Menu
Busca quinta, 17 de janeiro de 2019
(67) 99647-9098
IPVA Grande
COLUNA

Esplanada

Leandro Mazzini

PPS, Cidadania e oposição

10 janeiro 2019 - 07h13

O PPS vai mudar o nome para Cidadania e deve ser oposição oficial ao Governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL). O presidente do PPS, Roberto Freire, vai convocar um Congresso Extraordinário em Brasília para as próximas semanas, e colocar os temas em pauta. Hoje, o PPS é independente no Congresso e em relação ao novo Governo. E a oposição, por ora, é questão pessoal de Freire, reforça o comandante do partido. O ‘Cidadania’ foi escolhido após consulta a militantes.

Republicanismo

“Será uma oposição democrática, e com responsabilidade, como sempre foi”, diz Freire à Coluna, caso os partidários aprovem a tendência.

Segredo de Estado

Não se assustem os que apontam Sérgio Moro futuro ministro do STF e o virem candidato a presidente da República no pós-Bolsonaro, em 2022 ou 2026.

Êpa, êpa

Não se questiona o preparo de Wilson Witzel para o Governo do Rio. Mas pegou mal na família Bolsonaro sua intenção, no segundo dia no cargo (!), de disputar o Planalto.

Dever de casa

A “mudança profunda” no sistema prisional brasileiro, prometida na última semana pelo ministro da Justiça e Segurança, Sérgio Moro, terá que passar primeiro pela organização e atualização de informações sobre população carcerária. Levantamento feito pelo Centro de Estudos e Debates Estratégicos da Câmara mostrou que uma das limitações para superar a crise nos presídios é a quase total falta de dados oficiais sobre o tema.

Custo-Detento

“Diversos documentos disponibilizados pelo Ministério da Justiça, por exemplo, exibem informações de 2008, e os mais atualizados mostram dados de 2015”, aponta o estudo Segurança Pública: Prioridade Nacional. Em outro trecho, o estudo informa que o custo do preso no Brasil, em dólares, é o mais alto da América Latina, à frente de Argentina, México, Paraguai e Peru.

MDB x MDB

Enquanto o senador Renan Calheiros (MDB-AL) intensifica a articulação com outras legendas para voltar ao comando do Senado, caciques do partido avaliam, nos bastidores, que o nome da senadora Simone Tebet (MDB-MS) pode ter mais apoio e adesão para assegurar a vitória do partido na disputa em fevereiro.

Plano B

Esse cenário começou a ser traçado após o ministro do STF, Marco Aurélio Mello, determinar votação aberta para eleição do presidente do Senado. Apesar do revés nacional nas últimas eleições, o MDB manteve a maior bancada no Senado, com 12 parlamentares. Dizem integrantes da cúpula emedebista que a presidência do Senado é “imprescindível” para manter o “protagonismo” da legenda na Esplanada.

Amor no Amapá

Hospital do Amor de Barretos vai avançar em Macapá. O empresário Elpídio Amanajas, um dos idealizadores da parceria, terá reunião dia 18 com Dr. Raphael Luiz Haikel, diretor da matriz, para tratar do contrato de pessoal e atendimento ao público. Estuda-se colocar na pista a Carreta do Câncer para atendimento nos municípios.

MERCADO

Girem a roleta

O Rio deu o pontapé político para a volta dos cassinos, com a defesa, de público, do governador Witzel, e do prefeito Marcelo Crivella. O trade turístico sabe da importância de geração de empregos, de fomento a hotéis e restaurantes. E de arrecadação. É cada vez maior a presença de investidores americanos no Brasil, de olho no setor.

Perigoso

Em relatório enviado a investidores internacionais, ao qual à Coluna teve acesso, a consultoria de risco político Eurasia aponta que o ambiente geopolítico é o mais perigoso em décadas e ocorre “justamente em momento em que a economia global está se saindo bem”.

Cuidando de casa

O documento sublinha que os líderes mundiais estão tão ocupados com crises locais que estão ignorando “problemas muito maiores no futuro”. No tópico “Coalizão de má vontade”, o relatório pontua que Donald Trump, agora tem “imitadores” ao citar o presidente Jair Bolsonaro (PSL) que, segundo o texto, usou a cartilha do presidente americano para vencer as eleições.

Novela do Visto

Num vaivém de informações, o deputado federal eleito Luís Miranda garante que, mesmo com o visto tipo L1 vencido (e cancelado), ele busca o Green card e tem Visto de trabalho autorizado para até 2020. A Embaixada dos Estados Unidos não comenta.

ESPLANADEIRA

Claudio Castro reinaugura a exposição Mercado Imobiliário no Brasil, na Casa de Laranjeiras, da Sergio Castro Imóveis. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Comunistas com Maia
Posse de armas
Previdência rural
Déficit da Previdência
Segurança Pública