Menu
Busca segunda, 18 de fevereiro de 2019
(67) 99647-9098
COLUNA

Esplanada

Leandro Mazzini

Dois pesos

09 outubro 2018 - 06h49

O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) arrecadou em ‘vaquinhas’ virtuais perto de R$ 1,5 milhão do total de R$ 1,9 milhão que rodou no caixa – inclusivo com fundo eleitoral. Gastou R$ 1,2 milhão para ir ao 2º turno. Modesta campanha, em se comparando com outras de eleições anteriores. Para correr o País em poucas semanas na tentativa de colar sua imagem na de Lula da Silva, o padrinho, Fernando Haddad (PT) foi turbinado pelo fundo eleitoral do PT: R$ 12  milhões em gastos dos R$ 28 milhões arrecadados – muito disso com programas de TV e com fretamento de jatinhos.

Novos tempos

Romeu Zema (Novo), que apareceu líder bem distante do concorrente tucano na disputa pelo Governo de Minas Gerais, investiu apenas R$639.110,13. E sem dinheiro público.

Novos tempos 2

Já a campanha de Anastasia (PSDB), o ex-governador aliado de Aécio que tenta voltar ao Poder, e vai ao 2º turno contra Zema, até ontem custou R$ 9.380.406,65.

Parem o mundo!

E o Cabo Daciolo? O ‘animador’ de debates não investiu nem R$ 1 mil na campanha, e ficou na frente de Marina Silva e Meirelles – que gastou uns R$ 40 milhões.

Oito metas.. 

Logo após o resultado do 1º turno das eleições presidenciais, caciques do PT elaboraram um documento com oito pontos que traçam a “estratégia” para a militância no 2º turno. Um das recomendações é “concentrar a atenção em ‘ciristas’ (eleitores de Ciro Gomes) anti-PT, indecisos e nulos”.

.. do PT Zen

Outro ponto prega o foco do debate em trabalho, renda, economia e saúde. “Evitar temas morais”, indica a cartilha. O oitavo ponto do documento sinaliza a postura zen do PT ao orientar a militância a “não centralizar as ‘falas’ em Bolsonaro e focar na ‘positividade’ de Haddad e Manuela D’Ávila”.

Rádio Bolsonaro

Coordenadores da campanha de Bolsonaro vão avançar sobre o eleitorado petista, indecisos e eleitores que votaram nulo ou em branco no Nordeste – única região do País onde Haddad venceu. Vão recorrer a rádios com grande alcance nos rincões.

Claro, claro

A segurança pública é o foco. O Nordeste concentra cinco dos 10 Estados com maiores taxas de homicídios por 100 mil habitantes: SE, AL, RN, PE e BA.

Vestibular

A disputa pelas cadeiras de deputado federal foi bem acirrada este ano: foram, em média, 16 candidatos para cada uma das 513 vagas da Casa.

Não é o Lula

Terra natal do ex-presidente Lula, Garanhuns (PE) registrou queda expressiva no apoio ao PT no 1º turno. Haddad teve pouco mais de 50% dos votos e Jair Bolsonaro (PSL) 26%. Em 2014, a ex-presidente Dilma teve mais de 80% dos votos na cidade. Em 2006, Lula obteve 90% dos votos em seu reduto.

Efeito Temer

Os principais partidos que votaram contra as duas denúncias e salvaram o presidente Michel Temer amargaram a redução de suas bancadas na Câmara Federal. O MDB, partido de Temer, perdeu 17 cadeiras; o DEM, que tem atualmente 43 deputados, terá 29 parlamentares a partir de 2019.

Segue a dança

O PP perdeu 13 cadeiras e o PSD terá 34 deputados na próxima Legislatura – atualmente a legenda conta com 37 parlamentares.  Já o PTB, que ocupou o Ministério do Trabalho no governo Temer, perdeu seis cadeiras na Câmara.

Boletim do Campus

Reitores de universidades federais intensificaram a campanha anti-Bolsonaro na véspera do 1º turno. Os campus universitários são os maiores focos de rejeição ao candidato do PSL. Em carta enviada aos professores da UnB, a reitora Márcia Abrahão escreveu: “Quando hoje nos deparamos com manifestações públicas que contrariam os valores estabelecidos em um Estado democrático de direito, não podemos ignorar”.

Turma da lousa

Também em comunicado aos professores universitários, o Sindicato dos Docentes das Universidades Federais de Goiás pontuou que o ódio e a intolerância são os maiores destaques nesta eleição presidencial, “enquanto pautas importantes são tratadas de forma secundária”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Lava Toga
Previsões de Guedes
Esboço da reforma
Humilhação
Lobby mineral