Menu
Busca domingo, 08 de dezembro de 2019
(67) 99647-9098
TJMS Dezembro-19
COLUNA

Comportamento

Sálua Omais

Mídia Social: Vilão ou Mocinho?

23 agosto 2019 - 13h55

Mídias sociais são utilizadas por bilhões de pessoas em todo o mundo, e muitos profissionais as consideram potencialmente perigosas, pelas mais diversas razões. Alguns alegam que reduz a conexão e a sociabilidade entre as pessoas, outros alegam que estimula o consumismo, a competitividade, fazendo com que seguidores mergulhem em um estado de ansiedade, depressão, redução da autoestima, problemas na autoimagem, aumento da sensação de fracasso, sobretudo ligadas ao trabalho e a relacionamentos, em virtude das comparações sociais e do exibicionismo virtual que a própria mídia social estimula. Outros pontos negativos das mídias são o sedentarismo, o isolamento, a dificuldade de foco e concentração em tarefas comuns, e a perda do tempo, o qual poderia ser despendido em outras atividades. A maioria dos profissionais é treinada para olhar para o risco em todos os lugares.  Alguns se baseiam na realidade, outros se baseiam no medo, ou num olhar focado para os piores cenários. Procuramos sintomas, fatores de risco e sinais de que as coisas não estão corretas ou causam algum tipo de problema no indivíduo ou na sociedade.

Esse olhar com foco apenas naquilo que é ruim, é um padrão que faz com que muitas vezes, as pessoas se restrinjam ao lado negativo de qualquer coisa, mesmo sabendo que absolutamente tudo na vida tem seu lado bom, e seu lado ruim. Interpretar os fatos dessa forma é uma visão robótica e eternamente insatisfatória, pois faz com que se chegue à simples conclusão que não existe e nunca vai existir algo no mundo que seja realmente bom ou benéfico para o ser humano. E não existe mesmo!

A mídia social pode ser um local muito estressante e uma fonte de ansiedade, porém, será que isso também não depende da forma como a utilizamos? Até quando responsabilizaremos as ferramentas, ao invés daquele que a utiliza? Por que condenamos então a tecnologia, que, ao mesmo tempo que traz problemas, também traz muitos benefícios à sociedade. Por que condenar uma ferramenta que, ao mesmo tempo que estimula o exibicionismo, também nos traz informações do outro lado do mundo, que possibilita conexões com pessoas de outros países e culturas, que também estimula a sociabilidade, porém de uma forma diferente do tradicional, e que também, aproxima aqueles que não podem estar próximos em razão da distância? Será que ao se condenar as mídias sociais digitais não estamos na verdade estimulando a vitimização de pessoas que, ao invés de se responsabilizarem pelas suas ações, tendem a projetar a responsabilidade de seus atos e suas decisões sobre objetos, pessoas e instituições?

A mídia social não é inerentemente ruim. É difícil dizer que uma plataforma de mídia social é inerentemente "ruim". O tipo de conteúdo que está sendo consumido pode levar a efeitos nocivos, assim como também a forma que pessoas interpretam tais conteúdos. E então, onde fica a capacidade de escolher o que vemos? Será que seremos sempre pessoas passivas, que não tem nenhum controle sobre aquilo que chega a nossos olhos? Quem faz a escolha das pessoas que serão nossos amigos ou que iremos seguir nas mídias sociais? A mesma mídia que traz tais conteúdos, também oferece configurações para que o usuário escolha o que ele quer ver, o que lhe interessa mais. Logo, quem é o culpado? Refletir sobre essas questões pode nos ajudar a concluir que, o que importa não é classificar ou rotular quem é o vilão ou quem é o mocinho, mas sim ativar a percepção sobre até onde vai a nossa criatividade, adaptação e capacidade de fazer escolhas saudáveis, do que dos produtos ou invenções que estão ou que ainda venham a surgir ao nosso redor.

Sálua Omais é Psicóloga, palestrante e professora da UFMS, com Mestrado em Psicologia da Saúde e Saúde Mental e Master Trainer em Psicologia Positiva, Neurossemântica e PNL e titular do site www.psicotrainer.com.br onde escreve artigos diversos sobre Psicologia Positiva, Coaching e Inteligência Emocional

Deixe seu Comentário

Leia Também

RESPEITO: COM O QUE E PARA QUEM?
Solteirice...e quem disse que isso é ruim?
Burnout – Quando algo não está bem
Aprendendo a dizer "não"
Mídia Social: Vilão ou Mocinho?