Menu
Busca sexta, 22 de janeiro de 2021
(67) 99647-9098
Governo Futebol
Economia

Cesta básica registra acréscimo de 1,72% em março

01 abril 2011 - 10h25
Campo Grande (MS) – O custo da Cesta Básica Alimentar Individual em Campo Grande registrou um acréscimo de 1,72% no mês de março em relação ao mês anterior. De acordo com a pesquisa da Secretaria Estadual de Meio Ambiente, do Planejamento, e da Ciência e Tecnologia (Semac), no terceiro mês do ano o conjunto de 15 itens de gêneros alimentícios básicos necessários ao consumo de um indivíduo custou R$ 252,08; em fevereiro, esse valor foi de R$ 247,81. As variações acumuladas registraram percentuais positivos: nos últimos 12 meses, 10,81%; nos últimos seis meses, 16,28%, e no acumulado do ano, a cesta básica subiu 5,50%. No mês de março seis produtos registraram alta. O tomate, mais uma vez, lidera a elevação de custo, com índice de 9,19%. Também tiveram acréscimo: alface, 6,37%; batata, 5,51%; carne, 1,87%; óleo, 1,66% e arroz, 0,76%. Quatro produtos acusaram queda de preço: feijão, 7,26%; macarrão, 4,31%; margarina, 2,66%; e banana, 0,68%. Pão, sal, laranja e leite mantiveram seus preços inalterados. A avaliação dos pesquisadores indica que a variação climática, com muitas chuvas no período, prejudicou as lavouras do tomate - fazendo o produto se manter na liderança de altas, a exemplo da pesquisa anterior – e também da alface. Os estoques no mercado interno do feijão continuam elevados devido à concentração da colheita que aumentou seu volume, ocorrendo assim queda de preço de 7,26%. E, com a falta de promoção nos estabelecimentos pesquisados, o macarrão retornou ao seu preço normal, o que causou aumento de preço de 4,31%. Semestre A pesquisa da Semac também avalia o acumulado de preços. Nos últimos seis meses, os produtos que apresentaram maiores altas foram: tomate, alface, açúcar, laranja, banana e óleo. Em queda, se destacam: feijão, arroz, batata, macarrão e leite. A boa notícia é que o arroz e o feijão pelo segundo mês consecutivo estão entre os produtos de maiores reduções – os dois produtos são os de maior peso de consumo nos hábitos alimentares dos brasileiros. Quanto à renda mensal, a pesquisa constatou que o trabalhador que recebe um salário mínimo de R$ 545,00 comprometeu em março 46,25% do seu salário para aquisição da Cesta Alimentar (um pouco a mais que no mês anterior, quando o comprometimento representava 45,89%). Família A Semac também pesquisa mensalmente o custo da Cesta Básica recomendada para uma família com cinco indivíduos. Em março a cesta familiar (com 32 produtos de alimentação, cinco produtos de higiene pessoal e sete produtos de limpeza doméstica) registrou a importância de R$ 1.079,69, o que equivale a uma variação positiva de 1,78% em relação ao levantamento de fevereiro, quando o custo foi de R$ 1.060,79. Quanto à variação acumulada, a alta é de 7,31% nos últimos doze meses; 9,83% nos últimos seis meses, e de 3,83% nestes primeiros meses de 2011. Entre os 44 produtos pesquisados que compõem a Cesta Familiar, 25 apresentaram alta, seis tiveram queda de preço, e 13 produtos mantiveram seu preço inalterado. No grupo Alimentação, a pesquisa constatou a alta de 1,95%, sendo os principais produtos em alta: cenoura 12,14%; abobrinha 10,38%; cebola 10,00%; tomate 9,20%; mamão 7,25%; alface 6,37%; batata 5,51%; mandioca 4,81% e ovos 4,39%. Os produtos em queda foram: feijão, 7,21%; macarrão, 4,30%; margarina, 2,74%; doces, 1,50%; banana, 0,72%; manteiga, 0,28%; e alho, 0,22%. Os produtos que não registraram alteração de preços foram: pão francês, pão doce, açúcar, sal, laranja e leite. A safra da cenoura 12,14% e da abobrinha 10,38% tiveram menor produtividade devido às chuvas em excesso ocorridas no período com o menor volume no mercado interno, aumentando seus preços. A margarina registrou queda de preço de 2,74% devido ao menor consumo, o que aumenta o volume no mercado interno, pressionando seu preço. Ofertas de algumas marcas de doces foram as responsáveis pela queda do produto em 1,50%. O grupo Higiene Pessoal registrou uma variação positiva de 0,06%. Os produtos que colaboraram para esta alta foram: dentifrício, 2,22%; lâmina de barbear, 1,17%; e absorvente, 0,53%. Os produtos que reduziram de preço foram: papel higiênico, 2,86% e sabonete, 1,49%. No grupo Limpeza Doméstica, a pesquisa assinalou uma queda de 1,09%, destacando os seguintes produtos: sabão (pó), 3,18%; detergente, 2,00% e esponja de (aço), 1,50%. Os produtos que registraram altas foram: desinfetante, 3,98%; sabão em barra, 1,52%; água sanitária, 0,67%; e cera 0,12%. Fonte: Notícias MS

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Repasses a municípios de MS cresceram 10% em 2020
Economia
Governo autoriza cessão da Gruta do Lago Azul ao município de Bonito
Economia
Governo federal lança sistema para simplificar a abertura de empresas
Economia
Nascidos em setembro podem sacar parcela do auxílio nesta quarta
Economia
Pagamento do calendário 2021 do Bolsa Família começa nesta segunda
Economia
Caixa libera saque do auxílio emergencial para nascidos em agosto
Economia
Mega-Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 17 milhões
Economia
Depois de 17 anos, Paulo Ponzini volta à Presidência do Corecon-MS
Economia
Número de pessoas inadimplentes cai no fim de 2020
Economia
A partir desta quinta, gás de cozinha vai ficar 6% mais caro

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio