Menu
Busca domingo, 19 de maio de 2019
(67) 99647-9098
Cidade

"Lei do Silêncio" deverá ter zoneamento

A audiência pública sobre o tema ocorrida nesta segunda ouviu autoridades, trabalhadores e população

17 dezembro 2018 - 13h16Rayani Santa Cruz

Na manhã desta segunda-feira (17), a "Lei do Silêncio", um dos temas mais polêmicos do segmento de eventos na capital nos últimos dias, foi debatida em audiência pública realizada na Câmara Municipal de Campo Grande. População, músicos, empresários e demais trabalhadores do período noturno e que sobrevivem na noite campo-grandense estiveram no local e se posicionaram a respeito do assunto.

A audiência proposta pelo vereador João César Mattogrosso (PSDB), presidente da Comissão de Indústria, Comércio, Agropecuária e Turismo do legislativo municipal, teve como intuito também debater a questão da lei de ordenamento do uso e da ocupação do solo, ou seja, a questão de zoneamento onde os estabelecimentos são instalados.

De acordo com o vereador João César Mattogrosso, a audiência pública cumpriu o papel de ouvir todos os setores e abriu para o diálogo entre a população que é contra e os que são a favor. E, para ele, é fundamental que Campo Grande tenha uma legislação que esteja de acordo com o crescimento da cidade, atendendo a todos os anseios com muito bom senso.

“A gente discutiu muito mais a questão de ordenamento do uso do solo, da permissão de estabelecimentos estarem em algumas regiões. Precisamos estudar e criar uma legislação e discutindo com o secretário [de meio ambiente] observamos que dentro do Plano Diretor, já não terá mais zoneamento específico, ou seja, em toda a cidade será permitido o uso de som, mas, dependendo do volume dos decibéis terá que ter algum tipo de tratamento, assim poderemos ter bares e restaurantes em todas as zonas de Campo Grande, respeitando a legislação”, explicou o parlamentar.

Segundo Mattogrosso, os próximos passos, para amenizar a situação  entre o empresariado que se sente prejudicado, é reuni-los com Executivo e talvez elencar um termo de compromisso dando prazo para aqueles estabelecimentos que ainda não tem um tratamento acústico, conseguir se adequar.

Para o promotor da 34ª Promotoria de Justiça do Meio Ambiente, Luiz Antônio Freitas de Almeida, faz parte de a democracia dialogar para que a solução possa contemplar todos os setores. Ele explicou que o papel do Ministério Pública é fazer cumprir a lei, e essa existe há mais de 30 anos. “A Constituição prevê direitos e pelo controle fundamental dessas normas não é possível mudar a lei. A questão dos decibéis é determinada pela União, por isso que quanto foi feito a alteração pelo legislativo municipal em 2014, o MP propôs uma ação de inconstitucionalidade, pois, isso não é competência  legislativo municipal”. 

Dialogo e bom senso foram as palavras mais usadas e no geral as autoridades entendem que com tratamento acústico e auxílio aos empresários, bares e restaurantes terão menos dificuldades para funcionar na capital.

O presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes de Mato Grosso do Sul (Abrasel) Juliano Wertheimer, falou mais uma vez que os empresários são legalistas, querem cumprir a lei e trabalhar. Para ele, é fundamental que haja mudanças que avancem o setor, assim como no crescimento da cidade para que não haja desemprego e falência de bares e restaurantes.

Fac Feijoada 2019

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cidade
Inscrições para sorteio de apartamentos na capital encerram terça-feira
Cidade
Mini cidade de trânsito é inaugurada em escola da capital
Cidade
Vídeo: Vazamento na rede de água revolta moradores da Vila Glória
Cidade
Cidade do Natal terá novo visual e espaço será aproveitado o ano todo
Cidade
Feira do Livro traz mais de 400 obras para a capital
Cidade
Procon quer promover reunião entre Santa Casa e Unimed
Cidade
Thiago Brava será uma das atrações do Arraiá de Santo Antônio
Cidade
Suposto Ovni e luzes eram de exercício militar da FAB
Cidade
“Prazo para renovar frota termina nesta quinta e não vamos recuar”, diz Agereg
Cidade
"Pint of Science" será em bares de Campo Grande e Aquidauana

Mais Lidas

Polícia
Ex-marido esfaqueia mulher em boate ao ver localização em rede social
Geral
Vídeo - Após mulher trocar senha do wi-fi, vizinhos apedrajam casa
Polícia
Homem toma arma de policial, troca tiros com outros e morre em telhado de casa
Internacional
Por engano, funcionário serve vinho de 5.100 euros a clientes