores de risco.

Preservação
De acordo com a pesquisa, seriam necessárias novas medidas de preservação do Pantanal. Uma delas seria a criação de novas unidades de proteção, principalmente em áreas de cabeceiras. Atualmente, existem 170 áreas protegidas na bacia do rio Paraguai, mas elas não estão distribuídas de forma adequada, critica o estudo.

Outra medida seria a implantação de medidas de conservação em terras privadas, por exemplo, melhores práticas de manejo de água e solo em atividades agropecuárias. No caso das hidrelétricas, uma possível solução, de acordo com a pesquisa, seria a implementação de esquemas de operação que mantenham os ciclos de cheias e vazantes de modo semelhante ao natural. O Pantanal é a maior planície inundável do planeta. Seus ciclos anuais de cheias e secas são fundamentais para a vida de milhares de espécies, além de terem importantes impactos econômicos, como a fertilização natural dos campos.

*Com informações do portal G1, do Globo Natureza, em São Paulo.

APP JD1_apple

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Covid: França suspende todos os voos com o Brasil
Brasil
Babá de Henry diz que foi coagida a mentir e confirma agressões
Justiça
Decretos sobre armas que entrariam em vigor nesta terça são anulados no STF
Brasil
Covid: Ator Paulo Gustavo segue internado em situação crítica
Brasil
Vídeo: Advogado 'esquece' câmera ligada e aparece tomando banho em sessão
Brasil
CNH passará a valer por 10 anos a partir da próxima segunda-feira; confira
Brasil
Covid: Brasil registra 4.249 mortes em 24h e bate novo recorde
Brasil
Caiu: Instagram e Facebook ficam fora do ar mais uma vez
Brasil
Governo anuncia mais 4,4 milhões de vacinas
Brasil
População abaixo da linha da pobreza triplica no Brasil, aponta levantamento

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio