Menu
Busca segunda, 18 de março de 2019
(67) 99647-9098
Cidade

Guardas aceitam o “velho” nome, mas não mudança de atribuições

Eles alegam que a mudança de atribuições não foi julgada pelo TJ como está sendo ventilado

21 fevereiro 2019 - 13h30Rayani Santa Cruz

Após muita confusão, debates e até registros de boletins de ocorrência entre os servidores municipais e estaduais (Polícia Municipal e Militar), o Tribunal de Justiça de Mato Grosso Sul, derrubou uma emenda à Lei Orgânica proposta pela Câmara em 2017 nesta quarta-feira (20), retirando a nomenclatura de “Polícia Municipal” dos servidores. A ação foi movida pela Associação dos Oficiais Militares Estaduais de MS (AOFMS) contra a emenda. Dessa forma, a categoria volta a ser chamada de Guarda Civil Municipal de Campo Grande.

Agora, a briga dos guardas municipais é em relação às atribuições e competências que segundo eles, não foi julgado pelo TJ, e não deve ter  mudanças. A preocupação dos guardas é devido a divulgação de informações entre os servidores e imprensa sobre a tal possibilidade. Com a retirada do poder de “polícia” dos guardas, as funções caberiam a apenas cuidar de prédios públicos.

Nesta quinta-feira (21), Márcio Almeida, advogado do Sindicato dos Guardas Municipais de Campo Grande, declarou a imprensa o posicionamento da categoria em relação à decisão.

A defesa dos guardas, disse que existe uma confusão na ação, “as quatro associações, ou não sabem o que estão pedindo, são ignorantes, ou estão de má fé com a sociedade. Eles pediram ao TJ para suspender a emenda 037/2018, mas, essa emenda só altera a nomenclatura. As atribuições não entram nessa questão, pois, isso [atribuições] faz parte de outra emenda a 031/2013”, disse Márcio Almeida.

Almeida explicou que a Associação dos Policiais Militares entrou com  ação contra a emenda da Câmara Municipal, e a categoria ingressou como terceira interessada. Ele lembra que se na ação tivesse sido citada outra emenda (031/2013), a questão de funções poderia ser julgada, o que não ocorreu.

Segundo o advogado a decisão do TJ acarreta somente em mudança de nomes e não de atribuições dos servidores. Ele alertou que a publicação da decisão ainda não saiu no Diário Oficial, mas, se o texto estipular as competências, eles devem recorrer. Além disso, segundo a defesa caberá a Câmara Municipal compor embargos de declaração, para que haja a verificação de que na ação impetrada não houve o pedido de suspensão das atribuições.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cidade
Problemas da capital serão discutido em seminário no próximo sábado
Cidade
Ato contra o STF será às 17 horas na Afonso Pena
Cultura
Noite cultural na Esplanada Ferroviária lança semana do artesão
Cidade
Estácio de Sá oferece serviços gratuitos no Parque das Nações
Cidade
Curso de TI da prefeitura qualifica 32 alunos na capital
Cidade
CCZ promove feira de adoção de animais neste sábado
Cidade
Assistência para moradores de rua é debatida na Câmara
Cidade
Presídio da capital tem palestra sobre consumo responsável
Cidade
Corporativismo vence, e MS segue sem tempo integral
Cidade
Termina nesta sexta prazo para cadastramento dos transportadores de resíduos

Mais Lidas

Polícia
Mistério: adolescentes desaparecem a caminho da escola
Polícia
Homem mata ex-esposa com golpes de machadinha
Polícia
Menina de dez anos se mata com arma do pai, em São Paulo
Polícia
Sul-mato-grossense e namorado morrem em acidente em Porto Alegre