Menu
Busca terça, 22 de setembro de 2020
(67) 99647-9098
TJMS setembro20
Economia

Economista aponta três fatores para aumento no preço dos alimentos

Medidas adotadas durante a pandemia demontram influência frente a alta dos preços de alimentos e bebidas

11 setembro 2020 - 13h15Sarah Chaves

Nas últimas semanas o consumidor brasileiro vem observando o aumento dos preços de alimentos de itens básicos, e de acordo com o coordenador do Laboratório de Eficiência e Inovação na Gestão de Mato Grosso do Sul (LAB/GEIMS), professor da Universidade Estadual do MS e doutor em economia Mateus Boldrine Abrita, o aumento está relacionado a três fatores.

Conforme explica Mateus, a alta nos preços pode ser analisada inicialmente pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), onde a taxa de inflação está abaixo da meta do Banco Central do Brasil, mas há um porém. “Uma das explicações é que o índice de inflação é uma média, e nesta conta temos preço subindo e outros caindo, no último IPCA divulgado, temos deflação, ou seja, recuo nos preços em educação, vestuário e despesas pessoais,  por outro lado aumento em transportes, alimentação e bebidas, além de habitação”, alega o economista.

“Assim alimentos e gasolina puxaram a inflação para cima, em 12 meses isso fica muitos mais claro. Enquanto a  inflação geral subiu apenas 2,44%, os grupo alimentos e bebidas subiu 11,4%.Então, como a maioria das pessoas adquiriu mais bens e serviços de transportes e alimentação, é natural que a percepção de aumento dos preços fica mais forte”.

Por trás das altas

De acordo com Mateus, múltiplos fatores afetam o fenômeno.

- Com a pandemia ocorreram mudanças de hábitos, e há uma procura muito maior de itens de alimentação básica para cozinhar em casa.

- O auxílio emergencial impulsionou o poder de compra de boa parte da população. Entre abril e agosto o governo injetou em torno de R$ 173 bilhões na economia através do auxílio, evidenciando a importância do auxilio para os mais vulneráveis.

- O real mais fraco frente ao dólar  incentiva a exportação dos produtos e pressiona os preços para cima.

No caso especifico do arroz, existe uma alta internacional no produto, onde muitos países produtores tiveram dificuldades com relação a pandemia com restrição da mão de obra e interrupção na exportação.

Além disso alguns países começaram a fazer estoque, o que pressionou os preços a nível internacional.

Questionado pelo JD1 Notícias sobre a alta nas importações na pandemia, Mateus explicou que. “Exportações no geral não subiram na pandemia, já as importações dispencaram. Isso gerou um superávit muito grande. Mas não necessariamente pelo aumento das exportações, mas sim pelas importações terem desabado”.

Rota Bioceânica como incentivo à exportação

Segundo o doutor, a Rota deve favorecer as exportações de produtos que já somos competitivos e torna-los ainda mais competitivos. Como commodities.

“Nesse contexto, o Corredor Bioceânico, também conhecido como Rota de Integração Latino-Americana (Rila), que busca diminuir a distância entre Brasil, Paraguai, Argentina e Chile em relação a Ásia, constitui uma janela de oportunidade para o desenvolvimento. Pode contribuir para elevação da competitividade do setor produtivo, reduzir custo e tempo, fomentar o turismo e a economia criativa e suscitar um movimento de carga e de passageiros mais eficaz”.

A Rota de Integração Latino Americana (RILA), ou Rota Bioceânica, é um corredor rodoviário com extensão de 2.396 quilômetros, que pretende ligar o Oceano Atlântico aos portos de Antofagasta e Iquique, no Chile, passando por Paraguai e Argentina.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
FGTS está na conta dos trabalhadores nascidos em dezembro
Economia
Nascidos em julho recebem auxílio hoje e poderão sacar em outubro
Economia
Brasil e Paraguai assinam acordo para reabrir a fronteira
Economia
Pagamentos do Ciclo 1 do auxílio emergencial estão concluídos
Economia
Sidrolândia ganha unidade produtora de leitões que vai gerar 100 empregos
Economia
Caixa paga auxílio para 3,9 mi de beneficiários hoje; veja quem recebe
Economia
Comércio na fronteira terá liberação "meia boca"
Economia
Caixa paga abono salarial nesta segunda; veja quem recebe
Economia
FGTS: Caixa deposita hoje para trabalhadores nascidos em novembro
Economia
Veja quem recebe o auxílio emergencial nesta sexta

Mais Lidas

Internacional
Vídeo: Sem saber, mulher atropela brutalmente o sogro e foge do local
Polícia
Jovem mata o namorado com agulha de narguilé em discussão por pastel
Saúde
MS tem 926 novos casos de coronavírus; 463 são da capital
Política
Câmara aprova projeto que prorroga contratos durante a pandemia