Menu
Busca quarta, 21 de agosto de 2019
(67) 99647-9098
COLUNA

Rosildo Barcellos

Rosildo Barcellos

“Maste purú” é o lugar dos Homens...

29 maio 2018 - 16h54

No mundo sempre existiu, o lenitivo da alma... a música; essa arte que nos eleva e transforma o espírito e solidifica as tradições e costumes. O tempo passa e a saudade invade. Assim como ficaram muitas vezes na saudade, nossas famílias amorosas, nossos amigos fiéis, nossa esperança diária!

E quando acontece isso, sem perceber, deixamos que nossas vidas saiam  de um colorido intenso pra um "Preto e Branco" opaco. Mas não acontece com todos, e eis que a perseverança e o trabalho contínuo, com respeito e humildade, podem fazer perpetuar  a música e a obra. Eis aqui, exatamente o caso do Grupo Acaba que  ao completar o Jubileu de ouro, reacende o eflúvio exordial, faz uma retrospectiva da passagem do antigo  Mato Grosso para o nosso Mato Grosso do  Sul, e deixa uma indelével marca de sua passagem e contribuição, a música regional e a ecologia em uma coletânea. Além de  um documentário onde a trilha sonora e as imagens passeiam pelo cotidiano de seus integrantes, pelas músicas que exalaram dos ambientes pantaneiros.

Esse documentário comemorativo, foi produzido pela Render Brasil, com direção de Fábio Flecha e produção de Tânia Sozza. Isto Posto, posso reiterar que, certamente  faltaram muitas histórias. Sobretudo porque o trabalho de pesquisa   perpetrado pelo Grupo Acaba, traduzido em forma de música e mormente,  por incluir e carregar em suas composições, a fauna, a flora, cultura indígena, o folclore pantaneiro e comportamentos típicos da região, sempre evocando a preservação ambiental e a inserção social de quem nela vive, é parte da existência de cada um de nós que buscamos a manutenção das tradições e dos costumes históricos contados por nossos pais.

Há assuntos e muita prosa, para vários outros documentários, até porque a própria história de vida de cada um é rica em lutas e esforços, como por exemplo  Antônio Luiz Porfírio do quarteto Jovem Guarda, nome dado por João Bosco de Medeiros, (ex- vereador e que atualmente pode ser escutado em FM, nas manhãs dominicais) passando pelos meus professores de Termologia  José Charbel Fiho e de Geometria Analítica Adriano Praça de Almeida, exímio nos instrumentos de sopro, além dos incomensuráveis irmãos Lacerda, (um nascido em Albuquerque e o outro em Porto Esperança), inclusive de quem recebi, em mãos,  o DVD 50 anos GRUPO ACABA – Cantadores do Pantanal, a caminho do Festival da América do Sul Pantaneiro. O artesanato, a música, a religiosidade, os mitos, o modo de vida e os personagens que habitam essa vasta planície estão não somente neste projeto concretizado mas sobremaneira em nossas veias e em nossa voz.

Graças a Deus, estes   anos de luta, as referências a  festas populares e a alegria do povo pantaneiro que vive cercado de belezas,  criou uma identidade cultural própria e rica  e esse modo de ser povoou a  letra do samba enredo "Tem cheiro de Camalote, tem  gosto de Tarumã".  do Grêmio Recreativo Escola de Samba Deixa Falar, homenagem justa e necessária, sob a batuta do carnavalesco Francis Fabian  que fez  sinopse a um grito sem fim, que espera eco de um povo “Sou queimado pelo sol, sou molhado pela cheia, Na folha que a água leva, leva o bem e leva o mal... Tu que és cantador, cante... conte e encante Mostra a força da minha terra... E em forma de mosaico desvenda com sutileza segredos da natureza,  Um grito de amor na questão ambiental, “homem pantaneiro’. Que ninguém possa calar esse grito. E essa reverberação tem de passar por nós, e começa por mim. Parabéns ao Festival da América do Sul Pantaneiro, que com atrações de dez países sul-americanos, incluiu e exibiu o documentário sobredito. E por derradeiro: Muito Obrigado,  Grupo Acaba e citando o texto da contracapa do LP gravado ao vivo e produzido por Marcus Pereira, e com Lincoln na bateria e João no Bumbo, extraio a essência  alvíssaras vernacular, que nitidifica o Grupo: "Nessa viagem no lombo do cavalo, sob os rangidos do carro de boi ou no silente deslizar do batelão, vamos encontrar um retrato sem retoques do Pantanal".

 

*Membro do Conselho de Cultura de Corumbá.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Conselheiro de cultura e articulista do JD1 recebe comenda
Sunt Lacrimae Rerum*
Reflexão de Natal
As Bodas de Vime de Max Henrique
O herói que transcende a alma!