Menu
Busca quarta, 18 de setembro de 2019
(67) 99647-9098
COLUNA

Comportamento

Sálua Omais

Férias: uma pausa necessária

13 julho 2019 - 08h00

Férias são, de fato, maravilhosas. Pena que nem sempre duram tanto quanto esperávamos. É o chamado efeito de desvanecimento, que faz com que os benefícios durem apenas algumas semanas após retornarmos ao trabalho.

Ouvir isso certamente não é algo muito agradável, ainda mais se levarmos em consideração que trabalhamos o ano todo esperando ansiosamente esse período, para dar uma pausa no trabalho, recarregar as energias, descansar a mente, refazer o planejamento dos próximos meses, ou, no mínimo, ter uma brecha de tempo para tentar organizar nossas vidas de modo geral. Se forem bem planejadas e executadas, isto é, sem aquelas surpresas inesperadas, as férias revigoram, reduzem a fadiga e melhoram o humor. No entanto, isso não dura muito tempo, pois logo somos envolvidos novamente por mais estresse e preocupação. Além disso, nem sempre as férias são sinônimo de descanso para todos, sobretudo para pais e cuidadores.

Mas, como aproveitar os benefícios das férias, de um jeito mais duradouro, e evitar, ou pelo menos minimizar, os indesejáveis efeitos de quando acaba toda essa alegria? Uma solução é aproveitar “miniférias” mensais, em vez de esperar por férias anuais únicas. Alguns estudos sugerem que melhor do que esperar uma ou duas vezes ao ano para tirar um período longo de descanso, o ideal é ter pequenos momentos de descanso, por tempos mais curtos, porém, com uma frequência maior ao longo dos meses que se passam. Isso faz com que possamos criar pausas que, ao mesmo tempo que não comprometem tanto o nosso trabalho, possam também nos trazer a oportunidade de nos revigorar com mais frequência. Existem evidências de que as férias curtas, aquelas que duram apenas alguns dias ou fins de semana mais prolongados, podem ser tão recuperadoras quanto viagens mais longas, aumentando assim a sensação de bem-estar e diminuindo a tensão e o estresse, ajudando na recuperação da mente e do corpo.

Outra conclusão que poucos sabem: o ato de planejar férias gera um aumento muito maior na sensação de felicidade e humor melhorado nas semanas que antecedem as férias. Pessoas que percebem ter controle sobre seus planos de viagem têm maior probabilidade de se sentir menos estressadas depois de um período de férias. Uma viagem simples, a um lugar próximo, silencioso e calmo, pode ser muito mais interessante e revigorante do que uma estadia de duas semanas em uma praia famosa, em que você está constantemente checando seu telefone, ou a um país distante, onde você precisa enfrentar horas em voos, atrasos, tumultos e filas de espera em aeroportos. Dominar uma nova habilidade e separar-se psicologicamente do trabalho durante as férias também ajuda a reduzir os níveis de estresse.

O fundamental é a maneira como gastamos o tempo de férias. Mas, para isso, é preciso uma boa organização, já que o tempo passa rápido e, se for tempo livre, passa mais rápido ainda. A duração do tempo, muitas vezes, é menos importante do que a qualidade e a forma como fazemos uso e desfrutamos dele. Todos sabem que os efeitos positivos são de curta duração, e cabe também a cada um de nós utilizar outras estratégias que possam tornar não apenas os momentos de pausa agradáveis, mas o restante do ano também.

 

(*) Sálua Omais é psicóloga, palestrante e professora da UFMS, com mestrado em psicologia da saúde e saúde mental e master trainer em psicologia positiva, neurossemântica e PNL. É titular do site www.psicotrainer.com.br, em que escreve artigos diversos sobre psicologia positiva, coaching e inteligência emocional.

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Aprendendo a dizer "não"
Mídia Social: Vilão ou Mocinho?
Férias: uma pausa necessária
Fome emocional
Relacionamentos afetivos positivos