Menu
Busca terça, 31 de março de 2020
(67) 99647-9098
TJMS topo
COLUNA

Comportamento

Sálua Omais

INTUIÇÃO – PODEMOS OU NÃO ACREDITAR NELA?

28 fevereiro 2020 - 09h29

Durante muitos anos, e até mesmo nos dias de hoje, a intuição é vista como um fenômeno instintivo ou mesmo mágico. No entanto, o fato de ficarmos tão apegados em conhecimentos e evidencias racionais e acadêmicas, pode acabar nos fazendo perder uma habilidade muito importante, que para muitos podem ser meros palpites, mas que no fundo podem ser suposições formadas com base em experiência e conhecimentos acumulados ao longo da vida. O processo intuitivo tende a surgir de forma holística e rápida, e isso acontece em sua maioria, sem uma consciência do processo mental subjacente de informação.

Os sentimentos instintivos têm seu valor na tomada de decisões sim, e às vezes até mais do que muitos imaginam. Muitos processos inconscientes operam não apenas nas atividades rotineiras, mas também na tomada de decisões complexas, e isso as vezes acontece sem o devido crédito. As pessoas normalmente citam critérios aparentemente racionais para suas ações e não divulgam as preferências subjetivas de sentimentos que surgem espontaneamente. A intuição pode ser um excelente local para iniciar o processo de tomada de decisão, antes de aplicar a lógica para se fazer uma escolha. Mas o equilíbrio entre os dois pode mudar com base na decisão em questão. As primeiras impressões que temos sobre algo são basicamente resultado do processamento inconsciente de muitas pistas que reunimos, mas ao mesmo tempo é importante que essas pistas estejam constantemente sujeitas a um questionamento interno.

A Intuição é uma mistura de sensações e percepções, que podem influenciar positivamente a tomada de decisões. Mas a grande pergunta que fica em suspenso é: as pessoas devem mesmo confiar totalmente na intuição? E a margem de erro que existe sobre o que sentimos ou percebemos sobre algo ou alguém? O quanto isso que chamamos de intuição pode ou não estar misturado a estereótipos ou conceitos distorcidos sobre determinadas situações, experiências ou pessoas, sobre as quais foram criamos conclusões erradas, com base em informações equivocadas? Essa é a grande questão que é discutida, e que realmente pode levar o ser humano ao erro.

No mundo de hoje, temos a vontade de controlar, de ter certezas para não tomar decisões erradas e assim evitar frustrações. E para isso queremos tentamos usar a racionalidade na maior parte do tempo, deixando os cinco sentidos um pouco de lado. Isso não é errado, porém, existem muitos conhecimentos que em determinados momentos não teremos acesso, por algum motivo, e é justamente aí que temos que recorrer ao processo intuitivo, às sensações e às impressões sobre determinada situação. Muitos de nós temos medo de agir sem conhecer conscientemente todos os motivos que nos propulsionam à essas ações, e isso realmente é um pouco angustiante para o ser humano. Nós não temos condições de ter um conhecimento completo a respeito de tudo. A intuição é um processo elevado, e requer mesmo uma certa prudência. Podemos errar? Sim, certamente podemos, mas lembrando que erros são oportunidades de aprendizado, e, desde que seja reparado de forma eficaz, pode ser uma forma de criar percepções e sensações novas, que servirão como um ciclo contínuo de renovação e aprimoramento da sabedoria intuitiva.

Sálua Omais é Psicóloga e Palestrante, Doutoranda e Mestre em Psicologia da Saúde e Saúde Mental, Master Coach e Master Trainer em Psicologia Positiva, Neurossemântica e PNL. É titular do site www.psicotrainer.com.br onde escreve artigos diversos sobre Psicologia Positiva, Coaching e Inteligência Emocional

Deixe seu Comentário

Leia Também

INTUIÇÃO – PODEMOS OU NÃO ACREDITAR NELA?
Energia para recomeçar
INTELIGENCIA ESPIRITUAL - A FORÇA DA VIDA
COMPRAS DE FIM DE ANO: COMO CONTROLAR OS EXCESSOS?
RESPEITO: COM O QUE E PARA QUEM?