Menu
Busca domingo, 19 de setembro de 2021
(67) 99647-9098
TJMS setembro21
Economia

Dilma manda equipe defender política fiscal

06 novembro 2013 - 10h23Via Folha
Para enfrentar críticas ao desempenho dos gastos públicos federais, Dilma Rousseff determinou que sua equipe se empenhe na defesa da política fiscal, um debate em que o governo se ressente de ter sido "abandonado" pelo setor produtivo.

Nos bastidores, integrantes do primeiro escalão dizem que o Executivo promoveu uma agressiva agenda de desonerações a pedido de empresários e que isso pesou no superavit primário (economia para abater a dívida pública).

Argumentam que, à época do início das reduções de tributos, em 2011, vários representantes do mercado diziam aceitar um desempenho fiscal menor desde que o gasto privilegiasse investimentos e estímulos ao setor produtivo.

Diante das críticas, acentuadas na semana passada após a frustrante performance do superavit primário de janeiro a setembro - queda de 49% -, os principais ministros da Esplanada entraram em campo. Para cumprir a meta, o governo terá de economizar R$ 45 bilhões até dezembro, missão considerada árdua pelo mercado.

Tanto o titular da Fazenda, Guido Mantega, como a da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, vieram a público repetir, com números, não haver alarme fiscal à vista.

Nas declarações, dizem que a dívida pública segue estável e que não houve aumento de despesas com pessoal durante os três anos de Dilma na Presidência da República.

Na visão do Executivo, as desonerações devem gerar impacto de R$ 80 bilhões neste ano e explicam, ao lado do fraco crescimento do PIB, o resultado inferior.

Culpa da imprensa
Enquanto, reservadamente, interlocutores presidenciais afirmam serem "injustas" as críticas dos operadores de mercado, o secretário do Tesouro, Arno Augustin, declarou ao jornal Estado de S. Paulo que a política fiscal brasileira está "sob ataque especulativo", atribuindo à imprensa esse ataque.

No empresariado, a crítica é que as desonerações foram dirigidas a setores específicos da economia e não geraram o impacto desejável de fazer a economia crescer.

A necessidade de fazer uma defesa mais enfática da agenda econômica partiu de conclusão, feita pela cúpula do governo e demais conselheiros políticos - Lula à frente -, segundo a qual é preciso evitar que o noticiário negativo contamine a expectativa de futuro do eleitor.

Segundo a Folha, esse posicionamento é embasado em pesquisas internas.

Embora os resultados sejam positivos, afirmam interlocutores, o grupo enxergou nas sondagens elementos que indicam risco de pessimismo maior em relação ao futuro, daí a ordem de fazer o "enfrentamento" por meio da mídia.
Unica - inverno

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Governo cogita possibilidade de volta do horário de verão
Economia
Beneficiários do Bolsa Família começam a receber 6ª parcela do auxílio
Economia
Trabalhadores nascidos em novembro podem sacar auxílio emergencial
Economia
Projeto do Governo para reduzir conta de energia é aprovado na Assembleia
Economia
Motoristas de apps vão ter incentivos, o que deve melhorar a vida dos passageiros
Economia
Trabalhadores nascidos em outubro podem sacar auxílio emergencial
Economia
Procon-MS devolve quase meio milhão a consumidor no primeiro semestre de 2021
Economia
Trabalhadores nascidos em setembro podem sacar auxílio emergencial
Economia
Funcionário diz que JBS está sem realizar abate
Economia
Segundo Ministro das Comunicações, tecnologia 5G pode trazer U$ 1,2 tri em investimentos

Mais Lidas

Polícia
Homem encontra pênis decepado dentro de pote no jardim da casa da mãe
Saúde
Com 8 meses de vacinação, MS é o 1º Estado a atingir imunidade coletiva
Polícia
Homem encontra o pai morto em avançado estado de decomposição na Vila Carvalho
Brasil
Homem coloca fogo em casa com ex-mulher e filhos dentro