Menu
Busca quinta, 28 de outubro de 2021
(67) 99647-9098
TJMS outubro21
Cultura

Premiado nacionalmente, espetáculo 'Faladores' é atração do Cena Som Especial

30 agosto 2012 - 11h32Ed Félix

É realizado hoje e amanhã (30 e 31) uma edição especial do projeto "Cena Som", com o espetáculo de música e dança "Faladores", da Cia. Mario Nascimento. A apresentação acontece às 20 horas, no Teatro Aracy Balabanian do Centro Cultural José Octávio Guizzo (CCJOG). O evento tem classificação livre e duração aproximada de 60 minutos.

Faladores aborda o tema "Oralidade", trazendo para a cena diversas formas de comunicação através do som, da música, da palavra, poesia, dança, ação e movimento. A necessidade do homem em se expressar e, apesar das barreiras, se fazer entender. A arte como seu principal objetivo: comunicar. A oralidade como performance e a performance como definição de comunicação, dando ênfase à natureza da linguagem oral e gestual. O gesto e a palavra como sensações humanas e forma eficaz de comunicação poética e dramática.

Em cena, seis artistas influenciados pela dança, música e teatro, buscam dialogar entre si e com o público, utilizando a arte como seu meio de comunicação. O espetáculo conta com direção e coreografia de Mário Nascimento, trilha sonora composta por Fábio Cárdia e assistência de direção e de coreografia de Rosa Antuña. É patrocinado pela Petrobrás, através do Programa Petrobras Cultural e da Lei de Incentivo à Cultura do Governo Federal.

Em 2008 a Cia. Mario Nascimento iniciou uma turnê com mais de 60 apresentações pelo Brasil e foi contemplada com importantes prêmios SESC/SATED 2009 por este trabalho: melhor espetáculo, melhor trilha sonora original (Fábio Cardia) e melhores bailarinos (Rosa Antuña e José Villaça). Também conquistou o Prêmio Usiminas/SIMPARC 2009 de melhor espetáculo; melhor concepção coreográfica (Mário Nascimento) e melhor bailarino (José Villaça).

O grupo pesquisou uma “linguagem” própria de comunicação com códigos sonoros e criação de palavras – Eh momoá! A xi a ché! – num dialeto inventado, o “momoês”, que transita pelo espetáculo assim como o português, alemão, inglês, espanhol e francês.

O trabalho em seu processo de construção buscou fundamentos teóricos e conceituais em autores como Paul Zumthor (“Performance, Recepção e Leitura”) e Yoshi Oida (“O Ator Invisível”). O espetáculo, inclusive, registra um pequeno trecho do capítulo 4 – A Fala – do livro de Oida.

A Cia. Mário Nascimento, em seus 14 anos de existência, tem sua pesquisa de linguagem sustentada pelas conexões entre música e dança. Um trabalho permeado pelo universo da dança contemporânea, dança de rua, teatro físico, artes marciais, poesia e voz como recurso cênico sonoro.

Foi criada em São Paulo, em 1998, pelo coreógrafo Mário Nascimento e o compositor Fábio Cardia. Estreou seu primeiro trabalho “Escapada” no Centro Cultural São Paulo. A obra deu a Nascimento o prêmio APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte - 1998) como melhor coreógrafo. A dupla seguiu em turnê pela Alemanha, com apresentações em Hamburgo, no Teatro B 12, na Bienal de Essen e em Colônia, no Teatro Zeigen Tanztheater, obtendo críticas favoráveis em importantes jornais como Morgen Post e Bergedorfer Zeitung.

Em 2000, o Centro Cultural São Paulo também deu lugar à estreia do trabalho seguinte da Cia. MN: “Trovador”. No elenco Kiko Ribeiro, bailarino e percussionista pernambucano e o músico paulista Renato Gimenes. A mudança da Cia. para Belo Horizonte (MG) ocorreu em 2002 e contou com o apoio logístico da Fundação Clóvis Salgado (Palácio das Artes). Em 2004 com o prêmio Rumos Dança Itaú Cultural, a Cia. criou o espetáculo “Escambo”, com trilha sonora de Fábio Cardia e estreou no Teatro Itaú Cultural. “Escambo” rendeu no 1° Prêmio Usiminas / SINPARC-2004, em Belo Horizonte, os prêmios de melhor coreógrafo a Nascimento, melhor bailarina a Rosa Antuña e bailarinos revelação a Cristiano Bacelar e Thaís França.

Em 2005, a Cia. MN criou o espetáculo “Do Ritmo ao Caos”, que estreou no Fórum Internacional de Dança no Teatro Sesiminas, em Belo Horizonte. Prêmio Usiminas/SINPARC - 2005 para Aretha Maciel como melhor bailarina. Estreou ainda o espetáculo “O Rebento” no SESC Santana, em São Paulo, com o apoio do Prêmio Funarte de Dança Klauss Vianna, em 2007.

Em 2010, remontou o espetáculo “Escapada”, que conquistou o Prêmio Usiminas/SINPARC 2011 de Melhor Trilha Sonora. Em 2011 a Cia apresentou “Território Nu”, através do Incentivo do Fórum Internacional de Dança de Minas Gerais. Este trabalho recentemente foi premiado como Melhor Espetáculo de Dança de MG em 2011, através do SINPARC -MG.

Serviço
Os ingressos têm valor de R$ 15,00 (inteira) e R$ 7,50 (meia) e podem ser adquiridos 1 hora antes do início do espetáculo. A meia-entrada é valida para estudantes, professores, doadores de sangue e idosos (acima de 60 anos), com a apresentação de seu respectivo comprovante.

Outras informações podem ser obtidas pelo telefone 3317-1795 do Centro Cultural José Octávio Guizzo, que fica localizado na Rua 26 de Agosto, 453, entre a Calógeras e a 14 de Julho.

Via Notícias MS

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cultura
Halloween: Restaurantes, bares e casas noturnas apostam em competição de fantasias
Cultura
Vídeo: Milton Nascimento supostamente anuncia adeus aos palcos para o próximo ano
Cultura
Loja da fábrica da Cervejaria Louvada chega a Campo Grande
Cultura
Governo lança campanha para apoiar atividades circenses
Cultura
Nova cervejaria aposta em estilo medieval, Taproom e expediente em horário comercial
Cultura
Tão aguardada, 'Verdades Secretas 2' estreia na próxima quarta-feira
Cultura
Festival Universitário da Canção tem prêmios de até R$ 8 mil
Cultura
Após um ano e meio sem shows, Gal Costa se apresenta hoje na Capital
Cultura
Prefeitura abre licitação para terminar 1ª etapa do Centro Belas Artes
Cultura
Comemoração do Dia das Crianças tem programação especial na Capital

Mais Lidas

Brasil
Crianças de 2 e 4 anos morrem carbonizadas; irmão de 16 anos assumiu o crime
Polícia
Homem de 31 anos morre após se engasgar com pedaço de carne
Saúde
“Aqui não é lanchonete”, diz médica a paciente em hospital da Capital
Brasil
Crime manda baixar gasolina