Menu
Busca sábado, 20 de julho de 2019
(67) 99647-9098
COLUNA

Esplanada

Leandro Mazzini

Turbulência à vista

15 maio 2019 - 06h59

O até agora tranquilo céu de brigadeiro de Eduardo Sanovicz, presidente da ABEAR – Associação Brasileira de Empresas Aéreas, ganhou nuvens turvas para as próximas semanas. Sanovicz já prepara explicações – que dificilmente serão compreendidas, diante do humor dos executivos das companhias – depois de ser jogado na turbulência por um dos herdeiros da Gol Linhas Aéreas. Henrique Constantino, em sua delação premiada homologada pela Justiça, no Anexo 7, diz claramente que a ABEAR intermediou propina para Marco Maia, Romero Jucá, RTurodrigo Maia, Edinho Araújo, Vicente Cândido, Bruno Araújo, Ciro Nogueira e outros parlamentares e ex-parlamentares. Executivos das aéreas signatárias da ABEAR estão em contatos para decidir se abandonam a associação ou se atiram Sanovicz desse avião em chamas.

Vai nessa!

Nas cabines de comandos das grandes aéreas, o que se comenta é que Constantino pulou de pára-quedas, mas Sanovicz pode ser empurrado ao vento, e sem o equipamento.

Quem é

Sanovicz é ligado à ex-senadora Marta Suplicy, foi presidente da Anhembi Turismo e Eventos da Cidade de São Paulo, quando ela foi prefeita, e já foi alvo do MP paulista por improbidade administrativa em contratações de funcionários sem concurso.

Taxiando

A ABEAR informa que “desconhece os fatos e o teor da delação premiada”, e completa: “Caso a entidade seja procurada pela justiça para esclarecimentos, estará à disposição”.

Fusão parada

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, com papel centralizador da pasta, não tem dado conta do recado, os fatos mostram. O plano de reestruturação de parte das agências reguladoras não saiu do papel. Antes de assumir a pasta, ele alardeara que um dos objetivos da extinção da extinção da Agência Nacional de Transportes Terrestres e da Agência Nacional Transportes Aquaviários seria acabar com o aparelhamento político e indicações de diretores vinculados a partidos.

Reunião da reunião

Em abril, o Ministério da Infraestrutura criou um grupo de trabalho para, entre outras atribuições, fazer revisão da estrutura administrativa nas agências, “apontando eventuais necessidades de ajustes”. O grupo tem prazo de 90 dias para apresentar um relatório conclusivo à Secretaria Executiva do Ministério.

Mesa pra dois

Enquanto isso, o ministro Tarcísio segue sua rotina. Foi visto por fonte da Coluna em companhia de bela assessora da pasta num almoço, com vinho à mesa, dia 26 de abril, na caríssima Churrascaria Fogo de chão. Ainda bem que tem motorista. Porque beber em dia de trabalho dá sono, e se polícia pega ao volante, dá multa e cadeia.

Falta explicar

A grande maioria da população (60,8%) entende lhufas da proposta de Reforma da Previdência. O índice se acentua entre o público alvo, acima dos 60 anos (62,2%), mostra sondagem nacional da Paraná Pesquisas.

Mega da energia

Algo está muito errado na conta da privatização. O ex-presidente Michel Temer queria - e agora Paulo Guedes, o semi-presidente quer – vender a Eletrobrás por R$ 15 bilhões. A estatal de energia acaba de registrar lucro líquido (!!) de R$ 1,5 bilhão apenas no 1º trimestre. O leitor que é esperto e entende de conta, sabe que o eventual comprador vai ganhar na loteria em dois anos.

Aliás..

.. Geração e distribuição de energia são consideradas questão de soberania nacional na China, França, Estados Unidos e outros países.

FBC x Moro

O senador e líder do Governo Fernando Bezerra Coelho não dá ponto sem nó. Como relator da reforma administrativa foi duramente criticado pelo ministro da Justiça, Sérgio Moro. FBC, como é conhecido o senador, manteve o COAF sob o bojo da Justiça. Embora tenha sido voto vencido, FBC deu sinal de aliança.

Coluna nas rádios

A coluna ganhou mais espaço em rádio. Este humilde colunista estreia no domingo como comentarista político no programa ‘Ponto e Vírgula’, da Rádio JK em Brasília, uma das líderes de audiência no DF. Além da participação ao vivo todas as segundas e quintas na rádio Globo Rio Preto (SP), para 40 cidades do Noroeste Paulista.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Lava Jato intensifica denúncias
Tentativa de coalizão
Pacto federativo
Vem mais aí
Conta da Previdência