Menu
Busca terça, 14 de julho de 2020
(67) 99647-9098
Governo dengue 03 - tarde demais
Brasil

Tragédia no RS põe à prova capacidade de segurança antes da Copa

28 janeiro 2013 - 09h50Um Santamariense/Facebook/Reprodução

Na cobertura do incêndio em uma boate em Santa Maria (RS) que deixou mais de 230 mortos na madrugada deste domingo, a agência internacional de notícias Reuters faz uma menção à Copa do Mundo de 2014 e à Olimpíada do Rio de Janeiro 2016. O veículo destaca que o episódio ocorre em um contexto no qual a capacidade de segurança do Brasil está sob uma “análise particularmente minuciosa”.

O texto da Reuters ganhou espaço em dois veículos de grande porte dos Estados Unidos, o jornal Chicago Tribune e a rede NBC.

Em seu site, o diário escreve que a “tragédia na cidade universitária de Santa Maria, em um dos estados mais prósperos do Brasil, vem enquanto o País luta para melhorar a segurança e o déficit de logística antes da Copa do Mundo de futebol de 2014 e da Olimpíada de 2016, ambos (os eventos) esperados para colocar na vitrine o avanço econômico e a ambição de primeiro mundo da maior nação da América Latina”.

Também em sua página na Internet, a emissora ressalta, dando crédito à Reuters, que “os padrões de segurança do Brasil e de capacidade de resposta a uma emergência estão sob uma análise particularmente minuciosa enquanto o país se prepara para sediar a Copa do Mundo de futebol de 2014 e os Jogos Olímpicos de Verão 2016”.

Na Grã-Bretanha, o site do jornal Daily Mirror também faz uma relação entre os dois temas. Na mesma nota em que relata o incêndio em Santa Maria, o veículo informa que “a Copa do Mundo será organizada no Brasil em 2014 e (também) a Olimpíada e a Paralimpíada em 2016”.

Incêndio na Boate Kiss
Um incêndio de grandes proporções deixou mais de 230 mortos na madrugada deste domingo em Santa Maria (RS). O incidente, que começou por volta das 2h30, ocorreu na Boate Kiss, na rua dos Andradas, no centro da cidade. O Corpo de Bombeiros acredita que o fogo iniciou com um sinalizador lançado por um integrante da banda que fazia show na festa universitária.

Segundo um segurança que trabalhava no local, muitas pessoas foram pisoteadas. "Na hora que o fogo começou foi um desespero para tentar sair pela única porta de entrada e saída da boate e muita gente foi pisoteada. Todos quiseram sair ao mesmo tempo e muita gente morreu tentando sair", contou. O local foi interditado e os corpos foram levados ao Centro Desportivo Municipal, onde centenas de pessoas se reuniam em busca de informações.

A prefeitura da cidade decretou luto oficial de 30 dias e anunciou a contratação imediata de psicólogos e psiquiatras para acompanhar as famílias das vítimas. A presidente Dilma Rousseff interrompeu viagem oficial que fazia ao Chile e foi até a cidade, onde se reuniu com o governador Tarso Genro e parentes dos mortos.

Governo providencia estoque de pele para queimados em incêndio de Santa Maria
O governo brasileiro já providencia estoque de pele para possíveis enxertos nas pessoas que tiveram queimaduras graves no incêndio da boate Kiss, em Santa Maria (RS). Segundo o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, bancos de pele de todo o país e dos vizinhos como a Argentina, o Peru e Uruguai já foram acionados para disponibilizar material, caso seja necessário.

“Esse material não é utilizado no primeiro atendimento. Geralmente, ele é usado até quatro dias depois, de acordo com a evolução do quadro, é como uma cirurgia plástica. Aqui no Brasil, temos reserva nos bancos de pele no Rio Grande do Sul, em São Paulo e Pernambuco. Tivemos contato prévio com os da Argentina, do Uruguai e Peru, que serão trazidos para cá se for necessário”, disse Padilha.

Segundo ele, cerca de 20% das vítimas do incêndio internadas nos hospitais têm grandes queimaduras, que exigem cuidados mais delicados. Apesar de eles representarem minoria, o ministro receia que algumas pessoas que não estão necessitando da ajuda de aparelhos para respirar possam ter o quadro clínico agravado nos próximos dias.

Durante a madrugada, 39 pacientes foram removidos para o centro de referência no tratamento de queimados em Porto Alegre e outros devem sair de Santa Maria para a capital gaúcha agora de manhã. O que o governo quer é garantir reserva de vagas nas unidades de terapia intensiva em Santa Maria.

“Temos uma boa estrutura de leitos de UTI na cidade, ontem havíamos removido os poucos pacientes que tinham quadro de grandes queimados, mas queremos manter a possibilidade de ter leitos vagos de retaguarda aqui em Santa Maria. Porque pode haver a evolução de alguns pacientes internados e que não estão em ventilação mecânica ainda, mas que podem evoluir”, avaliou Padilha.

O ministro alertou que existe um efeito tardio da fumaça inalada pelas pessoas que estavam na boate. Segundo ele, essas pessoas podem não ter apresentado sintomas no primeiro momento, mas podem se sentir mal em até quatro dias. “É um quadro de tosse e falta de ar, que chamamos de pneumonite química, que pode se desenvolver até três dias depois”, explicou.

Ao todo, 121 pessoas estão internadas em quatro cidades do Rio Grande do Sul. Desses, 80 estão em Santa Maria, onde mais 17 leitos de UTI já estão prontos para atender os casos mais graves. O ministro disse não ter notícias de novas mortes entre os feridos de ontem à noite até agora de manhã.

Via Terra

Vacinne

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Luan Santana demite banda
Brasil
Justiça determina pagamento de Indenizações a novos atingidos por rompimento em Mariana
Brasil
“Não atingi a honra das Forças Armadas”, diz Gilmar Mendes
Brasil
“Bêbada de Curitiba” morre após luta contra o câncer
Brasil
Famoso por velar a mãe sozinho, José morre queimado
Brasil
Vídeo: ventania causa destruição em São Luiz
Brasil
Vídeo: empresário morre após cair de parapente
Brasil
Adolescente encontra dedo humano dentro de esfirra
Brasil
Estudante picado por naja no DF tem melhora no quadro de saúde
Brasil
Vídeo: a picada quase fatal, de naja em “play boy”

Mais Lidas

Política
Capital: Câmara testa plataforma de sessão remoto nesta quarta
Saúde
Justiça derruba liminar que obriga convênios a cobrirem o teste da Covid-19
Cidade
Com lockdown descartado, Abrasel quer restaurantes como atividade essencial
Internacional
Trump cita Brasil com grande problema na pandemia: “Não testa como nós”