Menu
Busca quarta, 16 de janeiro de 2019
(67) 99647-9098
IPVA Grande
COLUNA

Esplanada

Leandro Mazzini

Malta & Bolsonaro

05 dezembro 2018 - 07h04

O senador Magno Malta (PR-ES) recusou o Ministério do Desenvolvimento Social. Os bastidores do que aconteceu, segundo fonte da Transição do Governo: Dois dias após a eleição, Malta telefonou para o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), e o surpreendeu com o pedido de ser Ministro da Defesa ou Embaixador em Israel. Bolsonaro respondeu com duas perguntas: “Você fala inglês ou tem Quatro Estrelas no ombro?”. Malta não tocou mais no assunto. E Bolsonaro, que sempre o viu como o aliado certo para as causas sociais, não entendeu a demanda.

Voldemort

A turma da transição não tem dúvidas de que, por trás do pedido de Malta, está Valdemar da Costa Neto, dono do PR, que vai perder a Infraero e os Transportes.

Vaga

Na saída honrosa de Bolsonaro para Malta – que foi cogitado até como vice na chapa – avalia-se uma direção de entidade do Sistema S.

Do peito

Embora parte pequena do MDB seja atendida no Ministério do Desenvolvimento Social, a indicação de Osmar Terra é da cota pessoal de Bolsonaro, de quem é amigo.

Confusão

O Ministério das Relações Exteriores cancelou o debate “O Movimento Comunista Internacional e seus impactos no Brasil”, que seria em seu auditório ontem. Um jornal publicou reportagem sobre cartilha produzida por um professor de História do Rio de Janeiro, com o patrocínio parcial do Itamaraty, que chama Bolsonaro de homofóbico. Resultado: todos os eventos com conteúdo “polêmico ou sensível” foram cancelados.

Pé na porta

O deputado federal Pr. Marco Feliciano (PODE-SP) quer ser ministro dos Direitos Humanos de qualquer maneira. Chegou à Transição ontem no CCBB sem agenda e pediu reunião com o presidente Bolsonaro. Foi atendido, mas sem pompas. Articula apoio da bancada evangélica para seu nome ou indicado seu. Parte da bancada está ‘queimando’ a indicada Damares Alves.

Mistério de Bacabal

O assalto é assunto da polícia. Mas autoridades se perguntam: Por que uma agência bancária de uma pequena cidade no meio do Maranhão tinha R$ 100 milhões no cofre?

Que Vergonha..

A Polícia Federal em Brasília conduziu o advogado Cristiano Acioli para depoimento por ordem do ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal. No voo 1446 (Congonhas-Brasília), com avião ainda no pátio em SP, o advogado – na mesma fileira que o ministro – chamou o STF de ‘vergonha’. Visivelmente irritado, Lewandowski alertou: “Você quer ser preso?”, e pediu o comissário para chamar a PF.

..Sr ministro

Um agente da PF entrou no avião e conversou com o advogado, que se comprometeu a não se dirigir mais ao ministro durante o voo. Segundo Acioli, ele foi intimidade pelo agente com a justificativa de que o avião não era lugar para se manifestar. O advogado, que é procurador da República, reforçou que tem direito a liberdade de expressão. Fato.

Confira

O vídeo gravado pelo advogado foi publicado em primeira mão pela Coluna em nosso Twitter e no Facebook.

Hein!?

Causa curiosidade nos pares a pressa dos senadores Ana Amélia (PP-RS) e Ricardo Ferraço (PSDB-ES), autora e relator, respectivamente, do PLS 284/17. O projeto autoriza o fisco a fechar empresas devedoras de tributos. A audiência é hoje numa comissão do Senado. Ana Amélia e Ferraço estão sem mandatos em 2019.

Pergunta..

.. Como fica o seu Zé da mercearia da esquina que, diante da alta carga tributária, não conseguiu pagar em dia seus impostos, e depende do comércio aberto para sobreviver?

Resposta

A assessoria de Hamilton Dias de Souza, o advogado da Plural (pool de distribuidoras de combustíveis) que defende o PLS no Senado, informa que ele “não participou de esquema junto ao CARF e, por isso, a denúncia contra ele deverá ser sumariamente rejeitada pela Justiça”. Ele foi denunciado na operação há dias.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Previdência rural
Déficit da Previdência
Segurança Pública
Comando da Câmara
Levy, o Curinga