Menu
Busca terça, 10 de dezembro de 2019
(67) 99647-9098
TJMS Dezembro-19
Economia

Com Selic em queda, poupança pode passar a render menos que a inflação

Os rendimentos da poupança são 70% da Selic, mais a Taxa Referencial (TR), está zerada

17 novembro 2019 - 09h35Priscilla Porangaba, com informações da Agência Brasil

Com a taxa básica de juros, a Selic, em queda, os rendimentos da poupança devem perder para a inflação. Isso pode acontecer porque os rendimentos da poupança são 70% da Selic, mais a Taxa Referencial (TR), que está zerada.

Atualmente, a Selic está em 5% ao ano e o Banco Central já sinalizou que a taxa deve cair em dezembro para 4,5% ao ano e encerrar 2020 nesse patamar. Com isso, os rendimentos da poupança vão passar de 3,5% para 3,15% ao ano. Já a inflação, calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), deve fechar 2019 em 3,31% e 2020, em 3,60%, de acordo com estimativas do mercado financeiro.

Se for considerada a previsão mensal, a inflação deve chegar a 0,36%, em novembro, e a 0,35%, em dezembro, enquanto a poupança vai render 0,29% ao mês, com a Selic em 5%, e 0,26% ao mês, se a taxa básica cair para 4,5% ao ano.

Os investidores que têm poupança antiga e não retiraram os recursos recebem rendimentos maiores. Isso porque todos os depósitos feitos até 3 de maio de 2012 rendem 0,5% ao mês (ou 6,17% ao ano), mais TR. A partir de 4 de maio de 2012, a nova regra de cálculo da poupança passou a ser 70% da Selic mais TR, sempre que a taxa estiver abaixo ou igual a 8,5% ao ano. Acima de 8,5% ao ano, o rendimento é 0,5% ao mês mais TR.

O diretor executivo de Estudos e Pesquisas Econômicas da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), Miguel José Ribeiro de Oliveira, afirma que essa nova realidade de a poupança render pouco veio para ficar. “É uma realidade porque os juros vão ficar baixos.

Vão cair de novo agora no mês de dezembro, possivelmente para 4,5% ao ano. Isso quer dizer que a poupança vai render 3,15% ao ano. E já começa a ser um problema porque esse rendimento deve ser menor que a inflação”, disse.

“Vamos passar aqui no Brasil pelo que aconteceu nos Estados Unidos e na Europa. Nessas economias, os juros eram altos. As pessoas aplicavam em renda fixa. Havia investimentos garantidos e altos. Só que as taxas de juros foram caindo e aí reverteu a situação - a maioria dos americanos e europeus atualmente aplica na bolsa de valores. Vamos ter esse cenário no Brasil - quem quer maior rentabilidade vai ter que assumir risco”, disse.

PMCG - Cidade do Natal

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Receita abre consulta ao 7º lote de restituição do IRPF
Economia
Melhoria na logística da MS-306 gera desenvolvimento econômico
Economia
Industria brasileira de aço reclama de Trump
Economia
Refis Natalino ultrapassa meta e arrecada mais de R$ 15 mi
Economia
Dólar da trégua e tem queda semanal
Economia
Guedes diz que não há razão para pessimismo no Brasil
Economia
Refis Natalino: Por causa do movimento, senhas serão entregues até as 18h
Economia
Último dia de Refis Natalino deve atender 3 mil pessoas
Economia
Refis Natalino tem atendimento ampliado
Economia
Setor produtivo traz especialista para debater reforma da previdência de MS

Mais Lidas

Geral
Silvio Haddad lança livro sobre vinhos nesta terça
Brasil
''Forças Armadas garantem a democracia'', diz Bolsonaro
Política
Dagoberto chama manifestante de "maluco" e diz que projeto ainda não foi votado
Polícia
Fazendeiro é avisado por telefonema que sua vaca foi abatida e roubada