Menu
Busca sábado, 18 de setembro de 2021
(67) 99647-9098
TJMS setembro21
Cultura

José Padilha terá série no Netflix, Wagner Moura viverá Pablo Escobar

27 fevereiro 2014 - 10h48Via Folha
O que esperar de José Padilha depois de "RoboCop"? O diretor de "Tropa de Elite" nem terminou a divulgação do blockbuster que marcou sua estreia em Hollywood e já negocia os detalhes de uma série para o serviço de TV sob demanda Netflix.

A trama gira em torno do tráfico de drogas no circuito Colômbia-México-Estados Unidos e tem o colombiano Pablo Escobar (1949-1993) como um dos personagens centrais. "A série vai permitir que a gente fale sobre a natureza da política antidrogas", disse à Folha em São Paulo.

"É uma história colombiana, mas também americana porque Pablo Escobar virou quem é por causa da demanda dos EUA", diz Padilha sobre a série, que deve ser falada em inglês e espanhol.

Para interpretar o traficante, pensou em Wagner Moura. "Conversaremos na quinta [hoje] sobre isso. O Netflix quer e acha genial ele ser o Pablo Escobar. E eu acho que o Wagner vai arrebentar como Escobar. É um ator do nível dos melhores do mundo."

Moura confirmou à Folha a participação na série de José Padilha.

Outros quatro projetos dividem, com o de Pablo Escobar, a atenção do diretor. O primeiro é uma ficção científica para o estúdio Warner Bros, que espera dirigir.

Padilha desenvolve ainda um filme a partir do roteiro sobre a tríplice fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina, escrito por Nick Schenk ("Gran Torino", 2008) e dirige uma das histórias do longa "Rio, Eu te Amo".

Por último, tem entrevistado pessoas de destaque nas manifestações pelo Brasil desde a morte do cinegrafista da Band Santiago Andrade. O trabalho é feito em parceria com o diretor de fotografia Walter Carvalho e Felipe Lacerda, codiretor de "Ônibus 174" (2002).

Esta última atividade é a mais incerta: Padilha diz que não tem ideia sobre qual será o produto final. "A gente decidiu não ficar dizendo o que é o filme. Vamos documentar, apenas. Aconteceu uma coisa, apareceu uma pessoa chave, a gente vai e filma", afirma o cineasta.

Já sobre as imagens das manifestações, Padilha diz que espera usar o material feito pelos próprios manifestantes e pela polícia. "É um pouco como é o 'Ônibus 174', eu não filmei aquilo."

Entre os já entrevistados estão o advogado dos acusados pela morte do cinegrafista, Jonas Tadeu Nunes, seu estagiário e a ativista Elisa Quadros, conhecida como Sininho. O cineasta espera gravar entrevista com Marcelo Freixo, deputado estadual (PSOL-RJ), de quem é amigo.

Questionado se a proximidade com o político determinaria uma posição sobre os eventos, Padilha diz que não precisa "concordar com as pessoas para conversar e ser amigo", embora "às vezes" concorde com Freixo. "Eu gosto de ter minha posição, não preciso ter um lado. Tenho a minha opinião."

Barril de pólvora
Quando as primeiras manifestações ocorreram no Brasil, Padilha estava entre EUA e Canadá, com as gravações de "RoboCop" em curso. Após a morte do cinegrafista da Band, resolveu acompanhar de perto para entender melhor o que acontecia.

Padilha acredita que as manifestações estejam ligadas a problemas reais, como má qualidade do serviço público e a má locação de recursos. "Invariavelmente eu simpatizo com os manifestantes e acho que eles têm razão. É inegável que o Estado brasileiro funciona muito mal."

Ele diz entender também a violência dos protestos. "É natural, com a polícia que a gente tem. Houve truculência policial antes da violência dos manifestantes."

E a violência de seus filmes? "É um dado da realidade. Antes de estar no meu filme, está na rua. O Brasil parece um barril de pólvora."
Unica - inverno

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cultura
Fim de semana: Som da Concha, shows de rock, sertanejo e MPB agitam a Capital
Cultura
O adeus a uma lenda do blues sul-mato-grossense: Zé Pretim é encontrado morto em casa
Geral
Livro com a vida do ‘Seu Thomaz das esfihas’ será lançado hoje
Cultura
Som da Concha recebe General R3 and the Black Family neste sábado
Vídeos
Vídeo: Inês Brasil é ‘expulsa’ de “A Fazenda” e viraliza nas redes sociais
Cultura
Vídeo: Dupla Índio e Half chega ao fim após 15 anos
Cultura
Programa MS Cultura Cidadã encerra inscrições na sexta
Cultura
Inscrições para Prêmio Ipê de Teatro podem ser feitas até outubro
Cultura
Som da Concha será híbrido e pode ter público de até 238 pessoas
Cultura
Exposição fotográfica Momentum é lançada nesta sexta-feira

Mais Lidas

Vídeos
Vídeo: Corna arrasta 'Ruivinha' pelos cabelos após descobrir traição
Geral
Mãe lamenta morte de jovem que bateu em caçamba de entulhos
Geral
Abandonada por amigos em deserto, brasileira morre de fome e sede
Polícia
Idoso de 68 anos toma muito 'azulzinho' e morre em motel