Menu
Busca quinta, 21 de outubro de 2021
(67) 99647-9098
TJMS outubro21
Cultura

CineMIS exibe a partir de hoje mostra Cinema Afro-Brasileiro com entrada franca

19 novembro 2012 - 10h54Divulgação

Será realizada esta semana, de 19 a 23 de novembro, sempre com entrada franca, a mostra “Cinema Afro-Brasileiro”, homenageando uma das etnias representativas de nosso país e que tem se mostrado fortalecida com novas produções.

As exibições acontecem sempre às 19 horas, na sala Idara Duncan do Museu da Imagem e do Som. A mostra é realizada em parceria entre a Fundação de Cultura, o Conselho Estadual dos Direitos do Negro de Mato Grosso do Sul (Cedine/MS) e o Instituto Luther King.

Para o curador da mostra, Carlos Alberto da Silva Versoza, as exibições pretendem expor o antigo e o novo Cinema Afro-Brasileiro com filmes que vão da consagrada obra "Barravento", de Glauber Rocha (sucesso de crítica e público, assistido por milhões de pessoas) aos excelentes “Besouro” e "Orfeu Negro", todos tratando de um tema delicado, mas ainda com muito reflexo no País: "a História dos Negros e Negras no Brasil e suas lutas desde a colônia até os dias atuais para serem respeitados como seres humanos e cidadãos dignos", explica Versoza.

A mostra Cinema Afro-Brasileiro é realizada com os projetos “Cultura em Situação” e “Amplificadores de Cultura”, do MIS. No dia 28 de novembro, às 14 horas, será realizado o “Debate sobre a Cultura Afro-Brasileira no Cinema”. Como os filmes selecionados abordam o mesmo tema - a história dos negros e suas lutas no País - possibilitam questionamentos sobre o papel da arte e a reflexão de como esta pode ajudar na construção de uma sociedade mais justa e igualitária. O objetivo dos projetos é incentivar o pensamento e a discussão, estimulando a produção e a circulação de ideias.

Confira a programação:
19 de novembro (segunda-feira)
Besouro - Bahia, década de 20. No interior os negros continuavam sendo tratados como escravos, apesar da abolição da escravatura ter ocorrido décadas antes. Entre eles está Manoel (Aílton Carmo), que quando criança foi apresentado à capoeira pelo Mestre Alípio (Macalé). O tutor tentou ensiná-lo não apenas os golpes da capoeira, mas também as virtudes da concentração e da justiça. A escolha pelo nome Besouro foi devido à identificação que Manuel teve com o inseto, que pelas características não deveria voar, mas voa. Ao crescer, Besouro recebe a função de defender seu povo, combatendo a opressão e o preconceito existentes.
Direção: João Daniel Tikhomiroff. Elenco: Miguel Lunardi, Irandhir Santos, Adriana Alves / 2009, Ação, 195 min.

20 de novembro (terça-feira)
Barravento - Numa aldeia de pescadores de Xeréu, cujos antepassados vieram da África como escravos, permanecem antigos cultos místicos ligados ao candomblé. Firmino (Antônio Pitanga) é um antigo morador, que foi para Salvador na tentativa de escapar da pobreza. Ao retornar ele sente atração por Cota (Luíza Maranhão), ao mesmo tempo em que não consegue esquecer sua antiga paixão, Naína (Lucy Carvalho), que, por sua vez, gosta de Aruã (Aldo Teixeira). Firmino encomenda um despacho contra Aruã, que não é atingido. O alvo termina sendo a própria aldeia, que passa a ser impedida de pescar.
Direção: Glauber Rocha. Elenco: Antônio Pitanga, Luiza Maranhão, Lucy Carvalho, Aldo Teixeira / 1962, Comédia dramática, 80 min.

21 de novembro (quarta-feira)
Orfeu Negro - A jovem Eurídice foge de sua terra e chega ao Rio de Janeiro na época do Carnaval, se envolvendo com o condutor de bonde Orfeu, provocando os ciúmes de sua namorada. Mas como na antiga lenda de Orfeu, ela é perseguida pela Morte e ele será capaz de descer aos infernos para tentar resgatá-la. Primeira versão cinematográfica da peça "Orfeu da Conceição", de Vinícius de Moraes. Orfeu Negro transpõe o mito grego de Orfeu e Eurídice, uma trágica e bela história de amor, para os morros do Rio de Janeiro, durante o carnaval. Consagrado no mundo inteiro, tendo recebido muitos prêmios (* Palma de Ouro no Festival de Cannes de 1959), o filme foi também um dos marcos fundadores da bossa nova, trazendo músicas clássicas do gênero assinadas por Tom Jobim, Vinícius, Luiz Bonfá e Antonio Maria, como "A Felicidade", "Manhã de Carnaval" e "O Nosso Amor".
Direção: Marcel Camus. Elenco: Breno Mell, Marpessa Dawn, Lourde de Oliveira / 1958, Drama, 90 min.

22 de novembro (quinta-feira)
Madame Satã - Rio de Janeiro, 1932. No bairro da Lapa vive encarcerado na prisão João Francisco (Lázaro Ramos), artista transformista que sonha em se tornar um grande astro dos palcos. Após deixar o cárcere, João passa a viver com Laurita (Marcélia Cartaxo), prostituta e sua "esposa"; Firmina, a filha de Laurita; Tabu (Flávio Bauraqui), seu cúmplice; Renatinho (Felippe Marques), seu amante e também traidor; e ainda Amador (Emiliano Queiroz), dono do bar Danúbio Azul. É neste ambiente que João Francisco irá se transformar no mito Madame Satã, nome retirado do filme Madame Satã (1932), dirigido por Cecil B. deMille, que João Francisco viu e adorou.
Direção: Karim Aïnouz. Elenco: Lázaro Ramos, Marcelia Cartaxo, Flavio Bauraqui / 2001, Drama, 95 min.

23 de novembro (sexta-feira)
Renascimento Africano - O filme, rodado em Dakar, no Senegal, conta com depoimentos de intelectuais, políticos e religiosos, que apresentam um panorama dos 50 anos de independência dos países do oeste da África e a interpretação sobre a escultura criada recentemente no Senegal, que representa, justamente, o renascimento africano. Segundo o diretor do documentário, Zózimo Bulbul, o resgate da cultura africana presente em suas obras se dá, em grande parte, devido as suas viagens pelo continente africano. “Eu precisei sair do Brasil para descobrir que eu tenho história, que eu existo”, afirma.
Direção: Zózimo Bulbul / 2012, Documentário, 50 min.

Serviço
As exibições do CineMIS acontecem de 19 a 23 de novembro (segunda a sexta), às 19 horas, na sala Idara Duncan do Museu da Imagem e do Som. Já o “Debate sobre a Cultura Afro-brasileira no Cinema” acontece dia 28 (quarta), às 14 horas. A entrada para os eventos é franca.

O MIS fica no Memorial da Cultura, na avenida Fernando Correa da Costa, 559, 3º andar. Outras informações pelo email [email protected] e pelos telefones 3316-9178 (MIS) e 3316-9155 (Carlos Versoza).

Via Notícias MS

Unica - primavera

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cultura
Governo lança campanha para apoiar atividades circenses
Cultura
Nova cervejaria aposta em estilo medieval, Taproom e expediente em horário comercial
Cultura
Tão aguardada, 'Verdades Secretas 2' estreia na próxima quarta-feira
Cultura
Festival Universitário da Canção tem prêmios de até R$ 8 mil
Cultura
Após um ano e meio sem shows, Gal Costa se apresenta hoje na Capital
Cultura
Prefeitura abre licitação para terminar 1ª etapa do Centro Belas Artes
Cultura
Comemoração do Dia das Crianças tem programação especial na Capital
Cultura
Delinha fará show em comemoração aos 44 anos de MS
Cultura
Festival da carne do MS acontece neste fim de semana
Cultura
Cine Sesc exibe o suspense brasileiro Corações Sujos

Mais Lidas

Geral
Para não cuidar de idoso, família procura filhos do primeiro casamento em MS
Polícia
Motorista de transporte escolar é preso por estuprar menina de 12 anos dentro do ônibus
Brasil
Corpo de pescador é encontrado dentro de jacaré
Geral
Mulher manda currículo para asilo e é ofendida por erros de português