Menu
Busca quarta, 20 de fevereiro de 2019
(67) 99647-9098
Cultura

“Poemas de Amor e Fúria”, de Victor Barone, será lançado dia 6

Com ilustrações de Isaac de Oliveira, obra quebra um hiato de dez anos do poeta

01 fevereiro 2019 - 17h52Da redação com informações da assessoria

Uma ciranda de palavras que proporcionam a percepção de dicotomias que habitam nas coisas e nos atos. De um lado, o amor profundo, a projeção da empatia. Do outro, o peso e a responsabilidade que advém desse sentimento. Em "Poemas de Amor e Fúria", o jornalista Victor Barone quebra jejum de uma década da primeira publicação, e revela que neste ínterim maturou seu olhar sobre o mundo.

Com lançamento a partir das 18h da próxima quarta-feira (6), na livraria Leparole, o novo livro de poesias de Victor Barone apresenta aos leitores 74 poemas repletos de lirismo e força. Também integram a obra o prefácio assinado pelo escritor e poeta mineiro L. Rafael Nolli e a riqueza das ilustrações do artista plástico Isaac de Oliveira, baiano radicado em Campo Grande.

Diferente de seu primeiro livro (Outros Sentidos, 2008 - Independente), no qual a sinestesia das palavras decorrentes de emoções seguiu protagonista, os versos de "Poemas de Amor e Fúria" trazem a guerra entre sentimentos não necessariamente opostos, mas complementares em sua essência: o amor, como sintoma da empatia. E a fúria, como reação das marcas d'alma.

É o experimento possível que surge a partir do enxergar-se em frente ao espelho. E de notar nos traços do rosto o resultado da vida fatigante, mas não por isso menos encantadora.

Barone celebra em "Poemas de Amor e Fúria" sua visão sobre o poder das palavras - as ditas e não ditas, que também ressonam no olhar, nos gestos, no sentir das coisas. Ao mesmo tempo que é poesia, é também uma etnografia dos tempos, é um retrato da fenomenologia tatuada nos atos cotidianos.

No prefácio, Nolli arremata certeiro esse aspecto marcante dos versos, nos quais o autor imprime suas impressões do mundo, ao longo de uma década marcada por tumultos sociais, políticos e interpessoais.

"A poesia de Victor Barone está no olhar – no que ele vê. E ele vê não só o superficial, facilmente perceptível – transformando a realidade em poesia – ele vê, como os poetas veem – ou deveriam ver – por dentro, pelas engrenagens secretas, pelas entranhas, pelas entrelinhas. Creio residir aí o grande segredo de sua poesia", comenta o prefacerista.

Nas palavras do próprio autor, a obra marca o fim de um hiato desde sua primeira obra e a maturação de seu olhar para além de si. É a mistura da sensibilidade com a agressividade, na composição e reprodução dos maniqueísmos que diariamente presenciamos, mas que nem sempre percebemos ou queremos notar.

O lançamento

Na quarta-feira (6), das 18h às 21h30, na Livraria Leparole (R. Euclides da Cunha, 1126). Entrada gratuita. Na ocasião, exemplares da obra estarão à venda e o autor estará disponível para autografar as obras que lhe forem apresentadas. Haverá, ainda, performance poética com o Grupo Casa e canja da cantora Maria Alice, acompanhada pelos músicos Pedro e João Ortale.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cultura
Sem carnaval no interior, Corumbá espera receber 30 mil turistas por dia durante folia
Cultura
TVE retransmite entrevista em homenagem a Dino Rocha
Cultura
Sesc Morada dos Baís terá primeiro grito de Carnaval
Cultura
Unidos da Vila Carvalho homenageia os 50 anos da comunidade em desfile
Cultura
Sesc Cultura terá sessões de cinema com produções de MS
Cultura
Carnaval é lançado oficialmente na sexta-feira
Cultura
Capital sedia festival de Rock 100% dedicado à música autoral local
Cultura
Desfile das escolas de samba será dia 4 e 5 de março
Cultura
Completando 26 anos, bloco “As Depravadas” pede muito amor nesse carnaval
Cultura
Mara Caseiro assume a Fundação Cultura

Mais Lidas

Geral
Imagens fortes: Mulher perde 80% do lábio inferior após ser mordida em briga
Polícia
No centro, homem tenta fotografar partes íntimas de mulher
Polícia
Mulher é espancada após negar manter relações sexuais com marido
Polícia
Em briga na cela, presidiário fura olho de outro