Menu
Busca quarta, 14 de abril de 2021
(67) 99647-9098
TJMS abril21
Brasil

Supremo julga em abril se aborto de feto sem cérebro é crime

23 março 2012 - 11h16Reprodução

O Supremo Tribunal Federal (STF) marcou para o mês de abril o julgamento sobre a descriminalização do aborto nos casos de fetos anencéfalos (sem cérebro), um dos temas mais polêmicos em andamento na Corte. O processo tramita no Supremo desde 2004.

A previsão é de que o processo entre na pauta da Corte na primeira semana de abril, ainda sem data específica.

O voto do relator, ministro Marco Aurélio Mello, está pronto desde o dia 4 de março de 2011, aguardando apenas que a Presidência do STF inclua o processo na pauta. O Supremo vai analisar uma ação proposta, em 2004, pela Confederação Nacional dos Trabalhadores na Saúde (CNTS), pede que o aborto seja permitido nesses casos.

A entidade afirma que manter o rótulo de crime nesses casos seria uma ofensa à dignidade da mãe, que seria obrigada levar adiante a gravidez de um feto que não sobreviverá depois do parto.

No processo, os advogados da  confederação lembram da dificuldade de se conseguir uma autorização na Justiça para fazer o aborto de fetos anecéfalos.

A defesa apresentou ainda dados científicos que poderão servir de suporte para a decisão dos ministros. De acordo com os documentos, o diagnóstico do feto sem cérebro pode ser feito com 100% de certeza, inclusive pela rede pública de saúde, e oferece risco para a vida da mãe.

Para a entidade, a interrupção da gravidez deve ser entendida como parte do tratamento nesses casos.

"A interrupção da gestação neste caso deve ser tratada como antecipação terapêutica do parto e não como aborto, por inexistir potencialidade de vida. A definição jurídica do final da vida é a morte encefálica. O feto anencéfalo não tem vida encefálica", afirma a defesa da CNTS no processo.

Diante da controvésia sobre o tema, em 2008, o Supremo promoveu uma audiência pública para ouvir os diversos pontos de vista sobre a interrupção da gravidez de fetos sem cérebro.

As opiniões dos trabalhares em saúde contrastam com o que defendem grupos religiosos e especialistas que defendem a "humanidade do feto". Para essas pessoas, o direito da mulher de escolher o que fazer nessa situação não pode se sobrepor ao direito à vida, garantido pela Constituição ao feto, mesmo que tenha má-formação.

A interrupção da gravidez de anencéfalos é permitida na Europa continental, inclusive Portugal, Espanha e Itália, na Europa oriental, Canadá, China, Cuba, Japão, Índia, Estados Unidos, Rússia, Israel e nos países da Ásia. Desde 2003, também a Argentina permite a interrupção da gravidez em casos de fetos com malformações irreversíveis.

Via G1

APP JD1_apple

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
"Teremos grandes avanços em breve", dispara Reinaldo em fábrica de vacinas
Brasil
Paulo Gustavo completa 1 mês de internação por Covid-19
Brasil
Covid: França suspende todos os voos com o Brasil
Brasil
Babá de Henry diz que foi coagida a mentir e confirma agressões
Justiça
Decretos sobre armas que entrariam em vigor nesta terça são anulados no STF
Brasil
Covid: Ator Paulo Gustavo segue internado em situação crítica
Brasil
Vídeo: Advogado 'esquece' câmera ligada e aparece tomando banho em sessão
Brasil
CNH passará a valer por 10 anos a partir da próxima segunda-feira; confira
Brasil
Covid: Brasil registra 4.249 mortes em 24h e bate novo recorde
Brasil
Caiu: Instagram e Facebook ficam fora do ar mais uma vez

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio