Menu
Busca quinta, 23 de setembro de 2021
(67) 99647-9098
TJMS setembro21
Economia

Americanos cogitam criar moeda de US$ 1 trilhão contra crise

08 janeiro 2013 - 11h16Reprodução

Uma moeda de US$ 1 trilhão pode ser a solução para a crise que envolve o teto de endividamento dos Estados Unidos? Segundo a CNN, que usa a ironia para tratar da atual situação do país ("Isso mesmo. Nenhum problema com teto da dívida. Sem brigas no Congresso. Não há nervosismo no mercado. A única coisa necessária é o Departamento do Tesouro cunhar uma moeda de platina com um valor de US$ 1 trilhão"), essa é uma alternativa sendo cogitada por alguns especialistas e até congressistas.

Segundo a CNN, enquanto Obama diz que não vai negociar um aumento do teto da dívida dos Estados Unidos, os republicanos brigam por isso. Debate sobre debate, a moeda seria uma opção para evitar o default; pagar a dívida e auxiliar na crise que o país vive.

Alguns economistas dizem que é uma opção melhor do que não pagar a dívida e a moeda ainda pode ser considerada legal. A moeda seria uma opção à impressão de notas para completar US$ 1 trilhão porque nos EUA existe um limite de impressão de novas cédulas e também um valor máximo permitido para colocá-las em circulação. Além disso, a moeda precisaria ser de platina, pois a legislação americana não estipula limite de valores para esse tipo de material - o que ocorre com ouro e prata, por exemplo.

A ideia é que a moeda poderia ser depositada no Federal Reserve (FED, banco central americano) e como nunca entraria em circulação, não causaria inflação. Porém, alguns especialistas dizem que essa é uma alternativa de curto prazo e não resolveria a dívida americana. Outros criticam a medida completamente, dizendo que ela não trata do principal problema do país, que é de financiamento. A Casa Branca não se pronunciou à CNN.

Entenda
No 1º dia deste ano, o Congresso americano informou que país ultrapassou o limite de endividamento de US$ 16,39 trilhões (aproximadamente R$ 32,40 trilhões) autorizado pelos parlamentares. Por isso, uma série de medidas de emergência foram iniciadas para manter financiadas as atividades do governo a curto prazo e evitarão que os Estados Unidos vejam inviabilizada a possibilidade de realizar pagamentos. As medidas possibilitariam ao país economizar cerca de US$ 200 bilhões.

O aviso foi feito em meio ao debate sobre o "abismo fiscal", enquanto Câmara dos Deputados, Senado e Casa Branca tentam chegar a um acordo, afim de evitar cortes em todas as despesas do governo e o fim das isenções de impostos que já duram uma década.

O presidente Barack Obama procurou separar a discussão em torno do orçamento deficitário dos EUA e com as que rodeiam o endividamento nacional. Os republicanos, no entanto, querem vinculá-las, apontando que não adianta resolver o problema da dívida se não houver ajuste orçamentário.

A dívida nacional dos EUA atualmente é maior que o Produto Interno Bruto (PIB) do país. O "abismo fiscal" é consequência, precisamente, de um acordo no Congresso em 2011 seguido de outra disputa sobre o aumento do limite do endividamento dos Estados Unidos e que trouxe a primeira degradação da qualificação do crédito do país.

Em julho de 2011, encorajados por uma facção conservadora em sua bancada da Câmara dos Deputados, os republicanos se negaram a aumentar o limite de endividamento exigindo que o Governo de Obama aceitasse em troca cortes equivalentes nas despesas, especialmente os dos serviços sociais, educação e saúde.

No final, o Congresso autorizou uma alta no endividamento, mas postergou a solução mais ampla ao problema da dívida e do déficit fiscal - de US$ 1 trilhão anuais - até após o pleito de novembro, imaginando vencer as eleições presidenciais e o fortalecimento da sua representação no Congresso.

O Governo de Obama - que herdou um déficit gerado durante uma década de guerras financiadas com dívida - propôs uma redução seletiva de despesas e aumentos de impostos para equilibrar as contas do Governo federal.

A regra de 2011 estipulou que, se não houvesse compromisso bipartidário sobre a redução equilibrada do déficit em 2012, em 1º de janeiro de 2013 entrariam em vigor cortes drásticos em todas as áreas de despesas do Governo, acabando, por exemplo, com seguro-desemprego, para 2,3 milhões de pessoas.

Via Terra

Unica - inverno

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Em protesto contra a fome, MSTS faz ocupação em prédio de bolsa de valores
Economia
Mega-Sena acumula em R$ 7 milhões, 34 moradores de MS acertaram a quadra
Economia
Caixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em março
Economia
Pesquisa divulgada pelo Procon mostra variação de preços dos produtos da Csta básica
Economia
Fiems recebe delegação paraguaia para rodada de negócios
Economia
Caixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em fevereiro
Economia
Auxílio emergencial: nascidos em janeiro recebem 6ª parcela
Economia
Possível calote em empresa chinesa faz bolsas despencarem
Economia
Decreto regulamenta reconhecimento de dívidas da União junto à Caixa
Economia
Trabalhadores nascidos em dezembro podem sacar auxílio emergencial

Mais Lidas

Geral
Vídeo: "Peixe de bosteiro", morador de rua engana população de Paranaíba
Polícia
Menino de 2 anos mata prima atropelada após dar partida em carro
Polícia
Funcionários da Energisa ficam sob mira de arma ao tentar podar árvores na Vila Olinda
Polícia
Operação “Dark Money” investiga desvio de R$ 23 milhões no esquema de corrupção em Maracaju