Menu
Busca quinta, 16 de setembro de 2021
(67) 99647-9098
TJMS setembro21
Cultura

Brasileiro faz 'Instagram da vida real' espalhando molduras na Inglaterra

12 novembro 2013 - 11h13Via G1
Os filtros de imagem do Instagram introduziram um modo estilizado de ver e registrar nossas cenas diárias. O publicitário Bruno Ribeiro, no entanto, resolveu extravasar essa lógica. Munido de cartolina e papel celofane, Ribeiro espalhou pelas ruas de Manchester e Londres, na Inglaterra, várias molduras que imitam o visual das postagens no aplicativo de fotos, com direito a número de curtidas, legendas e, é claro, filtros. Com elas, o público pode ver pontos das cidades sob uma nova luz e sem usar um smartphone: um "Instagram da vida real".

Em entrevista ao G1, o brasileiro, que mora fora do país há quase sete anos, disse ser fã do app de fotos, mas contou que a ideia das intervenções surgiu justamente a partir de uma frustração com a dependência do uso de tecnologia no dia-a-dia.

"O Instagram trouxe a fotografia para o nosso cotidiano. E mesmo quem não é fotógrafo ou artista acaba querendo de alguma forma ser criativo usando o aplicativo", disse Ribeiro.

"Mas acho bem estranho essa coisa de ficarmos conectados o dia inteiro. Todo o tempo ter essa preocupação de não ficar 2 horas sem e-mail, sem celular. Então é quase uma forma de falar que a vida também é bacana sem o seu telefone. Guarde ele no bolso e olhe para isso aqui na rua".

Da Catedral de Sean Paul, local histórico de Londres onde Lady Di e o Príncipe Charles se casaram, até um grafite do artista visual Banksy, as molduras de Ribeiro brincam com a resposta das pessoas a uma ideia até então exclusivamente virtual e o fator "instagramável" de paisagens e situações, que muitas vezes acabam com a observação de um momento em favor de uma foto para o app.

"Não dá para fotografar toda comida que chegar na sua mesa. A comida esfriando e você fotografando. Como tudo na vida, tem de haver um bom senso e equilíbrio. A gente não pode ser alienado, mas também não pode ser completamente dependente, um escravo da tecnologia", comentou.

Ribeiro disse que a reação das pessoas ao trabalho tem sido positiva e surpreendente. "Eu literalmente acabo de pregar uma peça e já tem duas, três pessoas esperando para fotografar. É muito automático. E realmente é engraçado ver isso porque eu fiz esse projeto pela diversão".

O fato dos pedestres interagirem com as obras e, curiosamente, tirarem fotos delas não incomoda o brasileiro. Na verdade, ele prefere as molduras que têm um fundo que pode ser "sempre alterado".

"A catedral é sempre a catedral. Mas tem uma [moldura] na Brick Lane, uma rua famosa que tem feiras durante o domingo, e ela está sempre com vida atrás, as pessoas passando todo o tempo", comentou Ribeiro. "Toda reação é válida. Não tem um certo ou errado. Não quero passar uma mensagem de 'repensem a vida de vocês'. Não sou dono da verdade. Fico feliz se as pessoas tiram foto, se não tiram mas riem, ou se param para pensar que a vida dá para ser curtida sem filtros".
 
Unica - inverno

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cultura
Som da Concha recebe General R3 and the Black Family neste sábado
Vídeos
Vídeo: Inês Brasil é ‘expulsa’ de “A Fazenda” e viraliza nas redes sociais
Cultura
Vídeo: Dupla Índio e Half chega ao fim após 15 anos
Cultura
Programa MS Cultura Cidadã encerra inscrições na sexta
Cultura
Inscrições para Prêmio Ipê de Teatro podem ser feitas até outubro
Cultura
Som da Concha será híbrido e pode ter público de até 238 pessoas
Cultura
Exposição fotográfica Momentum é lançada nesta sexta-feira
Cultura
Inscrições do programa “MS Cultura Cidadã” acabam em uma semana
Cultura
Fundação de cultura abre seleção para Salão do Artesanato em Brasília
Cultura
Sócios Band lança primeiro single nesta sexta-feira, no Blues Bar

Mais Lidas

Polícia
Corpo é encontrado esquartejado em sacos de lixo
Geral
Ao vivo: Bebê transmite mãe tomando banho no Facebook
Polícia
Jovem é presa por morder enfermeira na UPA do Coronel Antonino
Polícia
Mulher agredida com barra de ferro em espetinho no Aero Rancho contesta versão dada pelo dono