Menu
Busca segunda, 19 de agosto de 2019
(67) 99647-9098
Economia

Cesta básica registra acréscimo de 1,72% em março

01 abril 2011 - 10h25
Campo Grande (MS) – O custo da Cesta Básica Alimentar Individual em Campo Grande registrou um acréscimo de 1,72% no mês de março em relação ao mês anterior. De acordo com a pesquisa da Secretaria Estadual de Meio Ambiente, do Planejamento, e da Ciência e Tecnologia (Semac), no terceiro mês do ano o conjunto de 15 itens de gêneros alimentícios básicos necessários ao consumo de um indivíduo custou R$ 252,08; em fevereiro, esse valor foi de R$ 247,81. As variações acumuladas registraram percentuais positivos: nos últimos 12 meses, 10,81%; nos últimos seis meses, 16,28%, e no acumulado do ano, a cesta básica subiu 5,50%. No mês de março seis produtos registraram alta. O tomate, mais uma vez, lidera a elevação de custo, com índice de 9,19%. Também tiveram acréscimo: alface, 6,37%; batata, 5,51%; carne, 1,87%; óleo, 1,66% e arroz, 0,76%. Quatro produtos acusaram queda de preço: feijão, 7,26%; macarrão, 4,31%; margarina, 2,66%; e banana, 0,68%. Pão, sal, laranja e leite mantiveram seus preços inalterados. A avaliação dos pesquisadores indica que a variação climática, com muitas chuvas no período, prejudicou as lavouras do tomate - fazendo o produto se manter na liderança de altas, a exemplo da pesquisa anterior – e também da alface. Os estoques no mercado interno do feijão continuam elevados devido à concentração da colheita que aumentou seu volume, ocorrendo assim queda de preço de 7,26%. E, com a falta de promoção nos estabelecimentos pesquisados, o macarrão retornou ao seu preço normal, o que causou aumento de preço de 4,31%. Semestre A pesquisa da Semac também avalia o acumulado de preços. Nos últimos seis meses, os produtos que apresentaram maiores altas foram: tomate, alface, açúcar, laranja, banana e óleo. Em queda, se destacam: feijão, arroz, batata, macarrão e leite. A boa notícia é que o arroz e o feijão pelo segundo mês consecutivo estão entre os produtos de maiores reduções – os dois produtos são os de maior peso de consumo nos hábitos alimentares dos brasileiros. Quanto à renda mensal, a pesquisa constatou que o trabalhador que recebe um salário mínimo de R$ 545,00 comprometeu em março 46,25% do seu salário para aquisição da Cesta Alimentar (um pouco a mais que no mês anterior, quando o comprometimento representava 45,89%). Família A Semac também pesquisa mensalmente o custo da Cesta Básica recomendada para uma família com cinco indivíduos. Em março a cesta familiar (com 32 produtos de alimentação, cinco produtos de higiene pessoal e sete produtos de limpeza doméstica) registrou a importância de R$ 1.079,69, o que equivale a uma variação positiva de 1,78% em relação ao levantamento de fevereiro, quando o custo foi de R$ 1.060,79. Quanto à variação acumulada, a alta é de 7,31% nos últimos doze meses; 9,83% nos últimos seis meses, e de 3,83% nestes primeiros meses de 2011. Entre os 44 produtos pesquisados que compõem a Cesta Familiar, 25 apresentaram alta, seis tiveram queda de preço, e 13 produtos mantiveram seu preço inalterado. No grupo Alimentação, a pesquisa constatou a alta de 1,95%, sendo os principais produtos em alta: cenoura 12,14%; abobrinha 10,38%; cebola 10,00%; tomate 9,20%; mamão 7,25%; alface 6,37%; batata 5,51%; mandioca 4,81% e ovos 4,39%. Os produtos em queda foram: feijão, 7,21%; macarrão, 4,30%; margarina, 2,74%; doces, 1,50%; banana, 0,72%; manteiga, 0,28%; e alho, 0,22%. Os produtos que não registraram alteração de preços foram: pão francês, pão doce, açúcar, sal, laranja e leite. A safra da cenoura 12,14% e da abobrinha 10,38% tiveram menor produtividade devido às chuvas em excesso ocorridas no período com o menor volume no mercado interno, aumentando seus preços. A margarina registrou queda de preço de 2,74% devido ao menor consumo, o que aumenta o volume no mercado interno, pressionando seu preço. Ofertas de algumas marcas de doces foram as responsáveis pela queda do produto em 1,50%. O grupo Higiene Pessoal registrou uma variação positiva de 0,06%. Os produtos que colaboraram para esta alta foram: dentifrício, 2,22%; lâmina de barbear, 1,17%; e absorvente, 0,53%. Os produtos que reduziram de preço foram: papel higiênico, 2,86% e sabonete, 1,49%. No grupo Limpeza Doméstica, a pesquisa assinalou uma queda de 1,09%, destacando os seguintes produtos: sabão (pó), 3,18%; detergente, 2,00% e esponja de (aço), 1,50%. Os produtos que registraram altas foram: desinfetante, 3,98%; sabão em barra, 1,52%; água sanitária, 0,67%; e cera 0,12%. Fonte: Notícias MS
Prefeitura - Niver CG

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Abertura de empresas tem melhor resultado desde 2013 em MS
Economia
Caixa e BB iniciam pagamento de cotas do PIS/Pasep
Economia
Com recursos bloqueados, Exército pode cortar um terço dos recrutas
Economia
PIS/Pasep para nascidos em agosto já está liberado
Economia
Instituições reduzem previsão para déficit nas contas públicas
Economia
IBGE divulga queda da taxa de desemprego no país
Economia
Receita paga restituições do 3º lote do IR 2019 nesta quinta
Economia
Economia tem alta de 0,2% no segundo trimestre
Economia
Maracaju ganha parceiro comercial de renome mundial
Economia
Nelsinho associa Bioceânica com crescimento econômico

Mais Lidas

Polícia
Ossada de desaparecido há um ano, é encontrada e reconhecida por família
Polícia
Vídeo - Motociclista bate em ônibus e morre no local
Internacional
Homem bomba mata 63 pessoas em festa de casamento
Polícia
Polícia encontra ponto de venda de drogas em falsa empresa de reciclagem