Menu
Busca domingo, 20 de outubro de 2019
(67) 99647-9098
Governo vitimas
COLUNA

Esplanada

Leandro Mazzini

Tráfico militar – parte 2

07 julho 2019 - 08h00

De janeiro a maio deste ano, o Superior Tribunal Militar julgou 165 militares por posse, uso ou tráfico de entorpecentes, amparado no Artigo 290 do Código Penal Militar, segundo dados da assessoria passados à Coluna.O maior número de registros foi em Janeiro, com 49 casos. Fevereiro (39), Março (25), Abril (27) e Maio (25) emendam a lista. O caso do sargento Manoel Silva, detido na Espanha com 39 kg de cocaína no avião presidencial, é um dos que vai engrossar a estatística de junho. Os militares julgados em 1° instância no STM em 2018 por este tipo de crime somaram 274 casos. Todos os casos de 2018 e 2019 estão em apelação. 

Fila grande

O Instituto Nacional de Propriedade Intelectual registra, atualmente, mais de 160 mil pedidos de patentes em julgamento – que dura entre 3 e 5 anos.

Peronismo de cela

Em encontro com Alberto Fernandes, o candidato da esquerda à presidência da Argentina, na cela da PF, Lula disse que leu na cadeia alguns livros sobre o peronismo.

Hermanos

Aliás, candidato peronista, Fernandez é um velho conhecido de Lula. Ele foi chefe de gabinete de Nestor Kirchner, entre 2003 e 2008, na Casa Rosada. 

Pires na mão 

Cada dia mais desgastado pela revelação de novas supostas mensagens trocadas com procuradores da Lava Jato à época em que era juiz, o hoje ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, tenta levantar mais recursos para a pasta junto à equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes. 

Otimista

A principal reivindicação de Moro é ampliar recursos do Fundo Nacional de Segurança Pública. Há dias, a secretários estaduais de segurança pública, o ministro se disse otimista ao afirmar que “talvez, essa seja uma boa perspectiva de nós conseguirmos”. 

Vem barulho aí

Ao contrário do carnaval feito com vazamentos criminosos do The Intercept sobre os supostos diálogos de Moro e Deltan Dallagnol, a Polícia Federal, com seusmelhores peritos de Tecnologia, segue discretíssima e prepara o bloco para a sua folia na rua. 

Friends

O presidente Jair Bolsonaro foi recebido com empolgação na Embaixada dos Estados Unidos em Brasília, na festa da Independência do país, o 4 de julho. Tietado por americanos, distribuiu abraços e posou para selfies. Reencontrou o amigo Mc Kinley, assessor especial do chefe do Departamento de Estado dos EUA, Mike Pompeo. 

Mesa farta

Kinley, que visitou o então presidente eleito na transição em sua casa, na Barra da Tijuca, naquele dia da foto com a mesa farta de um (ainda) plebeu Bolsonaro, retribuiu a honra da visita: serviu hot dogs ao presidente. 

Governo ganha

Sondagens feitas por líderes do Governo apontam que a adesão à Reforma da Previdência aumentou na Câmara após a aprovação do texto na comissão especial. Os votos favoráveis dos deputados do Centrão no colegiado também foram sinalização de que não há risco de derrota nos dois turnos de votação da reforma no plenário. 

Margens 

As planilhas dos parlamentares indicam que o texto poderá ser aprovado com margem de 20 a 40 votos a mais que o necessário (308). Os cálculos do presidente da Câmara, Rodrigo Mais, estão no mesmo patamar. O democrata tem reafirmado que só colocará a proposta em votação se houver “margem mínima” para aprovação. 

Na Espanha

Sem patrocínio oficial nem distribuidor, o filme “O Trampo”, dirigido, produzido e roteirizado pelo veterano ator Carlos Vereza (que interpreta o papel principal, ao lado da atriz Rosa Maria Murtinho), entrou na lista de finalistas do Festival Internacional de Cinema de Madri. Vai concorrer ao Prêmio de melhor filme de língua estrangeira. 

ESPLANADEIRA

# A TIM promove o novo TIM Black Família (com assinatura Netflix inclusa) em campanha nos Shopping Morumbi (SP), New York City (RJ), Recife, Palladium Curitiba, e Boulevard Belém entre 11 e 13 de julho.  # Especializado em Propriedade Intelectual, o escritório Kasznar Leonardosdeve receber entre 800 e 1.000 exigências por mês dos pedidos de patentes ao INPI que serão avaliados com o plano de reduzir o backlog.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Aras e o Senado
Mãos ao alto!
Cadê o nosso, Petrobras?
Faroeste amazônico
Barbosa vem aí