Menu
Busca quinta, 16 de setembro de 2021
(67) 99647-9098
Gov - Estado que Cresce (set21)
Cultura

Cia. Dançurbana circula em escolas da capital com espetáculo selecionado para o palco Giratório

23 abril 2014 - 10h12Com informações da assessoria de imprensa
Em abril, mês em que é celebrado o Dia Internacional da Dança, a Cia. Dançurbana realiza um circuito em escolas da rede pública em Campo Grande. As apresentações integram o projeto Circula Dançurbana, aprovado pelo Fundo Municipal de Investimentos Culturais (FMIC) em 2013. A Cia. faz nove sessões em três escolas diferentes, sendo uma em cada turno de aula. A primeira etapa aconteceu no dia 09, na Escola Estadual Teotônio Vilela, no bairro Universitário. No dia 14, a Escola Estadual Sebastião Santana de Oliveira, no bairro José Abrão, recebeu o espetáculo. A última etapa acontece na Escola Municipal Professor Vanderlei Rosa de Oliveira, ainda sem data confirmada.

O espetáculo escolhido para as apresentações nas escolas foi o “Plagium?”, selecionado entre centenas de outras peças brasileiras para integrar a 17ª edição do Palco Giratório do Sesc, que é um dos mais prestigiados projetos de circulação de artes cênicas do país. A primeira apresentação acontece nesta quinta-feira (24) em Fortaleza, no Ceará. De abril a novembro de 2014, “Plagium?” vai percorrer 43 cidades de norte a sul do Brasil. Esta é apenas a segunda vez que um espetáculo de Mato Grosso do Sul participa do Palco Giratório. Em 2008 a Ginga Cia. de Dança circulou com o espetáculo “Cultura bovina?”.

“A circulação nas escolas é um momento muito importante. O trabalho que estamos apresentando vai ser dançado no Brasil todo e é de Campo Grande. Precisamos mostrar para o público daqui também”, explica o diretor Marcos Mattos. O principal objetivo do projeto Circula Dançurbana é aproximar dança e escola. “Nos últimos anos, a Dançurbana e outros grupos têm trabalhado para ampliar o diálogo entre dança e escola. Quando fazemos esse tipo de projeto percebemos o quanto é legal e o quanto quase não tem. Essa aproximação beneficia todas as partes. Queremos contribuir não apenas com a formação de público, mas de pessoas mais sensíveis à dança e às artes. A ideia é fazer mais espetáculos neste sentido”, expõe.

Em “Plagium?”, a Cia. Dançurbana, utilizando técnicas das danças urbanas, apropria-se de recortes de obras de companhias de dança reconhecidas para criar um espetáculo particular. Toma como referências Ginga Cia. de Dança (MS), Membros (RJ), Quasar (GO), Cena 11 (SC) e a companhia belga Rosas, e lança a pergunta: como é possível ser singular em contato com o que há em comum com outras obras?

A Cia. Dançurbana surgiu em 2006, e desde o início a técnica não foi encarada como um fim, mas como um meio para a companhia apresentar questões particulares. Preocupada com o desenvolvimento da dança em Mato Grosso do Sul, a Cia. Dançurbana participa das discussões do Fórum Movimente, Câmara Setorial de Dança e Fórum Municipal de Cultura. Singulares, seu último espetáculo, contou com o patrocínio do Prêmio Funarte de Dança Klauss Vianna 2012, com o qual amadureceu o exercício de criação.
Unica - inverno

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cultura
Som da Concha recebe General R3 and the Black Family neste sábado
Vídeos
Vídeo: Inês Brasil é ‘expulsa’ de “A Fazenda” e viraliza nas redes sociais
Cultura
Vídeo: Dupla Índio e Half chega ao fim após 15 anos
Cultura
Programa MS Cultura Cidadã encerra inscrições na sexta
Cultura
Inscrições para Prêmio Ipê de Teatro podem ser feitas até outubro
Cultura
Som da Concha será híbrido e pode ter público de até 238 pessoas
Cultura
Exposição fotográfica Momentum é lançada nesta sexta-feira
Cultura
Inscrições do programa “MS Cultura Cidadã” acabam em uma semana
Cultura
Fundação de cultura abre seleção para Salão do Artesanato em Brasília
Cultura
Sócios Band lança primeiro single nesta sexta-feira, no Blues Bar

Mais Lidas

Polícia
Corpo é encontrado esquartejado em sacos de lixo
Geral
Ao vivo: Bebê transmite mãe tomando banho no Facebook
Polícia
Jovem é presa por morder enfermeira na UPA do Coronel Antonino
Polícia
Mulher agredida com barra de ferro em espetinho no Aero Rancho contesta versão dada pelo dono