Menu
Busca terça, 26 de maio de 2020
(67) 99647-9098
TJ MS maio20
Economia

Caixa vai estender pausa para pagar prestação de imóvel, diz Bolsonaro

Mais de 2,3 milhões de cleintes já solicitaram a pausa ao banco

14 maio 2020 - 12h11Priscilla Porangaba, com informações da Caixa Econômica Federal

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira (14) que a Caixa Econômica Federal vai estender por mais um mês a pausa emergencial para o pagamento de financiamentos habitacionais.

Segundo o presidente, dos 5 milhões de clientes do crédito imobiliário, mais de 2,3 milhões já solicitaram a pausa ao banco.

“As pessoas não têm dinheiro para pagar a prestação da casa própria”, disse ele, ao deixar o Palácio da Alvorada. No primeiro momento, como medida de socorro financeiro pelos impactos da pandemia de covid-19, a Caixa anunciou uma pausa de até dois meses para o pagamento das prestações, depois prorrogou por mais um mês e agora, segundo Bolsonaro, a pausa será ampliada para quatro meses.

De acordo com a Caixa, só têm direito ao benefício os contratos que estão em dia ou com, no máximo, duas prestações atrasadas. O cliente que tem três ou mais parcelas em atraso deve fazer uma renegociação com o banco.

Para o presidente, entretanto, para que a medida funcione, é preciso garantir a renda e o emprego dos trabalhadores. Bolsonaro defende o isolamento social apenas para as pessoas do grupo de risco da covid-19 e o fim do isolamento para toda a população. Com a retomada das atividades e do comércio, segundo ele, haverá demanda para as indústrias voltarem a produzir e gerar empregos.

“Não adianta apenas prorrogar [o pagamento] se o cidadão que perdeu o emprego, teve salário reduzido, não tem como pagar a prestação da casa própria. O que está sobrando de dinheiro pra ele está sendo pra comida”, disse. “O Brasil está quebrando e, depois de quebrar, a economia não se recupera. Vamos ser fadados a ser um país de miseráveis. Temos que ter coragem de enfrentar o vírus. Está morrendo gente? Está, lamento. Mas vai morrer muito mais se a economia continuar sendo destroçada por essas medidas”, ressaltou.

Autoridades de saúde orientam a população e os governos a adotar as medidas de isolamento e distanciamento social como forma de prevenção à disseminação do novo coronavírus.

Como ainda não há vacina nem remédio, comprovado cientificamente, contra a covid-19, a orientação visa a frear a transmissão do vírus para evitar que os sistemas de saúde fiquem sobrecarregados e consigam atender a todas as pessoas que venham a ficar doentes.

Bolsonaro fez um apelo aos governadores para que revejam a política de fechamento do comércio e disse que está pronto para conversar. “O Brasil está se tornando um país de pobres. Vai chegar um ponto que o caos vai se fazer presente aqui. Essa história de lockdown, de fechar tudo, não é esse o caminho, esse é o caminho do fracasso, de quebrar o Brasil”, afirmou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Câmara aprova Refis com 100% de desconto em juros e multas
Economia
Caixa paga segunda parcela de auxílio emergencial nesta terça
Economia
Prefeitura da capital abre inscrições para feira online de artesanatos
Economia
Ao Vivo - Prefeitura apresenta balanço das finanças deste ano
Economia
33% dos negócios comandados por mulheres faliram durante pandemia
Educação
MEC adia prazo de inscrição do Enem para 23h59 de quarta-feira, 27 de maio
Economia
Itaú aprovou mais de R$ 5 bi em empréstimos novos para 300 mil clientes
Economia
Guedes estuda nova versão da Carteira Verde Amarela para retomar empregos
Economia
Empresários lançam movimento para fortalecer economia em MS
Economia
Governo avalia prorrogar auxílio emergencial

Mais Lidas

Política
Ajuda: MS envia 4,3 mil medicamentos ao Amapá
Cidade
Veja os bairros onde o fumacê contra o Aedes Aegypti passará nesta tarde
Polícia
Foragido é esfaqueado no Aero Rancho e morre na santa Casa
Política
Weintraub terá que explicar ao Senado ataques ao STF