Menu
Busca sexta, 18 de outubro de 2019
(67) 99647-9098
COLUNA

Rosildo Barcellos

Rosildo Barcellos

Retrato de uma História

15 junho 2018 - 14h53

Quando converso sobre o assunto, eu friso que, indubitavelmente, torna-se difícil entender a história de Mato Grosso do Sul sem prescrutar as nuances da inicialmente conhecida “Guerra do Paraguai”. As repercussões culturais que a “Guerra da Tríplice Aliança” exerce sobre a formação do estado são muito fortes e ainda presentes, até porque temos obras que testemunham este olhar para o passado. Ressalto que foi em Corumbá, num primeiro momento o local aonde desembarcaram riquezas e pessoas; porquanto ao final, vieram a auxiliar a construir o Mato Grosso do Sul, conforme conhecemos hoje. Cidade estratégica, econômica, política e militarmente, a Cidade Branca acabou sendo uma dos municípios que primeiro tombaram, diante do avanço das tropas paraguaias mobilizadas por Francisco Solano Lopez.

Mormente em 1867, o presidente da província de Mato Grosso, Couto Magalhães, decidiu pela retomada do território para o Império Brasileiro e iniciou os preparativos militares, elaborando a estratégia das operações, que ficou sob o comando do então Tenente Coronel Antônio Maria Coelho. No dia 15 de maio de 1867 teve início a ação militar para a “Retomada de Corumbá” com a partida das tropas do Porto de Cuiabá, acampando nas proximidades da cidade supramencionada às 18 horas do dia 12 de junho.

Já na madrugada do dia 13, a tropa toma rumo norte, caminhando confiante, pelas margens do rio Paraguai, já respirando o ar da vitória. Depois de 25 quilômetros de marcha, param os soldados nas proximidades da vila de Corumbá, para observação e plano tático de seus comandantes. Pouco depois do almoço começam os ataques em pontos distintos, que duraram até o anoitecer. As tropas brasileiras perderam ao todo nove homens, dentre os quais, o Tenente Manoel de Pinho e o capitão Cunha e Cruz. Outros 27 homens ficaram feridos. Foram aprisionados 27 paraguaios, do total de uma tropa de 200 homens, que havia se instalado em Corumbá.

Finalmente reconquistada, e com o objetivo de que ali fosse plenamente restabelecido o poder imperial, segundo vários relatos históricos, foram construídos então cinco fortes: Limoeiro, Junqueira, Conde D'Eu, Duque de Caxias e Major Gama. A denominação Junqueira reverencia o então ministro da Guerra, Doutor João José de Oliveira Junqueira, justamente quem deu a ordem para construir a fortificação. De tudo ainda lembro que o Tenente Coronel Antonio Maria Coelho, teve seus restos mortais descansando na Praça da Independência sob célebre estátua, enquanto que os restos de Cunha e Cruz repousam no Cemitério Santa Cruz, na Quadra Marechal Horácio - cova 236 - juntamente com suas filhas: Maria do Carmo (Sinhá) e Florisbela (Yáiá). Isto mostra, que mais do que belezas naturais e animais exóticos Corumbá tem viva a sua história, no rosto de cada cidadão e isto mais do que nunca, deve ser preservado assim como, os ideais de liberdade, ordem e progresso: definitivamente revividos e reacendidos na Cidade Branca até seus ulteriores instantes, que segundo  relatos do Visconde de Taunay, há como destaque a participação brava e heroica de Pedro Rufino na epopeica Retirada da Laguna. Todas as circunstâncias que molduraram a volta das terras guaranis à nossa fronteira sudoeste, cumprindo as ordens rígidas do comandante, o Cel. Camisão, asseguraram, na retaguarda, o deslocamento da tropa alcançada  pela fria mão da cólera até as margens do Rio Miranda, em Jardim, daí ao Porto Canuto, a beira das águas do Aquidauana, na cidade de Anastácio. E esse ideal de liberdade e união, que devemos preservar no nosso cotidiano por mais difícil que ele possa ser ou parecer ser.

*Articulista

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Setembro Amarelo
Conselheiro de cultura e articulista do JD1 recebe comenda
Sunt Lacrimae Rerum*
Reflexão de Natal
As Bodas de Vime de Max Henrique